Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e MC Danieli Lima, que interviu ao testemunhar a violência

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A filósofa Judith Butler, 61 anos, foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 10. Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A mesma agressora também proferiu insultos racistas à atriz/MC Danieli Lima, 30 anos, que tentou intervir ao perceber a violência contra a filósofa. "Vi a Judith Butler passando e uma senhora atrás com uma placa na mão chamando de pedófila, nojenta, que não era bem vinda no Brasil. Ela estava muito exaltada, uma agressividade muito grande, xingava em inglês e português e empurrava ela com o cartaz", explicou ela, que estava embarcando para o Rio de Janeiro. "Eu fui atrás e falei que ela não poderia fazer isso, que ela precisava respeitar as pessoas", conta ela, cujo nome artístico é Dani Nega. 

Em seguida, a mulher virou-se para Danieli, abriu os braços e começou a gritar:

"Quem é você? Você é feia, feia, olha o seu cabelo, olha a sua cor, vai pentear o cabelo, você é feia!", relatou a testemunha, que registrou boletim de ocorrência na delegacia no próprio aeroporto por racismo.

Wikimedia Commons

Butler foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira

Tunísia aprova lei histórica sobre violência contra mulheres

Itália: Homem ejacula em mulher em ônibus e Justiça decide que masturbação em público não é crime

Visita de Judith Butler ensina: ideologia de gênero e bruxas não existem

 

Segundo ela, a agressão durou cerca de 10 minutos e ocorreu por volta das 9h40. "Ela estava muito exaltada, foi uma das coisas mais desumanas que eu já vi. Falei que racismo era crime, ela tentou ir embora, mas o delegado a conduziu para a delegacia", afirma Danieli, que escreveu também sobre o caso nas redes sociais. 



Matéria publicada originalmente em Carta Capital


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos