Carlos Russo

Carlos Russo Junior
0

Sociedades de consumo: Alguns dos dilemas da democracia nos dias de hoje

“O fato é que uma sociedade de consumo não pode absolutamente saber como cuidar de um mundo e das coisas que não pertencem de modo exclusivo ao espaço das aparências mundanas, visto que sua atitude central ante todos os objetos, a atitude do consumo, condena à ruína tudo o que toca.” (H.Arendt). Carlos Russo Jr.* Nas sociedades democráticas contemporâneas a liberdade foi perdida em meio a um sistema que deixou de representar os anseios dos…

Caderno C
0

Villa-Lobos e a música brasileira

Heitor Villa-Lobos foi o principal responsável pela descoberta de uma linguagem peculiarmente brasileira em música de arte e o maior expoente musical do modernismo brasileiro. Carlos Russo Junior* Carioca, nascido em 3 de março de 1887, filho de Raul Villa-Lobos, um músico amador, foi ele quem lhe deu as primeiras instruções e adaptou uma viola usada para que o pequeno Heitor iniciasse seus estudos de violoncelo. Aos 12 anos, pobre e órfão do pai, Villa-Lobos…

#Releituras
0

Thomas Mann e um grito de alerta antifascista

“No nazismo a violência opunha-se à verdade! Pregava-se um abismo entre a verdade e a força, a verdade e a vida, a verdade e a coletividade. Já a democracia se realiza efetivamente em cada um de nós, visto que a política se tornou um negócio de todas as gentes. Ninguém pode afastar-se dela”. Carlos Russo Jr*

Petrobrás
0

As derradeiras palavras de Monteiro Lobato

No dia 2 de julho de 1948, Monteiro Lobato concedeu à rádio Record aquela que seria a última entrevista de sua vida, a qual encerrou com as palavras: “O Petróleo é Nosso”! Carlos Russo Junior* Dois dias após, “O Repórter Esso”, na voz de Herón Domingues, anunciou a morte de um grande brasileiro, desses que surgem poucos a cada geração: “E agora uma notícia que entristece a todos: acaba de falecer o grande escritor e…

Sem categoria
0

Primeiro de Maio e o líder operário Domingos Passos

Primeiro de Maio é oficialmente celebrado em mais cento e vinte países, e sua importância nas sociedades somente é comparável aos dias vinte e cinco de dezembro e primeiro de janeiro. Mas não foi sempre assim, como veremos. Carlos Russo Jr* Há 102 anos, o Primeiro de Maio de 1914 foi uma das primeiras jornadas de afirmação de classe do proletariado brasileiro, barbaramente reprimida. Coordenada por Domingos Passos, logo a seguir fundou-se a Federação Operária do…

Caderno C
0

Mário de Andrade, intelectual múltiplo, líder da Modernidade no Brasil.

“Na Rua Aurora eu nasci, na aurora da minha vida, e numa aurora cresci.” Mário de Andrade. Carlos Russo Jr* Foi no número 320 da rua Aurora que, em 1893, nasceu Mário de Andrade, filho de pai de origem humilde e de mãe descendente dos bandeirantes. Apesar de ilustre, a família não era rica. Quando adolescente Mário só era bom mesmo em Português, em todas as demais matérias, reprovações e notas baixas. As esperanças familiares…

Sem categoria
0

Operação Condor: Um assassinato pouco lembrado

Carlos Russo Jr* Extraído da Novela “Memória de um Subversivo”, de autoria de Carlos Russo Jr. Introdução necessária: As memórias que publicamos neste Espaço Literário não constituem de modo algum reminiscências vividas pelo escritor, mas sim, memórias de um jovem extraordinário a quem me dediquei a narrar a biografia. Como veremos, os episódios reportados referem-se, quase na sua totalidade aos anos 70 e 80 do século passado, uma época em o sol punha-se tão cedo…

Sem categoria
0

A corrupção e a bolsa de valores em Proust

Carlos Russo Junior* O pai de Proust entendia que ele, Marcel, poderia morrer na miséria, tanto por seus gastos sem controle, quanto pela fixação que possuía em jogos, como os da Bolsa de Valores. Por volta de 1912 Marcel Proust chegou a perder uma fortuna de quase 800 mil francos. “De algum modo, o jogo com as ações me atrai, como também atraía meu pai. De tal sorte que eu, todas as manhãs, perdão, assim…

Direitos Humanos
0

Auschwitz por Carlos Russo Jr

Carlos Russo Jr* “Arbeit macht frei”, ou “Só o trabalho liberta” “Auschwitz é o ponto zero da História, o começo e o fim de tudo o que existe. Ele é a referência final e em relação a ele, todo o demais será julgado”… “Porque vimos a aniquilação de comunidades judaicas, ciganas, comunistas, democratas, pelo câncer nazi- fascista na Europa, temos que combatê-lo sem um minuto de trégua, para salvar o mundo do contágio”. (Elie Wiesel)…

Petrobrás
0

“O petróleo é nosso”

Carlos Russo Jr* No dia 2 de julho de 1948, Monteiro Lobato concedeu à rádio Record aquela que seria a última entrevista de sua vida, a qual encerrou com as palavras: “O Petróleo é Nosso”! Dois dias após, “O Repórter Esso”, na voz de Herón Domingues, anunciou a morte de um grande brasileiro, desses que surgem poucos a cada geração: “E agora uma notícia que entristece a todos: acaba de falecer o grande escritor e…

Sem categoria
0

Tolstói: a coerência entre o pensar e o agir

Carlos Russo Jr* O Conde Leão Tolstói tinha, como ser humano e escritor, o calibre do final do século XIX. Carregava como este os fados épicos de toda uma época grandiosa, apesar de suas sombras, de decadência dos velhos valores burgueses e da rudeza do determinismo cientificista. Época que, entretanto, não teria aceitado muito daquilo que nosso século XXI admite com grande complacência em termos de desprezo pelas ideias e pela dignidade humana. A segunda metade…

Neopentecostais: origem, ascensão e tendência totalizante

Carlos Russo Junior* Dentre os momentos mais marcantes da História da humanidade estão aqueles em que surgem as Religiões. A ideia que brota quase sempre de um único cérebro, transborda atingindo centenas, milhares e milhões. É precisamente esse o caso de um enorme conjunto de Seitas Religiosas, denominadas genericamente de “Religiões Neopentecostais”, que se desenvolveram nos Estados Unidos da América a partir da última década do século XIX e empolgam, no século XXI, parcelas crescentes…

França
0

Artistas e intelectuais franceses sob o domínio nazista

Carlos Russo Jr* Ao contrário do que se possa pensar, para a maioria dos burgueses parisienses, a ocupação nazista que durou quatro anos (1940 /1944) não foi tão má quanto poderia parecer, afirma Gerassi, o biógrafo mais importante de Sartre. O metrô funcionava bem, os teatros faziam sucesso, os bares e os restaurantes viviam cheios. É bem verdade que o café não era mais o mesmo, que tinha uma qualidade discutível, que a suástica drapejava…

França
0

Os franceses sob o domínio nazista

Carlos Russo Jr* Em 1939, quando a URSS invadiu a Finlândia, anexando dez por cento do território que lhe era fronteiriço, a apenas dezessete quilômetros de distância de Leningrado, os deputados burgueses franceses sentiram-se autorizados a cassarem seus colegas comunistas legitimamente eleitos, o que para muitos desses significou o encarceramento. Em março de 1940, tropas alemãs atravessaram a Dinamarca e derrotaram as unidades anglo-franco-norueguesas que defendiam a Noruega. Maio de 1940, as divisões Panzers alemãs invadiram…

Europa
4

A batalha de Stalingrado e o fim do nazismo

Carlos Russo Jr* O fim do nazismo iniciou quando Hitler cometeu seu maior erro estratégico ao decidir invadir a União Soviética, em junho de 1941, dando início à “Operação Barbarossa”. As tropas nazistas já haviam feito as principais conquistas na Frente Ocidental, incluindo a ocupação de Paris, o que deixava com que o Reino Unido enfrentasse a Alemanha praticamente sozinha. Hitler, ao invés de iniciar uma segunda “Batalha da Grã-Bretanha”, que certamente submeteria a resistência…