“Darcy Ribeiro sempre viu longe e certo. Profeta falou aos peixes e os homens não o ouviram. Poderemos recomeçar, para não ter outros vinte anos perdidos?”

Luiz Alberto Gómez de Souza*

crise-na-educac3a7c3a3o-como-projetoDepois da chacina no presídio de Manaus, “um acidente pavoroso”, no dizer do sempre inapropriado Temer, o governo cambaleante improvisa e fala de construir cadeias, que estarão cada vez mais entupidas de pessoas em condições infra-humanas. Nenhuma menção a escolas.

Como no “Alienista”, conto de Machado de Assis, na “villa de Ithaguay”, Simão Bacamarte, depois de querer colocar na prisão toda a população, julgada por ele doente, resolveu que seria mais fácil o contrário, ele, o único são, encerrar-se.

Quem sabe se esse governante golpista não segue essa lição? Aliás, ele já está enclausurado no Planalto, com medo do povo. É só fechar à chave por fora e esquecer-se dele.

E, numa grande ciranda, fazer mutirões festivos e comunitários, para erguer centenas de CIEPS. Todos com o nome de Darcy, de Brizola, alguns de Lula, Dilma e do antigo ministro da educação, Fernando Haddad. Vale sonhar.

 

Luiz Alberto Gómez de Souza é Formado em Ciências Jurídicas e Sociais, pós-graduado em Ciência Política, doutor em Sociologia. Autor de mais de cem artigos em revistas brasileiras e internacionais e colaborador e organizador de vários livros.

Escolas ou presídios