48 horas em Varsóvia: barata, capital da Polônia guarda mais atrações do que se imagina

Cidade, que foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial, tem restaurantes soviéticos, palácio construído por Stalin e jardim suspenso em biblioteca

A Polônia não é um destino dos mais famosos entre brasileiros. Quem costuma ir à Europa só pensa em incluir o país na terceira ou na quarta vez que visita o continente. Mais incomum ainda é ir à capital, Varsóvia.

A primeira reação que se ouve quando alguém diz “Estou indo para Varsóvia” é, geralmente, algo como “Mas não tem nada para fazer lá!”, ou “Cracóvia é tão mais bonita, você deveria ir para lá!”. Mas a cidade, que foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial e ressurgiu das cinzas, guarda mais atrações do que se imagina. 

E, para aproveitá-las, uma surpresa: é possível trocar até reais brasileiros em algumas casas de câmbio por uma cotação muito próxima à oficial e evitar o IOF na compra de moeda estrangeira ou no cartão de crédito - o que é ainda mais vantajoso em uma cidade barata como a capital polonesa.

Para conhecer Varsóvia com calma, são necessários três ou quatro dias. Mas, em 48 horas, é possível ter uma boa impressão do que a cidade polonesa reserva:

Dia 1

10h
Museu da Resistência - ul. Grzybowska 79
Entrada: 18 PLN (cerca de R$ 16) -
www.1944.pl
Comece o dia visitando o Museu da Resistência, que conta a história dos moradores de Varsóvia que resistiram à ocupação nazista antes e durante a Segunda Guerra Mundial. A cidade, destruída durante o conflito, abrigou o "Gueto de Varsóvia", onde os judeus viveram confinados antes de serem levados a campos de concentração. O museu é um pouco confuso, mas consegue mostrar como era viver em Varsóvia naquela época. Há um cinema 3D dentro do local, que exibe imagens aéreas da cidade destruída.

12h30
Almoço no Bar Bambino - ul. Hoża 19
Faixa de preços: 3-10 PLN (entre R$ 2,65 e R$ 9) - www.barbambino.pl

Hora de uma legítima experiência soviética. O Bar Bambino é um “bar mleczny” (pronuncia-se “bar milétni”), um “bar de leite” surgido na época do governo comunista. Esse tipo de restaurante ganhou o nome por ter usado leite como ingrediente na maioria das receitas. Eles sobreviveram e são populares até hoje entre os poloneses. E o melhor: é possível comer muito gastando menos de R$ 15. Esse preço baixo só é possível porque há incentivos do governo para que os restaurantes funcionem, ao mesmo tempo em que são obrigados a usar determinados tipos de ingredientes locais. Só não espere ser atendido em qualquer outra língua que não o polonês.

Fotos: Rafael Targino/Opera Mundi

No Museu do Neon, painel com o nome da cidade (lê-se "Varschava")

14h30
Museu do Neon - ul. Mińska 25, dentro da Soho Factory
Entrada: 10 PLN (cerca de R$ 9) - www.neonmuzeum.org

Atravesse o rio Vístula e vá para Praga, bairro que já teve uma fama muito ruim e, hoje, começa a sentir os primeiros efeitos da gentrificação. Lá, você pode conhecer o Museu do Neon, um "queridinho" dos hipsters. É preciso voltar um pouco na história para explicar a existência dele. O governo comunista da Polônia considerava letreiros em neon um símbolo de modernidade. Espalhados pela cidade inteira, acabaram sem utilidade com o fim da experiência comunista. O casal David Hill e Ilona Karwinska, então, resolveu juntá-los e colocá-los em exibição. Lá dentro, há letreiros de hotéis, farmácias e restaurantes, além de placas luminosas com o nome da cidade. Sinais antigos da estação central de Varsóvia, que foram descartados após a reforma feita para a Eurocopa de 2012, estão disponíveis para apreciação.

17h
Biblioteca da Universidade de Varsóvia - ul. Dobra 55/56
Entrada: grátis -
www.buw.uw.edu.pl
Pegue o metrô de volta até a estação Centrum Nauki Kopernik e caminhe até a biblioteca da Universidade de Varsóvia. O prédio, projetado pelos arquitetos Marek Budzyński e Zbigniew Badowski, tem um jardim suspenso (ótimo para tirar fotos, inclusive da cidade) e uma minigaleria com cafés e lanchonetes. Aproveite e veja os pôsteres da Polish Posters Gallery, uma banca que fica dentro da galeria e vende cartazes de filmes e propaganda desenhados por artistas do país. É possível comprar um para levar para casa. A Polônia é um país com tradição no desenho e na confecção dessas peças.


Biblioteca da Universidade de Varsóvia conta com jardim suspenso

18h
Passeio às margens do rio Vístula

Aproveite que está do lado e dê uma volta às margens do rio Vístula, que corta a cidade. A população tem redescoberto as vantagens do local (já que não há praia em Varsóvia...) e vários bares têm surgido na beira dele. Para achá-los, volte para a região da estação Centrum Nauki Kopernik e siga em direção ao rio. Mas, cuidado: é proibido ingerir bebidas alcoólicas na rua em Varsóvia.

20h
Jantar no Charlotte Menora - plac Grzybowski 2
Faixa de preços: 10-30 PLN (entre R$ 9 e R$ 26) - www.bistrocharlotte.pl

O restaurante fica dentro do antigo Gueto de Varsóvia e tem um quê de descolado. De inspiração judia, tem como carro-chefe paninis e saladas. Invista no Gratin de poireaux (10 PLN, cerca de R$ 9): alho poró com queijo azul, pão da casa e creme.
 

Presidente designa Beata Szydlo como primeira-ministra da Polônia

Cartas enviadas por mais de 30 anos revelam amizade entre papa João Paulo II e filósofa polonesa

Para incentivar turismo, Suécia cria número de telefone para estrangeiros conversarem com sueco aleatório

 

Dia 2

9h
Palácio da Cultura e Ciência – plac Defilad 1
www.pkin.pl

Inicie o segundo dia com uma polêmica: o Palácio da Cultura e Ciência, onipresente no panorama de Varsóvia, foi dado de presente por Josef Stalin à cidade em 1955. Por isso mesmo, divide opiniões. É um complexo de teatros, cinemas, bares, escritórios e galerias. É possível subir no topo do prédio e ver Varsóvia de cima (20 PLN/R$ 17,70). Aproveite para dar uma volta pelas praças em frente e ver um pouco do movimento da cidade.


Palácio da Cultura e Ciência, à noite: um dos pontos turísticos mais famosos da cidade

12h
Almoço no Złota Kurka - ul. Marszałkowska 73
Faixa de preços:
 3-10 PLN (entre R$ 2,65 e R$ 9) - www.barzlotakurka.pl
Hora de ir a outro bar mleczny – dessa vez, ao “Galinha Dourada” (“Złota Kurka” – pronuncia-se “zuota kurka”). Um pouco menos “decorado” que o Bar Bambino, segue o mesmo esquema de sucesso entre os poloneses: comida boa e barata. Peça pelo menu em inglês (ou consulte antes no site e faça o pedido pelos números).

13h30
Museu Chopin – ul. Okólnik 1
Entrada: 22 PLN (R$ 19) - 
chopin.museum
Chopin era polonês e nada mais justo que um museu para celebrar sua obra e vida. E um museu interativo, no caso: o ingresso, que, na verdade, é um cartão, permite que o visitante ouça as músicas compostas por ele e ative outras funções dentro do local. No subsolo, é possível ver as partituras e ouvir as composições do pianista.

16h
Stare Miasto (Cidade Velha)

Termine o dia visitando a Cidade Velha de Varsóvia, que foi completamente destruída durante a Segunda Guerra e, depois, reconstruída milimetricamente. Comece andando pela rua Nowy Ṡwiat na direção norte, até que ela vire Krakowskie Przedmieście. Neste momento, você estará passando ao lado do campus da Universidade de Varsóvia. Continue subindo e passe pelo bonito Palácio Presidencial (que não é aberto a visitas) até a plac Zamkowy. Nela, está instalada a Coluna de Zygmunt, uma homenagem ao rei Sigismundo III Vasa, que transferiu a capital de Cracóvia para Varsóvia em 1596. Perca-se pelas ruas da região.


Castelo Real é uma das atrações da Cidade Velha de Varsóvia

20h
Jantar no SAM Kameralny Kompleks Gastronomiczny – ul. Lipowa 7a
Faixa de preços: 10-32 PLN (entre R$ 9 e R$ 28) - www.sam.info.pl

Um restaurante que é misto de padaria com minimercearia: bom para o café da manhã, bom para o jantar. Invista nas saladas ou no arroz tailandês. Antes de sair, desça as escadas e aproveite para comprar pães feitos no local, queijos e azeites.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias