'Acham que é por democracia que se move a direita golpista do Brasil?', questiona deputada da esquerda portuguesa

Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, pediu coerência dos colegas parlamentares a respeito do processo brasileiro e ressaltou que quem se prestou ao ‘papel de claque dos golpistas da direita brasileira agora só pode calar-se com vergonha’

“Por algum valor conservador, que não tem nada a ver com as pedaladas fiscais de Dilma, o meu voto é sim”. Desta forma, a deputada portuguesa do Bloco de Esquerda Joana Mortágua iniciou seu pronunciamento a respeito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. A política criticou duramente os partidos que apoiaram em suas redes sociais o processo conduzido pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) e pediu coerência dos que dizem defender a democracia em seu país.

Veja o vídeo:

Confira a transcrição do pronunciamento:

“Por algum valor conservador, que não tem nada a ver com as pedaladas fiscais de Dilma, o meu voto é sim”.

No meio do degradante espetáculo a que assistimos na madrugada do passado domingo, esta declaração de voto resume com honestidade o momento em que o impeachment da Presidente do Brasil se revelou como um golpe contra um Governo democraticamente eleito.

Na manhã seguinte os títulos da imprensa internacional traduziram em ridículo a farsa de domingo: “deus e netos dos deputados derrubaram a Presidente do Brasil” foi o resumo feito pela maioria dos jornais como o New York Times ou a Newsweek.

Depois das declarações de voto de 367 deputados a favor do impeachment já não é possível branquear o que aconteceu:

Pela esposa Paula, pelo neto Gabriel, pela sobrinha Helena, pela tia que me cuidou quando eu era criança, pelos corretores de seguros do Brasil, pelos evangélicos, pelo petróleo, para acabar com a Central Única dos Trabalhadores e os seus marginais, pela Ditadura Militar de 1964 e em homenagem ao torturador Alberto Brilhante Ulstra, que foi o pavor de Dilma Rousseff.

Quem em Portugal se prestou ao papel de claque dos golpistas da direita brasileira agora só pode calar-se com vergonha. E percebe-se o porquê: Entre deus e o mundo, tudo foi razão para derrubar a presidente do Brasil. Tudo menos o tal crime de responsabilidade que seria a única justificação legal para o impeachment.

O debate correu, e dos fundamentos formais do impeachment nem sinal. Foram esquecidos até pelos organizadores do golpe como desculpas esfarrapadas que eram. E só podemos esperar que o combate à corrupção não vá pelo mesmo caminho.

Nunca vão nos ouvir branquear o pântano de corrupção que domina a política brasileira. Nunca nos ouvirão negar envolvimento de altos responsáveis do PT no Mensalão, no Lava Jato ou em outros escândalos de favorecimento pessoal ou partidário em prejuízo do povo brasileiro. No Brasil, como em Portugal, a corrupção deve ser combatida e os corruptos devem ser sujeitos à justiça mais incomplacente.

Reprodução/ Youtube

Joana 
Mortágua ressaltou posição do Bloco de Esquerda contra golpe no Brasil

Mas não foi isso que aconteceu no domingo. Se assim fosse, todo o sistema político brasileiro teria de ser alvo de impeachment por ser feito para favorecer a compra de votos, o financiamento privado de partidos, a troca de favores e a corrupção do poder político.

Se alguma coisa poderia ter evitado o desfecho inconstitucional desta história, era a reforma política e a democratização do sistema político que próprio PT prometeu e falhou em cumprir.

É que, ao contrário de Dilma Russeff, 60% dos deputados que votaram SIM à sua destituição estão a braços com a justiça. Correu mundo o caso da deputada Raquel Moniz do PSD (brasileiro) que dedicou o seu voto ao marido Ruy Moniz, Prefeito de Montes Claros, exemplo de gestor público de mãos limpas mas que na manhã seguinte foi preso pela Polícia Federal por envolvimento em corrupção.

O argumento da transparência não tem credibilidade na boca dos corruptos. Falemos dos organizadores do Golpe: Michel Temer, atual vice e pretenso sucessor à presidência é suspeito em investigações da Lava Jato.

Joana também comentou o caso em outro momento da sessão:

Já Eduardo Cunha, pai do impeachment e Presidente da Câmara de Deputados, é réu no Supremo Tribunal Federal no caso Lava Jato e está em risco de perder o mandato por ter mentido numa Comissão Parlamentar de Inquérito para esconder contas bancárias no estrangeiro.

A verdade é que o processo de cassação do mandato de Eduardo Cunha corre muito mais lento do que o processo de impeachment de Dilma Rousseff, e veremos se o agradecimento da direita brasileira a Eduardo Cunha não será a amnistia e a impunidade.

Deputados se comportaram como 'torcedores bêbados em um estádio de futebol', diz 'Irish Times'

Impeachment de Dilma 'é uma tragédia e um escândalo', diz jornal britânico The Guardian

Charge do Latuff: Imprensa do exterior repercute processo de impeachment contra Dilma Rousseff

 

No final de 72h de discussão na Câmara de Deputados há uma pergunta que é obrigatória: O impeachment resolve algum problema de corrupção? Não. Mas, a confirmar-se, o impeachment é a vitória da corrupção.

O impeachment é a vitória de um sistema iníquo e de uma direita conservadora que viu uma oportunidade para assaltar o poder.

É verdade que o impeachment é um instrumento legal, mas as suas regras estão constitucionalmente previstas. Quando as causas que o justificam são falsas, quando o seu motivo é político e não judicial, quando falham as provas, quando se forjam argumentos, então estamos perante uma farsa, um puro golpe de oportunistas.

Lula Marques/ Agência PT

"Pixuleco", o boneco inflável de Lula vestido de presidiário é uma das marcas do movimento a favor do impeachment

Para encobrir o nepotismo e proteger os seus próprios interesses os golpistas não se limitaram a opor-se ao Governo, atiraram à Constituição e, com ela, à democracia. Falta saber se avançam para a revisão da Constituição de 1988, afinal basta que uma maioria de deputados se junte pelos mesmos netos e esposas.

O Bloco de Esquerda não vem hoje a esta Tribuna discutir governos, governantes ou as suas opções políticas. Aqui levantamo-nos pela democracia, a par de tantos democratas, para lamentar que no Brasil um governo democraticamente eleito pelo povo possa cair não pelo voto do povo, mas por um golpe feito em nome de interesses corruptos e corrompidos.

Aqueles que nos acusaram de ingerência por defendermos a democracia em Angola não tiveram pudores em defender o golpe no Brasil. Por isso, e antes que a hipocrisia dos interesses nos perturbe a razão, aqui estamos para lembrar que o papel dos democratas é defender a democracia, seja onde for.

Há poucas semanas, quando o Bloco de Esquerda se pronunciou claramente contra o golpe do impeachment, não faltou quem saltasse a terreiro para nos acusar de cumplicidades e encobrimentos.

Como já disse, ninguém espere nunca do Bloco o silêncio e a complacência sobre privilégio e abuso de poder. Mas hoje, depois de tudo o que o mundo viu nas últimas desgraçadas semanas no Brasil, pergunto aos senhores deputados de todas as bancadas e em particular aos deputados das bancadas da direita parlamentar: acham mesmo que é pela democracia e pela transparência que se move a direita golpista do Brasil?

--

Publicado originalmente em Esquerda.net


Outras Notícias

Mais Lidas

PUBLICIDADE

Samuel Blog

Opera Mundi

Últimas Notícias

PUBLICIDADE