'Lugar de fala' virou ferramenta de exclusão

Transformado em veto, o 'lugar de fala' serve para obstruir as articulações entre grupos dominados e até mesmo pintar com as cores do inimigo aqueles que poderiam ser seus aliados

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

"Lugar de fala" virou uma ferramenta de exclusão. "Ter lugar de fala" é um bilhete de acesso, numa leitura literal da metáfora: é ter assento numa assembleia exclusiva. Quem "não tem lugar de fala" não tem assento, logo deve ser expulso, isto é, se calar.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Mas a ideia de lugar de fala remetia ao entendimento de que todo discurso é socialmente posicionado. Em oposição a compreensões racionalistas, que julgam que os discursos devem ser avaliados por seus argumentos abstratos, a ideia de lugar de fala indicava que a identidade do falante nunca é irrelevante. As posições socialmente estruturadas geram perspectivas que informam os discursos. Por isso, independentemente de seus valores, ideais ou simpatias, mulheres e homens, negros e brancos, trabalhadores e patrões, gays e heteros, vão manifestar visões diferentes de mundo.

Leia também: Todos temos ‘lugar de fala’. Que tal descobrir qual é o seu?

Isso é um alerta que visa produzir uma leitura menos ingênua e mais informada de todos os discursos presentes no mundo social. Não é um veto. Nem as percepções que sustentam um privilégio epistêmico dos grupos dominados, como as standpoint theories dos anos 1970, creem que da experiência vivida deriva automaticamente a capacidade de entendê-la e de interpretá-la de forma crítica ou que se deve estabelecer uma reserva de mercado no debate sobre o mundo.

Cientistas brasileiros temem que cortes de Temer destruam pesquisas no país, diz revista Nature

Breno Altman: 'Segredo da Lava Jato é transformar cada investigação num grande espetáculo de mídia'

Verdadeiro ou falso: 8 frases de Jair Bolsonaro

 

Paulo Amoreira/Flickr/CC

Para professor da UnB, lugar de fala virou instrumento de exclusão

O ponto não é proibir que alguns falem sobre determinados assuntos. Nem dar a outros uma autoridade ilimitada porque ancorada numa vivência singular. O ponto é sempre levar em conta de onde partem os discursos, entender que eles externam uma perspectiva situada, incluir esse elemento na apreciação que fazemos deles. O integrante de um grupo dominado tem uma vivência que permite (potencialmente) que seu discurso traduza um conhecimento prático que alguém externo ao grupo não tem como alcançar. Isso é muito relevante. Mas não faz dele um oráculo, nem reduz o outro ao silêncio.

Transformado em veto, em arma de ataque em batalhas identitárias cada vez mais centradas em si mesmas, o "lugar de fala" serve para obstruir as articulações entre grupos dominados e afastar, até mesmo pintar com as cores do inimigo, aqueles que poderiam ser seus aliados.

(*) Luis Felipe Miguel é professor titular do Instituto de Ciência Política da UnB (Universidade de Brasília) e coordenador do Demodê (Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades). Graduado em Ciência Social pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), mestre em Ciência Política pela UnB e doutor em Ciências Sociais pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), é um dos organizadores do livro Aborto e Democracia.

(**) Este texto foi publicado originalmente no perfil de Luis Felipe Miguel no Facebook, e reproduzido pelo Painel Acadêmico


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Santos anuncia ingresso da Colômbia na OTAN

O presidente e prêmio Nobel da Paz, J. Manuel Santos, escolheu ingressar na historicamente belicista OTAN na mesma semana em que se inicia a etapa final do processo eleitoral colombiano