Michel Temer forneceu informações aos EUA em troca de apoio político, diz Julian Assange

Em entrevista ao escritor Fernando Morais, fundador da Wikileaks afirmou que Michel Temer teve reuniões privadas na embaixada dos EUA; Presidência nega

Atualizada às 19h40

Em entrevista exclusiva ao escritor Fernando Morais, editor do blog Nocaute, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, afirmou que Michel Temer forneceu informações estratégicas sobre o Brasil à embaixada norte-americana, em troca de apoio dos Estados Unidos ao golpe parlamentar de 2016.

Consultada por Opera Mundi, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República afirmou que "sobre a questão levantada, a Secretaria de Imprensa informa que isso jamais aconteceu. Temer não compareceu a nenhuma embaixada para tratar desses assuntos".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Michel Temer teve reuniões privadas na embaixada dos Estados Unidos e forneceu informações políticas às quais muitos não tinham acesso. Não digo que ele tenha sido um espião pago. Falo de outra coisa: de trocar informação por apoio político”, afirma.

A administração de Barack Obama, que tem John Kerry como secretário de Estado, apoiou três golpes recentes na América Latina: os de Honduras, Paraguai e Brasil. Isso explica por que Temer e seu chanceler, José Serra torceram, tanto por Hillary Clinton na disputa eleitoral norte-americana em 2016.

A íntegra da entrevista com Assange será publicada nesta semana pelo Nocaute.

Beto Barata / Palácio do Planalto

Michel Temer, José Serra e John Kerry, secretário de Estado dos EUA, durante recepção a chefes de governo e representantes estrangeiros por ocasião dos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro

*Nota publicada originalmente no Portal Fórum

A devastação do trabalho na contrarrevolução de Temer

'Gente boa também mata': a fascista campanha de educação no trânsito do governo federal

Após massacres em presídios, OAB vai acionar Corte Interamericana de Direitos Humanos contra Estado brasileiro

 


Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)



Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Mais Lidas

PUBLICIDADE

Samuel Blog

Opera Mundi

Últimas Notícias

PUBLICIDADE