'A partir de agora, vou reivindicar minha candidatura para presidente em 2018', diz Lula

Ex-presidente fez pronunciamento na sede do PT em São Paulo sobre condenação proferida ontem pelo juiz Sergio Moro: 'Eu não sei como é que alguém consegue escrever quase 300 páginas sem nenhuma prova contra quem ele pretende acusar'

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez, nesta quinta-feira (13/07), seu primeiro pronunciamento público após a condenação em primeira instância no "caso do tríplex do Guarujá". Na sede nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo (SP), Lula criticou a atuação do juiz Sergio Moro e da imprensa comercial, e afirmou que irá se candidatar a presidente da República novamente: "Se alguém pensa que com essa sentença me tirou do jogo [político], eu quero dizer que estou no jogo".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O petista complementou indicando: "Quero dizer ao meu partido que, a partir de agora, eu vou reivindicar a minha candidatura para presidente em 2018". "Senhores da 'Casa Grande', permitam que o povo da 'Senzala' faça o que vocês não têm competência para fazer", reforçou. 

"Só quem tem o direito de decretar meu fim é o povo brasileiro", enfatizou Lula, em referência aos processos judiciais e políticas que vão contra ele.

Em relação a Moro, o ex-presidente apontou que sofre perseguição desde o início do processo. "Eles já estavam com a concepção da condenação pronta", declarou. "Eu ficaria mais feliz se eu fosse condenado com uma prova. Não sou dono de tríplex, não tenho tríplex", refirmou o petista, diante de cerca de 40 jornalistas e outras dezenas de apoiadores, que se concentravam do lado externo do prédio. "Eu não sei como é que alguém consegue escrever quase 300 páginas sem nenhuma prova contra quem ele pretende acusar".

Já sobre os meios de comunicação, o petista foi enfático ao dizer que "o ódio está disseminado nesse país, e a Globo é a disseminadora do ódio".

Coletiva

O pronunciamento começou ao meio-dia e terminou pouco antes da uma da tarde. O ex-presidente foi condenado, em primeira instância, na última quarta-feira (12/07), a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, foi quem abriu a coletiva de imprensa: "A sentença carece de provas e é absolutamente política. Coincidentemente, ela acontece um dia após a CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] ser rasgada", disse a senadora, em referência à aprovação da reforma trabalhista no Senado, na última terça (11/07).

Sem esconder indignação com o conteúdo da sentença, Lula aproveitou a oportunidade para criticar a cobertura da mídia corporativa sobre o golpe de 2016 e a operação Lava Jato: "Esse processo começou com uma mentira do jornal O Globo", disse, completando: "Eu sempre tive a consciência de que, se o Lula pudesse ser candidato [em 2018], o golpe não fechava".

Em relação à postura do juiz federal de primeira instância Sergio Moro, o petista também foi enfático: "Nenhuma verdade era levada em conta (durante o processo). O Moro não precisa contar conta para mim. Precisa prestar contas à história".

Partido dos Trabalhadores / Flickr CC

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva durante pronunciamento nesta quinta-feira (13/07) na sede do PT em São Paulo

O que a CIA dizia sobre Lula na década de 1980

Imagem do Brasil no exterior se deteriora rapidamente, diz fundação alemã ligada a partido de Merkel

Imprensa internacional diz que condenação de Lula vem em meio a favoritismo para 2018; veja repercussão

 

Assim como prometeram os advogados de Lula na quarta-feira (12/07), além de aguardar o julgamento do recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a defesa deve recorrer às Nações Unidas e a cortes internacionais para impedir que o ex-presidente seja condenado sem provas.

"A minha indignação como cidadão brasileiro não me faz perder a crença de que nesse país ainda existe justiça", ressaltou Lula, ao final da coletiva, quando se lançou como pré-candidato à Presidência em 2018 pelo PT.

Relembre o caso

Lula foi acusado pelo Ministério Público Federal de receber R$ 3,7 milhões em propina referente a três contratos entre a empreiteira OAS e a Petrobras. Um apartamento triplex no Guarujá, litoral paulista, seria supostamente entregue como parte dessas negociações. Segundo a Promotoria, que pediu sua prisão, Lula teria cometido os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

"O Moro tem para comigo um otimismo que nem eu tenho", ironizou o ex-presidente, logo ao início da coletiva. Lula se refere a um dos parágrafos que Sérgio Moro incluiu na sentença, recomendando que o petista seja impedido de assumir cargos públicos até 2036.

A defesa afirma que não havia provas para a condenação, e que esta simboliza a perseguição política sofrida por Lula nos últimos três anos.

“Na falta de provas, como foi reconhecido pelo próprio Ministério Público Federal (MPF), o juiz aplicou aquilo que o procurador chama de teoria ‘explacionista’, que significa condenação sem prova, apenas com explicações, o que contraria a Constituição Federal”, criticou o advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin.

A sentença do juiz Sérgio Moro, em primeira instância, não impede Lula de se candidatar à Presidência da República em 2018. Para que isso aconteça, a condenação terá que ser mantida em segunda instância, no TRF-4. O ex-presidente aguardará o julgamento do recurso em liberdade.

 

Publicado originalmente no site Brasil de Fato


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias