'Vamos falar sobre masculinidade?': Defensoria Pública de SP lança cartilha para combater machismo

Cartilha 'surge diante da necessidade de se discutir com os homens, não só aqueles que já tiveram envolvimento criminal com violência doméstica, mas todos os homens, sobre o machismo', diz defensora pública e coordenadora da iniciativa

A Defensoria Pública de São Paulo lançou a cartilha “Vamos falar sobre masculinidade?”, que traz orientações sobre como coibir o machismo na sociedade. Serão disponibilizadas 10 mil cópias em todas as unidades do órgão e também no site da defensoria.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Yasmin Pestana, defensora pública e coordenadora auxiliar do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher, disse que o objetivo é estimular o debate sobre gênero. “Esse perfil que a gente chama de masculinidade hegemonizada, um padrão de como deve ser o homem – não pode demonstrar sensibilidade, não pode chorar, tem que ser provedor –, tudo isso tem que ser discutido nas localidades”, afirmou.

A defensora explicou que os homens, público-alvo da campanha, poderão refletir sobre sua conduta. “A cartilha surge diante da necessidade de se discutir com os homens, não só aqueles que já tiveram envolvimento criminal com violência doméstica, mas todos os homens, sobre o machismo”.

Mídia Ninja

Marcha das Vadias em Fortaleza (CE), em maio de 2013

Violência nunca é sobre amor: dissecando a carta do assassino de Campinas

Putin sanciona lei que descriminaliza violência doméstica na Rússia

Além do 'faça acontecer': por um feminismo dos 99% e uma greve internacional militante em 8 de março

 

A publicação fala sobre violência doméstica, Lei Maria da Penha e orienta sobre serviços de acolhimento, mas traz ainda outras reflexões. “Vincular masculinidade a agressividade e autoritarismo reverbera para a prática da violência doméstica”, disse.

Yasmin informou que o núcleo do qual participa, idealizador do material, tem como função fornecer suporte teórico e prático aos defensores públicos, em âmbito estadual. São cerca de 40 municípios atendidos. Além disso, o núcleo é responsável pela fiscalização e o monitoramento de políticas públicas voltadas à proteção da mulher.

Nesta semana, serão organizadas duas rodas de discussões. Nesta terça-feira (14/02), o evento será das 19h às 21h30, na Defensoria Pública em Santo André. Na quarta-feira (15/02), o debate ocorre das 17h às 19h30 na Defensoria Pública em Ferraz de Vasconcelos. Os debates são abertos e não precisam de inscrições.

Reprodução

Detalhe da cartilha da Defensoria Pública de SP


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.