Alfonso Gumucio

Alfonso Gumucio-Dagron é um especialista em comunicação para o desenvolvimento com experiência mundial em comunicação participativa, mobilização social e desenho da estratégia. Ele é o autor de " Making Waves: comunicação participativa para a Transformação Social ", e " Comunicação para a Mudança Social Anthology: Histórico e leituras contemporâneas", entre outros vinte livros. Foi Diretor Geral de Programas do Consórcio Comunicação para a Mudança Social (2004-2009). De 1997 a 2003, ele esteve ativamente envolvido com a Estrutura Estratégica da "Comunicação para a Mudança Social" da Fundação Rockefeller em várias regiões.

Ele atuou como Diretor de Comunicação da UNICEF na Nigéria e no Haiti durante sete anos, encarregado de comunicação, informação, mobilização social, trabalho em rede de ONGs e Direitos da Criança. Ele desenhou estratégias de comunicação para a UNICEF na Colômbia, Haiti e Guatemala, bem como para outras organizações de desenvolvimento em todo o mundo. Ele também trabalhou para outras agências da ONU: Diretor do Projeto "Tierramérica", programa ambiental regional PNUMA / PNUD para a América Latina; Consultor da FAO no México e em Roma; PNUD na Nicarágua e no Burkina Faso; UNESCO em Paris e no México; E UNAIDS em Moçambique. Foi assessor de comunicação do Fundo para o Desenvolvimento dos Pueblos Indígenas da América Latina e do Caribe; Conservação Internacional na Bolívia; E AusAID (Australian Aid) em Papua Nova Guiné.

Antes de abraçar uma carreira internacional, o Sr. Gumucio foi ativo no trabalho da ONG em sua Bolívia natal. Fundou e dirigiu o Centro de Integração de Medios de Comunicação Alternativa (CIMCA) e trabalhou com várias redes de ONGs em projetos de desenvolvimento envolvendo organização comunitária e desenvolvimento de estratégias de comunicação, principalmente em apoio à mídia comunitária.

Graduou-se como cineasta do Instituto dos Altos Estudos Cinematográficos (IDHEC) em Paris, França, em 1976, e dirigiu documentários sobre questões culturais e sociais. Foi igualmente activo como jornalista e como fotógrafo, apresentando exposições de fotografia documental e de retrato em vários países.

Alfonso Gumucio
0

“Não sei, não lembro”: García Meza, o ditador boliviano que perdeu a memória

As novas gerações sabem pouco sobre o ditador boliviano García Meza (julho 1980 – agosto 1981). Talvez tenham escutado que foi o responsável pelo assassinato do Marcelo Quiroga[1] e dos dirigentes do Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR) massacrados em uma casa da Rua Harrington. Ou das negociatas de La Gaiba e o tráfico de cocaína. Alfonso Gumucio* Inclusive para as pessoas do MAS que governam atualmente, García Meza é demasiado remoto. Eles não lutaram contra…

Cartaz do Filme Jukus Audiovisual
0

Filme “Jukus” retrata intolerância e violência nas regiões mineiras da Bolívia

Não podia deixar passar a primeira projeção de Jukus (2018), de Rubén Pacheco outro esforço entusiasta daqueles que caracterizaram sempre o cinema boliviano. Trata-se de um filme honesto e digno, “imperfeito” no bom sentido, o de Julio García Espinoza. Alfonso Gumucio* Sempre senti o impulso do ver filmes bolivianos, e não o digo como primeiro historiador de nossa cinematografia, nem como crítico de cinema com quatro décadas a meia de exercício, nem como cineasta. Eu o…

Audiovisual
0

A loucura de Diego Rísquez, pioneiro do cinema venezuelano

Em sua loucura, eu achava Diego Rísquez parecido com Klaus Kinski (alter ego de Werner Herzog) em Aguirre ou em Fitzcarraldo (e em outros de seus desmesurados filmes) porque tratava como ele de vencer grandes barreiras para plasmar a aventura ou o caminho percorrido em filmes transcendentes. Alfonso Gumucio* Sempre pensei que Diego Rísquez estava possuído por uma febre de grandeza. Enquanto os demais “superoiteiros”— cineastas pioneiros do Super 8 como instrumento para fazer cinema…

Caderno C
0

Um adeus à fotógrafa e cineasta boliviana Julia Vargas

Julia Vargas era minha amiga há mais de cinco décadas, dessas amizades que se herdam dos pais. O meu costumava me contar com admiração a história dos jovens socialistas, Jorge Bartos e Juan Barga, que chegaram à Bolívia para ficar e se converteram em empresários de sucesso. Alfonso Gumucio* A respeito do meu artigo sobre a situação da Catalunha, Julia Vargas me escreveu: “’Estou totalmente de acordo com o teu comentário’… O tema catalão é…

Catalunha
0

Catalunha, onde bandeiras representam a rebeldia e o desejo de independência

O sentimento em favor da independência da Catalunha é amplo, a julgar pelas bandeiras que estão penduradas nos bairros da cidade. São inconfundíveis as listas amarelas e vermelhas da senyera catalã, mas também da bandeira estrelada com o triângulo azul e uma estrela branca.

América Latina
0

Unesco reconhece ilusão e imaginário da Feira de Alasita, em La Paz, como Patrimônio da Humanidade

Há muita gente que está festejando a história de que a Festa de Alasita já é Patrimônio Mundial declarado pela Unesco. Se tivessem menos preguiça leriam o título completo da declaratória: a Unesco inscreveu na Lista Representativa do Patrimônio Imaterial da Humanidade “os itinerários rituais em La Paz durante a Feira de Alasita”, e não a própria feira.

Audiovisual
0

Peru: Soberania Audiovisual

Uma das características do audiovisual que constrói soberania cultural é o exercício do direito à comunicação e a noção de que no processo de produção de um filme, o que importa é o próprio processo mais que os resultados. A perspectiva de longo prazo e a busca de linguagens e formatos próprios garante o processo e apropriação das próprias comunidades.

Artes Plásticas
0

Rina Mamani entre a liberdade e o mercado

A mostra aberta desde quinta-feira na Galeria Altamira (San Miguel) não tem nome porque a própria Mónica é de opinião de que o que ganhou em versatilidade pode perder em unidade. Predominam as paisagens de La Paz: “Me agradam, porque há lugares que parecem de outra parte, a gente nunca termina de conhecer esta cidade.

Alfonso Gumucio
0

A feira do livro de La Paz

Assim é a feira do livro, um animal de extraordinária inteligência e sensibilidade, acostumado a alimentar sua imaginação com sinais impressos sobre papel, que seu cérebro decodifica e converte em imagens únicas, que ninguém mais pode recriar.

México
0

Carnaval de Oruro no México

Para muitos bolivianos o documentário de Sérgio Sanjinés “El carnaval de Oruro en Iztacalco” será uma revelação, como foi para mim. Alfonso Gumucio* Quem poderia acreditar que em um bairro dos mais tradicionais e antigos da gigantesca Cidade do México, seus habitantes organizam há mais de vinte anos uma versão do carnaval de Oruro e o fazem com uma devoção surpreendente à Virgen del Socavón. Não é raro que em cidades onde há numerosas comunidades de…

Sem categoria
0

Senhores Mochicas e as riquezas arqueológicas do Incario

Sempre pensei que devíamos ser enterrados com tudo o que acumulamos na vida, para não deixar esse lastro e responsabilidade (ou privilégio imerecido quando se trata de heranças valiosas) a ninguém. É claro que a ideia não é original; os imperadores da China e os Faraós do Egito, assim como os soberanos incas, maias ou astecas eram enterrados com suas jóias de ouro e prata, com vasilhas de comida para o além e com muito…

Audiovisual
0

Cinema de fronteiras na fronteira

As fronteiras são lugares permeáveis de intercâmbio, mas às vezes barreiras burocráticas intransitáveis. Gostaríamos que não existissem e que a livre circulação de bens culturais fosse possível. Algo disso acontece em Rio Branco, Estado do Acre, um dos mais pobres e afastados do Brasil onde Sergio de Carvalho e Marcelo Cordero inventaram, há sete anos, o Festival de Cinema Pachamama, que se converteu desde então em um lugar de encontro para o cinema independente do…

Audiovisual
0

Encontro Internacional de Cinema Comunitário

Alfonso Gumucio* Só somos curiosos em proporção com nossa cultura Jean Jacques Rousseau  Vilipendiado, ignorado, invisível… o cinema comunitário renasce incessantemente, cada vez que se o dá por morto ou ferido. Na realidade e apesar de suas limitações, goza de boa saúde, mas isso não é do conhecimento dos que estão imersos nas práticas cotidianas e os que estudam os processos. Uma oportunidade para fazer um balanço desses processos e aproveitar para construir uma rede,…