'O campo é o corpo': música homenageia construção de campo na ENFF

Composição é resultado de uma parceria entre o cantor pernambucano Lira e o músico mineiro Dan Maia, para homenagear a inauguração do Campo Dr. Sócrates, na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF)

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

“O campo de asfalto, o campo do mato, o campo sem dono, o campo cercado, o campo negro, o campo caboclo”. Muitos campos estão retratados nos versos da música 'O Campo é o corpo', uma parceria de dois grandes artistas, o pernambucano Lira e o mineiro Dan Maia. A composição foi criada especialmente para homenagear a construção do Campo Dr. Sócrates Brasileiro, que será inaugurado no próximo sábado (23/12), na Escola Nacional Florestan Fernandes, em Guararema, São Paulo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Essa música é sobre a nossa comunhão com o espaço que ocupamos com nossos corpos, com nossos sonhos e também com a nossa esperança. A bola simboliza a busca por esse espaço, por esse lugar que queremos construir”, afirmou Lira, em entrevista à Página do MST.

A visceralidade do já conhecido timbre de voz do cantor pernambucano agrega sentido e emoção à letra forte que remete a um ritual, segundo o parceiro de Lira na composição e gravação da música, o mineiro de Belo Horizonte, Dan Maia. “Transportamos para o arranjo a ideia do corpo como campo, como se estivéssemos em um ‘toré’ indígena, um ritual sagrado que baliza as diferenças, ao mesmo tempo em que celebra a amizade e o sentimento de coletividade”, afirma. “O desafio de produzir com Lira é alcançar com timbres e música o estado febril que ele atinge ao colocar uma ideia”, destaca.

Cada detalhe da canção foi pensado para evocar, segundo Maia, o jogo, e tudo o que ele representa. “Tem as cordas de um piano, tocadas com baquetas e um rádio sendo sintonizado, remetendo ao estádio, ao jogo ‘oficial’. Acho que assim evocamos ‘todos os campos’ e ‘todos os corpos’, e indo além, ‘todas as lutas’, ‘onde balança a esperança, eterna dança, jogo sem fim’”, completa, citando versos da música.

MST

Os compositores da música O Campo é o corpo, Lira e Dan Maia

Um jogo de lutas, como as travadas pelos trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra na construção de um novo projeto de país que, para Lira, passa pela tarefa de jogar luz sobre as histórias perdidas de grandes brasileiros e brasileiras, como Sócrates.

“Uma das coisas que mais me impactou quando eu conheci a Escola Nacional Florestan Fernandes foi saber que lá há uma plenária com o nome de Patativa do Assaré, um artista do povo. E essa homenagem ao Dr. Sócrates se soma a diversas outras homenagens que o MST vem fazendo, iluminando essas histórias que fazem parte da história do nosso país, e que muitas vezes são silenciadas pela elite dominante”, destaca.

Relatório final confirma colaboração da VW do Brasil com ditadura e diz que empresa era 'leal' a militares

Homenagem à Caros Amigos

Fiscais flagram trabalho escravo em oficina de costura da Animale

 

“Eu tenho um profundo respeito e admiração pelas ações do MST e por esse trabalho de iluminar a nossa memória. A inauguração do campo é uma celebração à memória do Dr. Sócrates, que é um personagem brasileiro que entendeu a mística do futebol na vida coletiva do nosso país e fez da sua presença nesse espaço uma trincheira de luta pela democracia, por um mundo mais solidário”, argumenta Lira, com palavras carregadas de poesia.

A inauguração do Campo Dr. Sócrates Brasileiro acontece no sábado (23/12) na Escola Nacional Florestan Fernandes e contará com a presença de artistas, intelectuais e políticos convidados, entre eles, Chico Buarque e o ex-presidente Lula. O jogo inaugural do campo, marcado para as 13:30, horário local, será transmitido ao vivo pela Rádio Brasil em Movimento.


 

O campo é o corpo
(Lira / Dan Maia)


O campo de asfalto
O campo do mato
O campo sem dono
O campo cercado
O campo negro
O campo caboclo
O corpo que joga
O corpo feroz, hei

O campo de barro
O campo capim
O campo de areia da beira do mar
O campo come
O campo clareia
O corpo de pedra
O corpo de lama, hei

Ô bola, ô bola, ô bola lá
Vai ligeira, vem maneira, vai por mim
Onde balança a esperança
Eterna dança, jogo sem fim
O campo é o corpo

(*) Publicado na página do MST


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias