EUA: menores punidos com prisão perpétua são negros, pobres e vítimas de violência

Sistema prisional: pesquisa nos EUA revela que a maioria dos 2,5 mil jovens encarcerados sem possibilidade de liberdade condicional teve passado difícil

O sistema penal dos Estados Unidos é um dos mais punitivos do mundo contra menores de idade. Nas celas norte-americanas, mais de 2.500 jovens cumprem a pena de prisão perpétua sem a perspectiva de um dia conseguir liberdade condicional. A legislação de alguns estados dos EUA também prevê a pena de morte para menores de idade. A despeito da rigidez da política de encarceramento do país, um estudo concluído em 2012 confirmou o que muitos reformistas já vinham argumentando: a maioria dos condenados — muito dos quais tinham apenas 13 anos quando cometeram seus crimes — é de origem pobre, presenciou violência na infância e já sofreu abusos físicos e sexuais quando criança.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O estudo The Lives Of Juvenille Lifers (“As vidas dos jovens que cumprem prisão perpétua”), feita pelo The Sentencing Project e publicada pela revista In These Times, é a primeira pesquisa nacional sobre o tema. Após ouvir cerca de 1,6 mil condenados por crimes cometidos antes dos 18 anos, a pesquisa chegou a algumas conclusões:

* 79% afirmou já ter presenciado violência doméstica;
* metade deles sofreu agressão física antes de cometer o crime (cerca de 80%, entre as garotas);
* um em cada cinco foi vítima de violência sexual (77% das meninas foram estupradas).


Unidade de internação de jovens infratores no bairro do Brás, SP; no país, debate sobre maioridade penal voltou à pauta com assassinato do universitário Victor Hugo Deppman, morto com um tiro após uma tentativa de assalto

EUA: polícia divulga vídeo que mostra oficial disparando contra homem negro desarmado

Erros judiciais afetam esclarecimento de crimes da Operação Condor, diz relatório

Após vitória de Trump, relatos de agressões contra minorias nos EUA se propagam nas redes sociais

 

Sobre o perfil dos sentenciados, a realidade prisional juvenil segue à risca as estatísticas do sistema carcerário como um todo: 60% dos entrevistados são negros e apenas 25% são brancos. E pior, os números indicam que quanto mais escura é a pele do réu, mais dura é a sentença. Se o acusado é negro, é mais alta a probabilidade de ser condenado à morte pelo júri — se a vítima for branca, então, a chance aumenta mais quatro vezes.

Por passar tantos anos na prisão sem qualquer perspectiva de um dia sair de lá — a média entre os ouvidos pela pesquisa é de 16 anos gastos atrás das grades —, os jovens passam a reagir de maneira mais positiva com o ambiente que os cerca. Depois de uma década na prisão, cerca de 35% conseguiu ficar três anos sem ser submetido a qualquer medida disciplinar. Depois de 21 anos, 60% não protagonizou incidentes. “Muitos jovens enxergam o ambiente da prisão como tudo o que eles terão para controlar pelo resto da vida, e assim fazem de tudo para extrair o melhor possível com os recursos disponíveis”, descreve a pesquisa.

Programas educacionais e política de trabalho para os jovens condenados também são limitados. Mais da metade dos entrevistados não estava inserida em qualquer tipo de programa de reabilitação. E não por falta de interesse. Para 80% dos ouvidos, ações deste tipo não estão disponíveis ou são restritas — muitos são recusados justamente por estarem cumprindo a pena de prisão perpétua. Segundo a lógica do sistema, já que os jovens nunca vão conseguir voltar à sociedade, não há motivos para ensiná-los habilidades de trabalho e de convivência.

Leia também:
Conheça a prisão-clube que está mexendo com o sistema penal europeu

A Suprema Corte dos EUA

Nos últimos anos, duas decisões da Suprema Corte buscaram reverter, ainda que muito timidamente, essa situação. Em 2010, o Tribunal determinou que os jovens que não cometeram homicídios não podem ser condenados pela Justiça à prisão perpétua sem liberdade condicional. No ano passado, a Corte foi adiante e expandiu a decisão: jovens acusados de assassinatos não podem pegar prisão perpétua sem que o juiz encarregado analise especificamente o caso e o passado do réu.

Para embasar a decisão, os magistrados citaram estudos médicos para mostar que o cérebro de um adulto não é igual ao de um adolescente, que continua a se desenvolver até os 25 anos de idade. De acordo com a Suprema Corte dos EUA, a punição é uma estratégia ineficaz para combater a criminalidade juvenil, pois muitos são incapazes de prever e distinguir as potenciais consequências das suas decisões.

Os argumentos de Ashley Nellis, autor do estudo, vão na mesma linha. Assim como o desenvolvimento mental e neurológico é diferente entre adolescentes e adultos, a punição não pode ser a mesma. “Eles merecem um sistema de Justiça diferente”.


Estudantes da Faculdade Cásper Líbero fazem manifestação na Av. Paulista, em SP, após morte do colega

Redução da maioridade penal

No Brasil, o debate sobre a idade penal costuma reacender após casos de repercussão nacional. O assassinato do estudante Victor Hugo Deppman, há alguns dias, colocou na pauta a discussão. Deppman foi morto com um tiro após uma tentativa de assalto; o autor do disparo, que assumiu o crime e se entregou à polícia, tem 17 anos e está a apenas alguns dias de atingir a maioridade.

Há diversos projetos que reduzem a idade penal em tramitação no Congresso Nacional. A maioria das PECs — instrumento capaz de modificar a Constituição Federal — estabelece em 16 anos o limite. Em recente declaração, o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou que encaminhará um projeto de lei para tornar mais rígido o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) para os adolescentes envolvidos em casos de violência grave e reincindente. O Ministério da Justiça já se posicionou contra a medida.

Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Outras Notícias

Receba informações de Opera

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias