Um abaixo-assinado internacional pedindo a libertação da adolescente já conta com mais de 1,2 milhão de assinaturas

Por Redação

A jovem Ahed Tamimi, de 16 anos, será julgada por um tribunal militar israelense na próxima quarta-feira (31). Como forma de pressionar o governo de Israel a libertá-la, atos estão sendo realizados em todo o mundo: dos Estados Unidos à Irlanda, passando pelo México.

Em São Paulo, a manifestação será realizada no dia 31 no Vão do MASP, na Avenida Paulista à partir das 18 horas.

No Rio de Janeiro, o ato ocorre na Cinlândia, à partir das 16 horas.

Ahed Tamimi pode ser condenada a até dez anos de prisão por ter reagido com uma agressão a um soldado que estava estacionado no quintal de sua casa. A ação foi uma resposta ao fato de, pouco antes, o primo de Ahed, Mohammed Tamimi, de 15 anos, ter recebido um tiro no rosto, o que o deixou por coma induzido por 72 horas.

O jovem participava de um protesto contra a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que reconheceu, unilateralmente, Jerusalém como capital de Israel.

A mãe de Ahed também foi presa, acusada de divulgar o vídeo e supostamente incitar a violência.

De acordo com a organização Defense for Children International-Palestine, atualmente há aproximadamente 500 crianças palestinas detidas, aguardando meses até seus julgamentos por tribunais militares de Israel.

Veja a linha do tempo dos acontecimentos: