Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e MC Danieli Lima, que interviu ao testemunhar a violência

A filósofa Judith Butler, 61 anos, foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 10. Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A mesma agressora também proferiu insultos racistas à atriz/MC Danieli Lima, 30 anos, que tentou intervir ao perceber a violência contra a filósofa. "Vi a Judith Butler passando e uma senhora atrás com uma placa na mão chamando de pedófila, nojenta, que não era bem vinda no Brasil. Ela estava muito exaltada, uma agressividade muito grande, xingava em inglês e português e empurrava ela com o cartaz", explicou ela, que estava embarcando para o Rio de Janeiro. "Eu fui atrás e falei que ela não poderia fazer isso, que ela precisava respeitar as pessoas", conta ela, cujo nome artístico é Dani Nega. 

Em seguida, a mulher virou-se para Danieli, abriu os braços e começou a gritar:

"Quem é você? Você é feia, feia, olha o seu cabelo, olha a sua cor, vai pentear o cabelo, você é feia!", relatou a testemunha, que registrou boletim de ocorrência na delegacia no próprio aeroporto por racismo.

Wikimedia Commons

Butler foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira

Tunísia aprova lei histórica sobre violência contra mulheres

Itália: Homem ejacula em mulher em ônibus e Justiça decide que masturbação em público não é crime

Visita de Judith Butler ensina: ideologia de gênero e bruxas não existem

 

Segundo ela, a agressão durou cerca de 10 minutos e ocorreu por volta das 9h40. "Ela estava muito exaltada, foi uma das coisas mais desumanas que eu já vi. Falei que racismo era crime, ela tentou ir embora, mas o delegado a conduziu para a delegacia", afirma Danieli, que escreveu também sobre o caso nas redes sociais. 



Matéria publicada originalmente em Carta Capital


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias