Bolha palestina prestes a estourar

ANP, que depende de doações internacionais, enfrenta crise de financiamento

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

 

Cidade palestina de Ramallah, na Cisjordânia. Foto por Jillian Kestler-D'Amours via IPS
 
"Vai entrar em colapso, e quanto mais tarde, mais duro será", alertou o economista palestino Tareq Sadeq, professor da Universidade Birzeit, ao explicar a bolha econômica que cresce na Autoridade Nacional Palestina (ANP). "As pessoas perderão suas casas, carros e, talvez, sua terra, pelo estouro da bolha. Toda a economia será afetada e também a ANP, por isso pode-se dizer que a própria ANP cairá em colapso", disse Sadeq à IPS.
 
A ANP informou que enfrenta uma crise de financiamento. Depende das doações para cobrir seu orçamento de US$ 1,1 bilhão e tem escassez de liquidez de US$ 500 milhões. "A economia palestina depende cada vez mais e mais dos salários, e não apenas o setor público. Cerca de 70% dos trabalhadores são servidores públicos, assim, não há produção na economia. As pessoas consomem, consomem e consomem, e não há produção", explicou.
 
Assine a revista Samuel. Apoie a imprensa independente.
 
O Fundo Monetário Internacional (FMI) rejeitou um pedido feito no começo de julho pelo governo israelense de US$ 1 bilhão para financiar à ANP. A economia da Cisjordânia depende totalmente da assistência internacional. Em 2011, os doadores prometeram US$ 1 bilhão, dos quais só entregaram US$ 800 milhões. "Toda a economia está restrita à assistência financeira dos doadores internacionais, o que acentua mais a vulnerabilidade da economia palestina", ressaltou.
 
O primeiro-ministro, Salam Fayyad, impulsionou o desenvolvimento econômico e os investimentos no setor privado para garantir a independência. A maioria dos órgãos internacionais e governos elogiou seu enfoque, destacando que uma prova do êxito era o crescimento do produto interno bruto, de 7,7% entre 2008 e 2011. Em seu plano de desenvolvimento 2011-2013, Criando o Estado, construindo nosso futuro, a ANP estima que o PIB aumentará 12% em 2013. Entretanto, um informe do Banco Mundial, divulgado no dia 25 de julho, conclui que a economia da Palestina não é sustentável.
 
"A ANP realizou progressos sustentáveis em muitas áreas para criar as instituições que exigirá o futuro Estado, mas a economia não está suficientemente forte para respaldá-los", alertou John Nasir, um dos principais autores do estudo Para uma sustentabilidade econômica de um futuro Estado palestino: promovendo o crescimento a pedido do setor privado, em uma declaração que antecipa os resultados do mesmo. Eliminar as restrições de acesso ao mercado e aos recursos naturais é o primeiro passo necessário para expandir o setor privado palestino e que a ANP deixe de depender da ajuda estrangeira, afirma o estudo.
 
"Isto está diante de nossos narizes desde o início do processo de Oslo: qualquer um pode ver claramente que a economia não é sustentável", observou o empresário palestino-norte-americano Sam Bahour. Segundo sua experiência, o maior obstáculo ao desenvolvimento econômico é o controle israelense sobre o capital humano da Palestina.
 
A Samuel quer conhecer você: responda nosso questionário
 
"Se no setor privado se perguntar qual é o maior problema, a resposta será que não podemos encontrar os profissionais que precisamos. Como Israel controla todos os pontos de entrada e saída, e não apenas de mercadorias, mas também de pessoas, basicamente regula o ritmo de nosso desenvolvimento mediante o bloqueio de recursos humanos", descreveu Bahour à IPS.
 
Israel e os representantes palestinos assinaram o Protocolo de Paris em abril de 1994 no contexto dos Acordos de Oslo, um convênio assinado em 1993 que detalha relações e responsabilidades entre ambos, e que também deu à luz a Autoridade Nacional Palestina. O Protocolo criou um contexto de relações econômicas entre as partes. Desde então, Israel arrecada as taxas sobre os produtos importados para os territórios palestinos e transfere os fundos à ANP.
 
Além disso, foi concedida à ANP autoridade para adotar impostos de forma direta e indireta para criar uma política industrial, gerar cargos públicos e uma autoridade monetária. Mas o comércio palestino com outros países ficou nas mãos dos portos israelenses ou dos postos de fronteira controlados pelo Estado judeu, o que continua causando perdas econômicas significativas.
 
Segundo Bahour, o controle de Israel sobre o mercado palestino e as dificuldades econômicas e sociais resultantes para a população levaram ao que ele chama de "americanização da população palestina". Quando "a economia se ressente, a participação dos doadores é basicamente de domínio e condução da economia, e a população se endivida cada vez mais, as pessoas se tornam individualistas e pretendem fazer o melhor por sua própria conta", explicou.
 
Baixe a revista Samuel no seu iPad ou Android
 
A taxa de desemprego na Cisjordânia no primeiro trimestre deste ano foi de, aproximadamente, 20%, segundo o Escritório Central de Estatísticas da Palestina. Este órgão também indica que um quarto dos palestinos da Cisjordânia, onde residem 2,6 milhões de pessoas, vivia na pobreza em 2011, enquanto 13% vivia em condições de extrema pobreza.
 
As autoridades palestinas devem estar conscientes do que significa construir uma economia sob ocupação e mudar sua política para aliviar o peso econômico que carregam muitas famílias, pontuou Tareq Sadeq. "A brecha aumenta. Há frustração nas ruas, mas o que importa para as pessoas é não perder. Querem manter suas casas e as coisas que compraram", ressaltou. "A economia palestina sofre uma ocupação. Temos que criar nossas próprias políticas de desenvolvimento sob a ocupação e pensar em como ajudar as pessoas a se manterem, ficarem em suas terras e resistirem à ocupação", acrescentou. (Envolverde / IPS
 
 
Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias