Alba Movimentos Brasil, convoca para ações em todo o continente de solidariedade com Venezuela e contra a interferência estrangeira.

05_venezuela.jpg_1718483347Todos estamos acompanhando a gravidade da crise social e política da Venezuela. Estamos vendo o grau de violência adotado pelas forças direitistas que já causaram a morte de muitas pessoas. Tiveram a audácia de atacar um quartel, tratando de causar mais vítimas, por pessoas civis treinadas em Miami e Colômbia pelas forças direitistas.

O governo de Maduro e as forças progressistas da Venezuela buscaram na Assembleia Constituinte uma forma de redigir os acordos sociais do país, que demonstrou amplo apoio do povo venezuelano com a participação de mais de oito milhões de eleitores nas eleições de 30 de julho passado, enfrentando todas as dificuldades.

Os deputados da direita disseram publicamente que sua tática é produzir mais violência, mais caos, com ampla cobertura dos meios internacionais para provocar uma intervenção estrangeira no país. Esta tática foi explicitada também, lamentavelmente, pelo chefe de governo espanhol Felipe González.

O governo Trump, sem nenhuma moral ou legitimidade, está tentando influir nos rumos da Venezuela, decretando sanções a onze pessoas do governo Maduro, inclusive o próprio presidente e vários ministros, proibindo-os de visitar os Estados Unidos e bloqueando bens pessoais, se os tiverem, em dependências de Estados Unidos.

O governo golpista do Brasil se apressou a convocar uma reunião do MERCOSUL para suspender os direitos da Venezuela. Um governo ilegítimo e com apoio de apenas 3 por cento da população brasileira, atreve-se a sancionar o governo por falta de democracia.

Diante de tudo isso, feitas as consultas entre diversos movimentos no Brasil e na América Latina proclamamos:

  1. Todos os movimentos populares do Brasil, América Latina e do mundo manifestaram irrestrita solidariedade ao povo venezuelano, a seu governo e ao processo da Assembleia Constituinte como direito soberanos e legítimo do povo venezuelano de definir os rumos de seu país;
  2. Organizar manifestações públicas contra a intromissão do governo de Estados Unidos em assuntos de outros países. Como denunciou Julian Assange, o governo Trump quer criar um novo Iraque na América do Sul, não podemos ficar calados diante disso;
  3. Utilizar as mais diversas formas de manifestações: fazer chegar esta mensagem ao governo e ao povo dos Estados Unidos, através de ações de ruas, atos políticos, atos culturais e também ações de comunicação em todos os veículos possíveis.
  4. Propomos o dia 22 de agosto, “Dia Internacional de Solidariedade com Venezuela”: Neste dia realizaremos ações simultâneas  em diversas cidades do mundo, dirigindo-nos às embaixadas, consulados e empresas estadunidenses para entregar nossa carta e manifestar nossa indignação com as ações contra o governo e o povo venezuelano.
  5. Carta Pública para coleta de assinaturas: Vejam a carta dirigida ao governo, parlamentares e organizações dos Estados Unidos. Contamos com o apoio de todos para:
  1. Divulgar amplamente em seus meios impressos e na web/redes sociais.
  2. Assinar e recolher novas adesões de: movimentos populares, organizações políticas, parlamentares, intelectuais, artistas.
  3. Enviar nomes completos, organização, profissão e país dos subscritores até o dia 20 de agosto de 2017 para o email: alba.moventos.brasil@gmail.com
  4. Contamos com a contribuição de todos e todas nesta obra que exigirá de todos nós muito empenho e generosidade para ampliar ao máximo o processo de construção unitária centrada na defesa da Revolução Bolivariana, do governo de Nicolás Maduro e da nova Assembleia Nacional Constituinte instalada no país.

Abraços fraternais e bolivarianos!

João Pedro Stédile

Pela secretaria operativa dos Movimentos Populares da Alba-Brasil

Jaime Amorim

MST – Via Campesina Internacional

Paola Estada

Pela secretaria da Assembleia Internacional dos Povos