Literatura

Hemingway e a Corrente do Golfo

Não há no mundo um fenômeno natural que tenha tanta relação com um personagem das letras como a Corrente do Golfo, situada entre os Estados Unidos e Cuba, inseparável do prêmio Nobel de Literatura, Ernest Hemingway. Roberto F. Campos* Desde que, em 1928, o autor de Adeus às Armas chegou pela primeira vez a Havana no vapor Orita, segundo algumas…

Read More

Resistir, resistir, resistir

0

Teria sido tão fácil para a Cristina no dia seguinte ao fim do seu mandato agarrar suas coisas e viajar para o exterior; já havia cumprido o que lhe correspondia como chefe de governo. A mesma coisa podia ter feito Dilma quando lhe deram o golpe de Estado, o que era mais fácil: ir embora sem olhar para trás. Mas…

Read More

A cultura do verbo

Que fácil é opinar para resguardar a si próprio e despedaçar o alheio. Carolina Vásquez Araya* Uma das minhas experiências mais dolorosas foi observar através da televisão as horrendas cenas em que aparecem os corpos queimados de 41 meninas em um refúgio para menores administrado pelo Estado da Guatemala. Então eu penso em quem viveu de perto, nesses policiais e…

Read More

A verdade atrás de uma máscara

“Todos os truques para dissimular, enganar ou convencer, revelam uma mentira.” Carolina Vásquez Araya* Quando um governante se sente encurralado pelo fracasso de sua gestão, sua primeira reação é insultar, atacar ou ameaçar a Imprensa e depois -como um ato absolutamente contraditório- buscar apoio de especialistas em estratégias de comunicação para iniciar uma campanha capaz de restaurar sua empobrecida imagem…

Read More

Envelhecer é o quê?

0

“Faz nove anos recebi o crachá de velha. Aconteceu na linha verde do metro paulistano. Uma mocinha, sentada no assento preferencial, ao me ver se levantou prontamente cedendo o lugar para mim. Meu impulso bem-educado pensou em dizer: Obrigada pela gentileza, mas com os meus 52 anos ainda não ganhei o direito de sentar no banco preferencial, que é líquido…

Read More

Perdeu-se o rumo e a empatia

A perda de valores e de sensibilidade humana é o maior dos problemas da humanidade. Carolina Vásquez Araya* Quando à solidariedade e à empatia se antepõem o interesse pessoal, a preeminência de um sistema de crenças políticas ou religiosas e a busca do sucesso –expressado fundamentalmente em termos materiais– resulta indefectível a perda de sensibilidade humana ante os outros, dado…

Read More

Megaron, a Avó do Mundo e a Convenção 169 da OIT

Eliane Potiguara* Megaron, sobrinho de Raoni contemplava infinitamente o céu e com seus olhos de águia penetrava o universo como quem busca o ponto certo e focal, a definição de uma resposta aos problemas sociais, políticos, étnicos e existenciais dos Povos Indígenas atrelados pela linha da vida e a linha dos clãs do povo xinguano escolhido propositalmente pelo Universo para…

Read More

Galeano por tt Catalão

0

Existem os dentes, e não se juntam na boca? Existem os dedos, e não se juntam na mão? Juntamos: e não apenas para defender o preço de nossos produtos, mas também, e sobretudo, para defender o valor de nossos direitos. Estão juntos, embora de vez em quando simulem rixas e disputas, os poucos países ricos que exercem a arrogância sobre…

Read More

Guatemala: A bolha por trás das grades

As constantes crises que atualmente ocorrem na Guatemala trazem reminiscências de passadas ditaduras. Carolina Vásquez Araya* É muito lindo viver em democracia. Ter a suficiente liberdade de pensamento para opinar abertamente sobre qualquer coisa, desde uma banal piada até os temas profundos da sociedade; caminhar pelas ruas sem medo de sofrer uma morte não programada na agenda do dia e sobretudo…

Read More

A dignidade imprescindível do povo equatoriano

Nestes momentos de alegria e festa na América Latina pelo triunfo da Aliança País, é necessário recordar que tudo na história contemporânea teve início com o sonho de um “Ninõ Arañero” (1) (moleque bamba), vendedor de doces de mamão nas ruas de sua terra natal Venezuela. Resumo sua origem porque somos feitos de Memória Histórica e identidade. Meninos como Chávez…

Read More

Álvaro Lins

Encontrei pela primeira vez Álvaro Lins em São Paulo, em l960. Tinha-lhe escrito quando ele era embaixador em Lisboa e concedera asilo ao general Humberto Delgado. A decisão, tomada sem consulta a Brasília, desagradou ao Governo de Juscelino Kubitschek e enfureceu Salazar. Miguel Urbano Rodrigues* A sua resposta à minha carta comoveu–me. A empatia, quando o abracei pela primeira vez, foi…

Read More

Meio século depois: Tolstoi e a Revolução

Percorrendo a estrada de muitos rencontros com autores que descobri na juventude, reli nas últimas semanas O Caminho dos Tormentos, de Alexei Tolstoi. Miguel Urbano Rodrigues* Lido em Conakry em l961, provocou em mim o terremoto interior que infletiu o rumo da minha vida. O choque emotivo e ideológico desencadeado pela trilogia de Alexei Tolstoi conduziu-me à opção comunista e…

Read More

Tempos Brutos

0

Desde garotinho preferiu o não ao sim, a tentativa à certeza. Esse temperamento não correspondia às fantasias dos pais e professores. Fernanda Pompeu* Ele era uma ave rara no meio de um rebanho rotineiro. De avós a netos, todos haviam encarado a vida como uma biblioteca de tramas já escritas. Na qual bastava estender a mão, colher um volume e…

Read More

Teixeira Gomes e o envelhecimento

“E a parte mais dolorosa da senilidade consiste em assistir, consciente mas impotente, à nossa própria ruína mental! (…) a vista já muito mal me serve e a minha memória é um vidro transparente onde logo se apaga tudo quanto nela se reflete”. Miguel Urbano Rodriguez* São palavras de Teixeira Gomes, anotadas em 1938 no quarto do hotel em Bougie…

Read More

Poderosas Mulheres

“Escuta, formosa filha do amor, as instruções da prudência, e permite que os preceitos da verdade penetrem profundamente em teu coração, assim os encantos de tua mente darão brilho à elegância de suas formas, e tua beleza, como a rosa a qual se assemelha, conservará sua doçura mesmo depois de murchada”. Olavo Câmara* Portanto, você mulher, mãe e amiga receba…

Read More

Le fil rouge – Una saga revolucionária

LE FIL Rouge** (O Fio Vermelho) é uma saga. Apresenta-se como romance, mas enquadra-se mal nesse gênero literário. Miguel Urbano Rodrigues* Gilda Landino Guibert escreveu um poema revolucionário em prosa que projeta os leitores para cenários de luta pela liberdade e pela transformação do mundo. O sujeito é simultaneamente individual, uma família, e coletivo, os italianos de aldeias da Toscana…

Read More

As migrantes em trânsito

0

Saem de suas casas: em municípios, aldeias, casarios, arrabaldes… sem rumo fixo, como folhas secas arrastadas pelo vento, mortas em vida, caluniadas, golpeadas, abusadas, rechaçadas e estigmatizadas. Ilka Oliva Corado* Pouco se sabe delas: são invisibilizadas, o Estado as marginaliza, a sociedade as exclui, o classismo, o racismo e os resquícios do patriarcado. Seu país as obrigam ao abandono e…

Read More

Saúde ao meu pai: De filhas e pais

0

A última vez que eu o vi, me disse meu paizinho: “Preta, eu vou morrer”. Fria e direta como é natural em mim, eu respondi sem sentir pena: “paizinho, não fique chateado, todos nós vamos morrer”. Quase um mês depois ele faleceu, a notícia nos chegou de longe, na diáspora, a milhares de quilômetros da Guatemala, há apenas cinco dias.…

Read More

Em Paris pela última vez

Quando alguém tem uma profunda consciência histórica -como é o caso de Miguel Urbano- mesmo as reflexões mais íntimas e pessoais têm o cunho não apenas de um ser humano individual, mas o de um tempo comum. A sua história pessoal nunca foi e nunca é apenas pessoal. Miguel Urbano Rodrigues* Mais de uma vez ao longo da minha extensa…

Read More

Losurdo e a atualidade da luta de classes

Losurdo é um comunista hoje pouco comum. Decepcionado pelo defunto PCI e pela Rifondazione Comunista, aderiu ao jovem Partido dos Comunistas Italianos. Miguel Urbano Rodrigues* Rejeita qualquer modalidade de dogmatismo e revisionismo. Fiel aos ensinamentos de Marx e Lênin, distancia-se do reformismo e do dogmatismo subjetivista (bem caracterizado por Gyorgy Lukács) que durante décadas atingiu muitos partidos comunistas que, afirmando…

Read More

Arturo Corcuera III: A vertente ideológica

0

“…um acento pessoal e uma agudeza pouco frequente no encontro do símbolo; assim como também que a linguagem compõe uma textura de muito sutis associações formais e semânticas, e inclusive de elegante humorismo; tudo o que leva luz a um universo poético original, sem desmerecer a postura militante que Corcuera assume diante da realidade.” Alberto Escobar “Fábula do escaravelho” `Fogem-lhe…

Read More

A farsa do dia de Ação de Graças

1

Não há nada mais falso, mais ruim, mais soberbo nos Estados Unidos que celebrar o Dia de Ação de Graça. É a celebração mais importante depois do 4 de julho, a terceira é o Natal. Ilka Oliva Corado* Amparados numa história falsa, escrita pelos genocidas que invadiram este país e exterminaram os nativos do norte do continente, celebra-se a cada…

Read More

Esquerda e nacionalidade na América Latina e Caribe

0

De Bolívar uma sentença para os séculos: “Divididos seremos fracos, menos respeitados… a união fará nossa força e seremos todos formidáveis”. No livro “Esquerda e nacionalidade na América Latina e Caribe”, lançado em Porto Rico por Nils Castro, pensador panamenho e colaborador de Diálogos do Sul. Rubén Berríos Martínez* Neste livro, Nils Castro coloca a serviço dessa grande verdade seu…

Read More

Drummond, O Poeta de Sete Faces

Para registrar a data de nascimento do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, a Revista e a Cinemateca Diálogos do Sul recomendam aos seus leitores que assistam ao documentário “O Poeta de Sete Faces, do diretor Paulo Thiago, uma das poucas obras audiovisuais que retratam a vida e a obra de Drummond. critica: “O Poeta de Sete Faces” é um…

Read More

Xenofonte: a mentira histórica do grande historiador

Admiro Xenofonte desde a juventude. Nos anos do «período especial”, quando viajava para Cuba onde então residia, levava no bolso a Anábases, para reler no avião. A saga dos Dez Mil Gregos no regresso à pátria ajudava a compreender a resistência heróica do povo cubano. Miguel Urbano Rodrigues* Transcorridos muitos anos, com a vida útil a findar, reli nas últimas  semanas, com…

Read More

Do ódio ao inimigo

Quando temos um inimigo – e estamos em luta contra esse inimigo – suspendemos a crença de que nele há um ser também capaz de algo bom. Abstraímos suas características de ser humano como nós. Passamos a vê-lo como um ser achatado, sem família, sem sentimentos, sem uma vida que, para ele, certamente é tão preciosa quanto, para nós, a…

Read More

Nossas terríveis armas

0

Mãos ao alto! Agora, sim, de vez, chegamos à conclusão que somos, nós mesmos, armas; e que tudo pode mesmo ser ou virar arma. Que de um segundo a outro algo pode vir de qualquer lado e estragar tudo. Só com corações e mentes desarmadas poderemos nos sentir seguros. Marli Gonçalves* Andamos todos nós armados até os dentes. Aliás, literalmente,…

Read More

O príncipe menstruado

0

Três meninas. Denise, Fátima e eu. A tarde era de um domingo medíocre e acalorado. A brincadeira, proposta por Fátima, consistia em representar uma cena teatral: o momento em que o príncipe encantado beijava a bela adormecida, acordando-a de um sono enfeitiçado para uma vida fausta em promessas principescas de amor, filhos e paz. Fernanda Pompeu* A falta de cenário…

Read More

Desafinando o coro dos contentes

1

A frase do título é verso de Torquato Neto (1944-1972). Poeta que em sua brevíssima vida desafinou as mesmices do redigir. O cara experimentou para valer e pôs a alma para fora. Salve, menino Torquato! O craque da máquina de escrever. Fernanda Pompeu* Foi pensando no poeta e letrista piauense que me recordei do carioca Carlos Lamarca (1937-1971). Não que…

Read More

1970, a guerra no Vale do Ribeira

0

NOVO LIVRO ESCLARECE EPISÓDIOS POLÊMICOS DA CAÇADA AOS GUERRILHEIROS DO LAMARCA EM JACUPIRANGA NO VALE DO RIBEIRA No pior momento da ditadura de 1965/85, quando os militares levaram o terrorismo de estado às últimas consequências, a esquerda brasileira respondeu com as três principais modalidades de luta armada que estavam sendo praticadas em situações semelhantes no mundo inteiro: – a guerrilha urbana, com…

Read More

Pode me escutar um minuto?

0

Tem de pedir por favor? Pagar? Comprar uma ficha? Você diz uma coisa e respondem outra. Ninguém mais dá mais atenção um ao outro? Reparou? Será que alguém pode me escutar um minuto? Virou uma competição de egos, de desgraças, coisa para novos estudos sobre intercomunicação e a nova Torre de Babel. Marli Gonçalves* Melhor falar com o espelho, com…

Read More

Marxismo sob a ótica Leninista

No dia 9 de julho (sábado) às 18 horas haverá na sede nacional do PCdoB (R. Rego Freitas,192 – República – São Paulo) o lançamento coletivo de três obras tratando do marxismo sob a ótica leninista: “A esquerda Ausente” de Domenico Losurdo, “Lenin leitor de Marx” de Gianni Fresu e o meu “Linhas Vermelhas: marxismo e dilemas da revolução”. Da…

Read More

Lenin e o imperialismo

A palavra imperialismo – originária do latim- é muito anterior ao aparecimento do moderno imperialismo como realidade politica, social e econômica. Miguel Urbano Rodrigues* Mas foi Lenin quem pela primeira vez chamou a atenção para a ameaça que a nova fase do imperialismo significava para a humanidade, o que exigia uma  estratégia revolucionária. O seu livro – O Imperialismo fase…

Read More

62 OBRAS SOBRE EDUCAÇÃO PARA DOWNLOAD GRATUITO

Co­le­ção traz en­sai­os bi­o­grá­fi­cos so­bre 30 pen­sa­do­res bra­si­lei­ros, 30 es­tran­gei­ros, e dois ma­ni­fes­tos: “Pi­o­nei­ros da Edu­ca­ção No­va”, de 1932, e “Edu­ca­do­res”, de 1959 O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, em par­ce­ria com a Unes­co e a Fun­da­ção Jo­a­quim Na­bu­co, dis­po­ni­bi­li­za pa­ra downlo­ad a Co­le­ção Edu­ca­do­res, uma sé­rie com 62 li­vros so­bre per­so­na­li­da­des da edu­ca­ção. A co­le­ção traz en­sai­os bi­o­grá­fi­cos so­bre 30 pen­sa­do­res…

Read More

Dois anos sem Gabo

0

“Os poetas não morrem, poetizam-se…” Marv@da C@rne “Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja. Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não…

Read More

O Eduardo Galeano dos ninguéns

0

Em 13 de abril se completou um ano da morte de Eduardo Galeano. Diálogos do Sul lhe presta homenagem com esse texto de uma guatemalteca, mestiça de negra e índia que vive indocumentada em território de Estados Unidos. Ilka Oliva Corado* Sempre estive convencida de que os seres extraordinários nos deixam em dias funestos, de céu encoberto chorando cântaros de…

Read More

“Trabalhadores exilados: a saga de brasileiros forçados a partir (1964-1985)”

Um livro fruto de uma pesquisa de pós-doutorado na EHSS- Ecole de École des hautes études en sciences sociales, em Paris, sob a direção do professor, o antropólogo Afrânio Garcia Jr., publicado em francês em 2015. A versão em português é da Editora Prismas. Apresentação do professor e sociólogo Marcelo Ridente: Este livro instigante busca recuperar a memória e a história do…

Read More

O Mistério da Obra Literária

Araken Vaz Galvão* Durante muito tempo em minha vida não sabia, e demorei muito a descobrir, que a obra literária nasce de duas vertentes principais, quiçá fundamentais e, muitas vezes, antagônicas. E ainda que hoje penso que não se deve descartar a possibilidade de que possa haver mil outras vertentes. Mas, para o que me interessa – e interessa nesse…

Read More

Operação Condor: Um assassinato pouco lembrado

0

Carlos Russo Jr* Extraído da Novela “Memória de um Subversivo”, de autoria de Carlos Russo Jr. Introdução necessária: As memórias que publicamos neste Espaço Literário não constituem de modo algum reminiscências vividas pelo escritor, mas sim, memórias de um jovem extraordinário a quem me dediquei a narrar a biografia. Como veremos, os episódios reportados referem-se, quase na sua totalidade aos…

Read More

Carpentier e García Márquez

Araken Vaz Galvão* Encontrei na página(*) da professora emérita da UFRJ, Bella Jozef – autora de “História da literatura hispano-americana” – uma informação deveras incitante. Que o escritor Gabriel García Márquez (n. em 1928) –, mais tarde, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura – após ter lido “O Século das Luzes”, de Alejo Carpentier (1904-1980), teria rasgado várias páginas do…

Read More

Sempre alerta, que estado é este de viver?

0

Marli Gonçalves* Já ia mesmo falar sobre isso. Sobre o medo, o estado constante de alarme, de alerta, de atenção, aqueles que decretamos por nós mesmos praticamente todos os dias. A sexta-feira de terror e sangue em Paris, no entanto, mostrou que os horizontes do perigo passaram a ser ainda maiores, mais mortais e complexos. Fica difícil viver em paz…

Read More

Kafka: A barata faz 100 anos

0

Fernanda Pompeu* Uma das venturas – não são muitas – de envelhecer é a capacidade de reconhecer e agradecer o que muitas pessoas fizeram por nós. Júlio, meu avô postiço, judeu fugido da barbárie nazista, deu com o destino no Rio de Janeiro. Sua vida se tornou um esforço de adaptação à língua, à cultura, ao calor diabólico. Ao constatar…

Read More

Arturo Corcuera: 80 primaveras triunfantes

0

“Noé delirante é uma coleção sem par na poesia recente do Peru… Adverte-se um acento pessoal e uma agudeza pouco frequente na busca do símbolo. Assim como também que a linguagem compõe uma textura de muito sutis associações formais e semânticas, e inclusive de um elegante humorismo, tudo o que ilumina um universo poético original…”          …

Read More

Um exame crítico de “Brasil: uma biografia”

0

Ricardo Carlos Gaspar* É sempre útil revisitar a história de um país, não somente pelo aspecto pedagógico que isso representa, mas acima de tudo quando novas ideias venham revigorar um debate sempre oportuno sobre as raízes e a trajetória de um povo. Esse exercício ajuda a esclarecer o presente e iluminar o futuro, fazendo-nos apreciar melhor possibilidades e limites da…

Read More

Que venha a Primavera brasileira

0

Marli Gonçalves* Há de chegar a nossa primavera, para que os dias possam voltar também a ser mais normais, que possamos realizar as coisas, com mais perspectivas, e não tenhamos mais de perder tanto tempo só cortando prazeres das nossas vidas, nem mais discutindo e pensando nas pragas que devassaram esse nosso imenso jardim. Eles não são flores que se…

Read More

A californiana em sua bicicleta

0

Ilka Oliva Corado* Eu ia em minha bicicleta desfrutando a ciclovia e a paisagem do lago Michigan no centro da cidade, quando de repente passou um adolescente puna em sua bicicleta californiana, e eu o senti como uma ventania, um ar frio que me fez ficar arrepiada e vieram de golpe as recordações da minha infância com a frase “chifres…

Read More

Sua excelência, o rádio

0

Fernanda Pompeu* Muito antes dos iPods e similares colados nos ouvidinhos, houve os rádios de tomada e depois de pilha. Pelo Brasil profundo eles ainda resistem, apesar do assombroso avanço dos smartphones. Mas bem mais interessante do que o aparelho em si, é viajar para atrás no relógio e encontrar a importância do rádio antes que a televisão roubasse as…

Read More

Sonhei que eu era a Dilma

Maria José Silveira* Como em todo sonho, eu não reconheci bem onde estava. Era um quarto, o meu quarto no Palácio da Alvorada, mas era como se nunca estivesse estado lá. O que não tinha a menor importância; o que importava era decisão que eu havia tomado. O primeiro que fiz foi me vestir do jeito que gosto: calça preta…

Read More

Daniela Arbex: “A gente não publica denúncia, a gente apura a denúncia”

O programa Espaço Público conversa com a jornalista e escritora, Daniela Arbex. Ela fala sobre o seu mais recente livro: “Cova 312”- sobre a longa jornada de uma repórter para descobrir a história real do guerrilheiro Milton Soares de Castro, derrubar uma farsa e mudar um capítulo da história do Brasil. No livro, a jornalista revela como as Forças Armadas mataram…

Read More

A pura verdade

Carolina Vásquez Araya* O denominador comum do discurso político é a falsidade. Assim pensam aqueles que desejam conquistar um espaço e acham que é impossível fazê-lo sem mentir, porque segundo eles ninguém dará um voto a quem destroce suas aspirações. Por isso: “em meu governo será dada prioridade às necessidades do povo”, “quando me elegerem presidente as coisas vão mudar…

Read More

Winston Orrillo, 50 anos de poesia

0

Em 1965 ganhou o II Concurso “O Poeta Jovem do Peru”. Milhares de versos depois, nos recebe em seu apartamento em La Calera, bem agasalhado. Este inverno chegou tão tarde que ninguém já o esperava. “Este é um frio aprista, traiçoeiro”, brinca. Acaba de publicar “Poemas desconcertados” e sabe que seus leitores ainda não nasceram. Sua gata, Benita, se afasta…

Read More

Quando as putas são nossas

0

Ilka Oliva Corado* Eu me lembro claramente de um meio dia quando voltava para casa depois da escola quando estava no primário, e que me agarrei aos socos com uns moleques e cheguei em casa toda estropiada e com a barra do uniforme desfiada. Minha pobre mãe que me considerava a filha indomável me perguntou desanimada: e agora, com quem…

Read More

Arruma, rearruma e desarruma

0

Marli Gonçalves* Esta é a nossa vida. Fazemos isso o tempo inteiro, numa espécie de TOC que é comum a todos. Já notou? Pode ver aí que você também tem alguma coisa ou ocasião que tem esse faniquito. Tira dali, põe aqui. Troca. Por exemplo, nossas finanças – quer coisa que a gente mais arrume, desarrume e rearrume? Há também…

Read More

Galeano, imortal

0

Beatriz Bissio* Quando recebi a notícia da morte de Eduardo Galeano, um ser humano e um escritor de extraordinário valor, senti que necessitava homenageá-lo, mesmo que fosse de forma singela, evocando as lembranças da sua forte presença em diferentes momentos da minha vida. Comecei a escrever quase sem pensar, pois rapidamente ia fluindo na minha memória uma avalanche de lembranças,…

Read More

Mulheres peruanas: O outro lado da história

Edda O. Samudio A.*  A quinta e lúcida edição da obra Mujeres peruanas. El otro lado de la historia de Sara Beatriz Guardia (Quinta Edição,  Lima, CEMHAL, 2013) se enquadra nessa nova forma de trabalhar a história, a considerada nova história, que emerge na escola Los Annales, com um de seus mais destacados representantes: Fernando Braudel, nascidos nos albores do século passado.…

Read More

Eduardo Galeano nosso, dos ninguém

0

Ilka Oliva Corado* Diante da má notícia com que amanhecemos e que nos dói tanto, escrevi estas palavras para despedir de Eduardo Galeano. Os intelectuais escreverão seus pergaminhos como bons letrados mas nós, os párias, os ninguém, o pranteamos na nossa realidade de explorados. É dessa situação escrevo. Sempre estive convencida de que os seres extraordinários se vão em dias…

Read More

Galeano e o “Livro do Mar Roubado”

Galeano e sua última declaração pública: Deveria intitular-se “Livro do Mar Roubado” O escritor uruguaio e autor de ‘As Veias Abertas da América Latina’, Eduardo Galeano, que morreu na segunda-feira 13/4 aos 74 anos brindou, em sua última declaração pública, um forte apoio à causa marítima boliviana ao dizer, em sua casa em Montevidéu que o Livro do Mar com…

Read More

Gaza por Eduardo Galeano

A multiplicação do terrorismo  Eduardo Galeano* Para justificar-se, o terrorismo de Estado fabrica terroristas: semeia ódio e colhe pretextos. Tudo indica que esta carniceira de Gaza, que segundo seus autores quer acabar com os terroristas, conseguirá multiplica-los. Desde 1948, os palestinos vivem condenados a humilhação perpétua. Não podem nem respirar sem permissão. Perderam sua pátria, suas terras, sua água, sua…

Read More

Não queremos morrer de fome nem de tédio

Jorge Luna* O escritor e jornalista uruguaio Eduardo Galeano, ao conquistar o Prêmio ALBA 2012, em 30 de janeiro passado, exclamou que não gosta de expressar suas emoções, mas não pode deixar de confessar que pouco falta para que o convertam “em campeão olímpico de salto de altura”. Este prêmio me estimula muito, disse em declarações ao jornalista Jorge Luna,…

Read More

Los Nadies

Eduardo Galeano* sueñan los nadies con salir de pobres, que algún mágico día llueva de pronto la buena suerte, que llueva a cántaros la buena suerte; pero la buena suerte no llueve ayer, ni hoy, ni mañana, ni nunca, ni en lloviznita cae del cielo la buena suerte, por mucho que los nadies la llamen y aunque les pique la…

Read More

Telefone de Deus vai dar ocupado

0

Marli Gonçalves* Deus me livre de imaginar que o povo está todo apelando para Deus porque está é jogando a toalha de tal forma que vai parecer muito aquele filme do piloto que sumiu, por isso que é preciso apertar o cinto e tal, pensa só. Apertar o cinto já estão mandando. Não olha agora, mas repara: o piloto sumiu.…

Read More

Ô Véi, vamos falar dos véios?

0

Marli Gonçalves* É véi para lá. Véi pra cá. Fala aí, véio! No pobre linguajar que se instala na nossa população o vocativo “Véi” virou uma daquelas pragas – de gíria e de muleta oral e verbal – que ninguém sabe onde começou nem quando vai acabar. O problema é que a rapaziada não sabe nem que o tal Véi/…

Read More

Imprensa: Método dos anos 30 para alienar

0

Biografia de Getúlio mostra como imprensa paulista inventava fatos para induzir povo a lutar pelos interesses dos cafeicultores. Sem marco regulatório país segue cada vez mais refém do baronato da informação. Amaro Augusto Dornelles* No meio de qualquer conversa ou discussão sobre política vira e mexe aparece alguém para dizer: “O brasileiro não conhece sua história”. A locução funciona como…

Read More

Para cantar quando o Carnaval passar

0

Marli Gonçalves* Agora a gente não se guarda mais para quando o carnaval chegar. Guarda e estoca coisas para quando o carnaval passar. Como as coisas mudam, não? Antes, falávamos em encher os canecos, e estávamos nos referindo ao chopp e à cerveja. As marchinhas hoje ganharam novos sentidos e vamos precisar qu sejam entoadas por algum bloco na rua…

Read More

A corrupção e a bolsa de valores em Proust

0

Carlos Russo Junior* O pai de Proust entendia que ele, Marcel, poderia morrer na miséria, tanto por seus gastos sem controle, quanto pela fixação que possuía em jogos, como os da Bolsa de Valores. Por volta de 1912 Marcel Proust chegou a perder uma fortuna de quase 800 mil francos. “De algum modo, o jogo com as ações me atrai,…

Read More

Os poetas não morrem

0

Manoel de Andrade* Neste mês de janeiro comemora-se na Nicarágua os 45 anos da morte do poeta e combatente sandinista Leonel Rugama, e no Peru, os 73 anos do nascimento do poeta e guerrilheiro Javier Heraud. Mortos respectivamente aos 20 e 21 anos, Heraud e Rugama são os exemplos mais precoces, na América Latina, de poetas que caíram em combate,…

Read More

Jornalismo: profissão João Bobo

0

Marli Gonçalves* Bate no centro, pela direita, bate pela esquerda, soca, soca, soca; verga, mas não cai. Jornalista, com orgulho muito especial e carinho pela profissão que escolhi, embora tenha hora que um desânimo sem medida tome conta, vejo que viramos mesmo belo saco de pancadas, de um lado; culpados pelos problemas do mundo, de outro. Mal amados, malvistos. A…

Read More

Efraín Rúa dribla a morte

0

“Eram tempos de mudança e de rebelião. O Peru estava à beira da explosão, milhares de camponeses se levantavam para a recuperação de suas terras e os latifundiários calavam os protestos a sangue e fogo. O país tinha ungido a Belaunde graças a promessas como a realização da reforma agrária e a recuperação das jazidas de petróleo de La Brea…

Read More

Teresa Ruiz Rosas: uma excelente romancista

0

Winston Orrillo* Talvez seja por ela ter vivido longo tempo no exterior, ou pela escassa difusão de sua obra – já que não pertence, até onde sei – à claque literária realmente ad usum, confesso minha crassa ignorância sobre a formidável tessitura criativa de Teresa Ruiz Rosas (Arequipa, 1956) narradora e tradutora literária, residente em Colônia, Alemanha, e com estâncias…

Read More

Walter Lingán: Em defesa da vida humana

0

Winston Orrillo* “Sakejat também disse que viverá rolando como uma pedra pelos caminhos, que como os deuses saberá estar em vários lugares ao mesmo tempo e sempre ao lado da justiça e da honradez e que seu fim será defender a vida opondo-se a todas as formas da morte. Tu mesmo serás manancial de vida”. Eu disse por aí: Koko Shijam,…

Read More

Retrospectivas e umas perspectivas

0

Marli Gonçalves* Já começou. Nos próximos dias vai ser um tal de olhar para trás e lembrar tudo de ruim – coisa boa, pensa bem, foi pouca – que aconteceu nesse ano, que a gente vai ficar enjoado. Acho meio chato sofrer de novo, principalmente com as mortes. Também ando lendo muito sobre troféus Melhores de Alguma ou Qualquer Coisa…

Read More

Livro traz depoimentos de perseguidos pelo Governo Paulista

Foi lançado em São Paulo, um livro que conta a história de perseguidos pelo governo paulista durante a ditadura militar (1964-1985). Ex-Presos Políticos: Memórias e Conquistas, de autoria do jornalista Claudio Blanc, reúne depoimentos de militantes que resistiram à repressão. A obra foi produzida a partir de documentos e relatos arquivados na Secretaria Estadual da Justiça e da Defesa da…

Read More

Prêmio Rose Marie Muraro

0

Fernanda Pompeu* Clara Charf, Herilda Balduino de Sousa, Lenira Maria de Carvalho, Mireya Suárez, Moema Viezzer e Neuma Aguiar foram agraciadas com o Prêmio Rose Marie Muraro: Mulheres Feministas Históricas, destinado para ativistas com mais de 75 anos. A iniciativa vem da parceria entre a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e…

Read More

Venezuela sob a lupa: conjurados e proscritos

Na quarta-feira, 25 de novembro, na Casona de San Marcos, foi apresentado o livro da escritora Pilar Roca – Venezuela bajo la lupa: conjurados y proscritos. Desde o prólogo do Federico García, o livro mostra a manipulação dos meios de comunicação para formar uma opinião pública distorcida que corresponde aos interesses das elites econômicas nacionais e internacionais. Pilar parte do…

Read More

Brasil 40 graus

0

Fernanda Pompeu* O livro 1964 na visão do ministro do Trabalho de João Goulart, escrito por Almino Affonso, se parece com o filme Titanic. Todos que foram ao cinema sabiam do naufrágio final. Assim como os leitores do livro sabem que o golpe de 1964 afundou, por mais de duas décadas, a democracia brasileira. Então qual a graça em ver…

Read More

Tristeza, Tristeza…

0

Marli Gonçalves* Sinceramente, sei que não é possível. Não é – não pode ser – possível que haja alguém que esteja feliz de verdade com tudo isso o que está acontecendo ao nosso redor. Todo dia, dia todo. Falo do planeta, do mundo, de todos os continentes, mas especialmente de nossa Nação, esse conceito que anda tropicando na corda bamba.…

Read More

“Dialética Radical do Brasil Negro” de Clóvis Moura

Lançamento da segunda edição do livro “Dialética Radical do Brasil Negro” de Clóvis Moura Data: 25 de novembro (terça) – Horário: 19 horas Local: Funarte (Alameda Nothmann, 1058 – próximo ao metrô Santa Cecília). Expositores: Dennis de Oliveira (professor da USP e membro do NEINB),  Silvio Almeida (professor Mackenzie e pres. Instituto Luiz Gama), Gevanilda Gomes do Santos (doutora da…

Read More

1964 + 50

0

Fernanda Pompeu* Histórias de pessoas de carne e osso – e também de personagens de papel – que, a partir de 1964, viveram na roda viva da ditadura militar. Episódios quinzenais toda quinta-feira. Quando vi meu pai morto, faz um ano, pensei para me consolar: ele teve uma vida imensa. Conheceu o fracasso, mas também o sucesso. Tentou, errou, tentou…

Read More

Corações partidos

0

Marli Gonçalves* Sempre achei superbonito aqueles casais que, para consagrar seus amores, mostram-se amarrados, carregam coisas complementares em pedaços e que, quando juntas, retomam a unidade, completando-se de forma romântica. Feitas de material nobre, as peças podem ser moedas, anéis, chaves,/cadeado, e o coração, este cortado em duas partes com ziguezague que se encaixam perfeitamente. Infelizmente, nesse nosso amor por…

Read More

Thomas Mann e um grito de alerta antifascista

0

Carlos Russo Jr* Em 1933, os nazistas chegam ao poder na Alemanha através do voto democrático. Imediatamente devotam-se à destruição da democracia e à implantação do regime totalitário mais odioso da História da humanidade. O mesmo já ocorrera na Itália alguns anos antes, com o ex-socialista e fascista Benito Mussolini. Logo após o incêndio do Parlamento Alemão pelas claques de…

Read More

Um olhar sobre a história dos Cinco Cubanos

Susana Gomes Bugallo* Impresso pela Editora Capitão San Luis, o livro Retrato de uma ausência dos jornalistas Oliver Nyliam Vázquez García Zamora Oria, visa alcançar aqueles que no mundo ainda não conhecem as impressionantes histórias de vida dos Cinco Cubanos. “Gerardo, Ramón, Antonio, Fernando e René são cinco homens bons e especiais que merecem ser conhecidos a partir de ângulos diferentes”…

Read More

Estações de Ferro, a vida de Raphael Martinelli

Raphael Martinelli, neste sábado 27 de setembro, lançou o livro que é um pouco da história da sua vida. E que vida! A vida de Martinelli é a história das ferrovias brasileiras, a história do movimento sindical, a história do Partido Comunista Brasileiro, do Agrupamento Comunista de São Paulo e da ALN – Ação de Libertação Nacional, que ajudou criar…

Read More

A arte mecanizada

0

Poema de Samuel da Costa*   Toda a poesia será castigada? Perguntou o poeta ao suicida! *** Oh cidade claustrofóbica! Por quê? Mil vezes por quê? Deixaste-me aqui sozinho, para morrer? *** Oh palavras disléxicas que se repetem! E se repetem, sem fim! Sem parar… Na minha mente *** Sonho mecanizado! Do mundo diluído nas telas das TV’s! Cidade cinzenta!…

Read More

São Plágio na Bolívia

0

Jorge Mansilla Torres*  Por acaso não se obriga a um sacerdote citar autores e/ou fontes em seus escritos ou sermões? Já respirei profundamente e contei até dez antes de soltar isto: o jesuíta Francisco Dardichón cometeu plágio ao publicar como seu o conteúdo de meu livro “Arriscar a pele”, uma biografia do oblato Mauricio Lefèbvre, em um folheto editado pelo…

Read More

Ausência em 11 de Setembro

0

Raúl Longo* Não, eu não estava em 11 de Setembro. Não poderia estar porque era um natimorto acéfalo em Hiroshima. Esfacelado por sua bomba em Nagazaki. Não estava em 11 de Setembro porque era uma menina navajo, comanche, sioux, apache. Menina estuprada por seus soldados de olhos e casacos azuis. Sinto muito, mas em 11 de Setembro os abutres se…

Read More

Tolstói: a coerência entre o pensar e o agir

0

Carlos Russo Jr* O Conde Leão Tolstói tinha, como ser humano e escritor, o calibre do final do século XIX. Carregava como este os fados épicos de toda uma época grandiosa, apesar de suas sombras, de decadência dos velhos valores burgueses e da rudeza do determinismo cientificista. Época que, entretanto, não teria aceitado muito daquilo que nosso século XXI admite…

Read More

Getúlio Vargas: Um tiro completa 60 anos

0

Fernanda Pompeu* Meu saudoso pai comprava flores no mercado municipal de Taubaté – Vale do Paraíba -, quando a florista esbaforida soltou a bomba: Acabei de ouvir no rádio que o velho se matou! O velho era Getúlio Dornelles Vargas, presidente do Brasil. O rádio, em 1954, era o principal veículo pelo qual os brasileiros ouviam músicas, programas humorísticos e notícias. TV era…

Read More

O professor

0

Fernanda Pompeu*  Histórias de pessoas de carne e osso – e também de personagens de papel – que viveram na roda viva da ditadura militar. Não havia nenhuma chance de um mal-entendido quanto ao local e horário. No 31 de outubro de 1975, toda São Paulo estava sabendo que na Catedral da Sé, o católico Dom Paulo Evaristo Arns, o…

Read More

Alberto Benavides: poesia, filosofía, arte de vida

0

                                    “Sé que estas palmeras/ no morirán:/ entre las palmas muertas/ al medio                                     He visto/ el fogonazo verde de la vida”                                                                                           A.B. Winston Orrillo* Con un título enigmático – Alto espionaje. Hatun Chapatiyay – aparece, en edición bilingüe, español quechua, en traducción de José Antonio Sulca Effio, un nuevo libro del poeta, filósofo, ensayista y casi anacoreta, Alberto Benavides Ganoza,…

Read More

Duas filhas da ditadura

0

Fernanda Pompeu*   Histórias de pessoas de carne e osso – e também de personagens de papel – que viveram na roda viva da ditadura militar. Novos episódios toda quinta-feira. Já se vão quase trinta anos que minha amiga, num gesto tresloucado e para sempre inexplicável, atirou contra a própria cabeça interrompendo uma mente brilhante. Pois, com 20 anos, ela era…

Read More

Winston Orrillo: O “O” do Oleiro

0

José Vadillo novas correções sobre W Orrillo* O que se pode falar de um homem que há meio século publica poemas? Que sentido tem ser poeta quando já ninguém parece ler? 1. Os livros estão libertos, fugiram das estantes. Andam por toda parte, como se em lugar de folhas tivessem asas. Como uma torre, sobre a mesa de centro, ou…

Read More

Nicole Schuster: Interpelação sobre o compromisso da literatura e da filosofia

0

                                                      “Não adotar uma posição política é também uma posição política”                                                                                           Sartre citado por N.S. Winston Orrillo* Assim porque sim: por obra da pura sorte. Não sei como chegou às minhas mãos um livro de formato simples, no qual, sobre um fundo verde-oliva, aprecia-se um acúmulo de nuvens que poderia se converter, em breve tempo, em um mar proceloso.…

Read More

Ernesto Montero: Ecografia do amor revolucionario

0

“El revolucionário verdadeiro está guiado por grandes sentimentos de amor” Ernesto Che Guevara Winston Orrillo* A epígrafe do Guerrilheiro Heróico é perfeitamente congruente com o início do comentário a “Todo depende del humor de tus ojos”, livro de poemas de Ernesto Montero Campos, um singular vate jovem -25 años-, gráfico e dirigente do Grêmio de Escritores do Peru. A citação…

Read More

“Pátria Madrasta Vil”

Com o tema “Como vencer a pobreza e a desigualdade”, a estudante Clarice Zeitel Vianna Silva, da Universidade Federal de Rio de Janeiro, venceu concurso da Unesco com 50 mil participantes, com seu texto “Pátria Madrasta Vil”. Chocante, porém, real e vale pra qualquer dos países de Nossa América ou mesmo do mundo. “PÁTRIA MADRASTA VIL” Onde já se viu…

Read More

Lembrança de Rubens Macuco Mosca

Helena Macuco Mosca Seu pai maestro, compositor, professor e jornalista Radamés Mosca. Sua mãe professora normalista, escritora, poetisa e jornalista Nathercia Macuco Mosca. Aprendeu as declinações latinas com seu irmão mais velho e começou a ler assistindo televisão (1950), por volta dos cinco anos, alfabetizado por sua mãe. Aprendeu os primeiros passos de como fazer um jornal com seu pai:…

Read More

Pedro Díaz Ortiz: entre o classicismo e a vanguarda

0

“Tarde em branco de margens/ no velho torreão teus olhos claros/ no mar a travessia desnuda”. P.D.O. Winston Orrillo  O aparecimento de “Un no rompido sueño”, complexo livro de poemas de Pedro Díaz Ortiz, nos leva à conclusão de que seu autor passeia, com igual sapiência e ofício, entre a mais entranhável criação da época clássica (lembrar aos desavisados que…

Read More