Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e MC Danieli Lima, que interviu ao testemunhar a violência

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A filósofa Judith Butler, 61 anos, foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 10. Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A mesma agressora também proferiu insultos racistas à atriz/MC Danieli Lima, 30 anos, que tentou intervir ao perceber a violência contra a filósofa. "Vi a Judith Butler passando e uma senhora atrás com uma placa na mão chamando de pedófila, nojenta, que não era bem vinda no Brasil. Ela estava muito exaltada, uma agressividade muito grande, xingava em inglês e português e empurrava ela com o cartaz", explicou ela, que estava embarcando para o Rio de Janeiro. "Eu fui atrás e falei que ela não poderia fazer isso, que ela precisava respeitar as pessoas", conta ela, cujo nome artístico é Dani Nega. 

Em seguida, a mulher virou-se para Danieli, abriu os braços e começou a gritar:

"Quem é você? Você é feia, feia, olha o seu cabelo, olha a sua cor, vai pentear o cabelo, você é feia!", relatou a testemunha, que registrou boletim de ocorrência na delegacia no próprio aeroporto por racismo.

Wikimedia Commons

Butler foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira

Tunísia aprova lei histórica sobre violência contra mulheres

Itália: Homem ejacula em mulher em ônibus e Justiça decide que masturbação em público não é crime

Visita de Judith Butler ensina: ideologia de gênero e bruxas não existem

 

Segundo ela, a agressão durou cerca de 10 minutos e ocorreu por volta das 9h40. "Ela estava muito exaltada, foi uma das coisas mais desumanas que eu já vi. Falei que racismo era crime, ela tentou ir embora, mas o delegado a conduziu para a delegacia", afirma Danieli, que escreveu também sobre o caso nas redes sociais. 



Matéria publicada originalmente em Carta Capital


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990