'Lugar de fala' virou ferramenta de exclusão

Transformado em veto, o 'lugar de fala' serve para obstruir as articulações entre grupos dominados e até mesmo pintar com as cores do inimigo aqueles que poderiam ser seus aliados

"Lugar de fala" virou uma ferramenta de exclusão. "Ter lugar de fala" é um bilhete de acesso, numa leitura literal da metáfora: é ter assento numa assembleia exclusiva. Quem "não tem lugar de fala" não tem assento, logo deve ser expulso, isto é, se calar.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Mas a ideia de lugar de fala remetia ao entendimento de que todo discurso é socialmente posicionado. Em oposição a compreensões racionalistas, que julgam que os discursos devem ser avaliados por seus argumentos abstratos, a ideia de lugar de fala indicava que a identidade do falante nunca é irrelevante. As posições socialmente estruturadas geram perspectivas que informam os discursos. Por isso, independentemente de seus valores, ideais ou simpatias, mulheres e homens, negros e brancos, trabalhadores e patrões, gays e heteros, vão manifestar visões diferentes de mundo.

Leia também: Todos temos ‘lugar de fala’. Que tal descobrir qual é o seu?

Isso é um alerta que visa produzir uma leitura menos ingênua e mais informada de todos os discursos presentes no mundo social. Não é um veto. Nem as percepções que sustentam um privilégio epistêmico dos grupos dominados, como as standpoint theories dos anos 1970, creem que da experiência vivida deriva automaticamente a capacidade de entendê-la e de interpretá-la de forma crítica ou que se deve estabelecer uma reserva de mercado no debate sobre o mundo.

Cientistas brasileiros temem que cortes de Temer destruam pesquisas no país, diz revista Nature

Breno Altman: 'Segredo da Lava Jato é transformar cada investigação num grande espetáculo de mídia'

Verdadeiro ou falso: 8 frases de Jair Bolsonaro

 

Paulo Amoreira/Flickr/CC

Para professor da UnB, lugar de fala virou instrumento de exclusão

O ponto não é proibir que alguns falem sobre determinados assuntos. Nem dar a outros uma autoridade ilimitada porque ancorada numa vivência singular. O ponto é sempre levar em conta de onde partem os discursos, entender que eles externam uma perspectiva situada, incluir esse elemento na apreciação que fazemos deles. O integrante de um grupo dominado tem uma vivência que permite (potencialmente) que seu discurso traduza um conhecimento prático que alguém externo ao grupo não tem como alcançar. Isso é muito relevante. Mas não faz dele um oráculo, nem reduz o outro ao silêncio.

Transformado em veto, em arma de ataque em batalhas identitárias cada vez mais centradas em si mesmas, o "lugar de fala" serve para obstruir as articulações entre grupos dominados e afastar, até mesmo pintar com as cores do inimigo, aqueles que poderiam ser seus aliados.

(*) Luis Felipe Miguel é professor titular do Instituto de Ciência Política da UnB (Universidade de Brasília) e coordenador do Demodê (Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades). Graduado em Ciência Social pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), mestre em Ciência Política pela UnB e doutor em Ciências Sociais pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), é um dos organizadores do livro Aborto e Democracia.

(**) Este texto foi publicado originalmente no perfil de Luis Felipe Miguel no Facebook, e reproduzido pelo Painel Acadêmico


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias