O rio não morreu, mas está muito doente. Os peixes estão fracos e já não alimentam os índios como antes e nem rendem dinheiro com a venda para garantir a compra de artigos na cidade. Além disso está perigoso navegar.

Mário Osava*

Jailson Juruna, o Caboclo da aldeia Miratu, com sua nova arma de luta em defesa dos direitos indígenas, na Volta Grande do rio Xingu, na Amazônia. Atualmente realiza um curso de videasta promovido pela Vídeo nas Aldeias, um movimento que capacita indígenas na produção de audiovisuais. Crédito: Mario Osava/IPS
Jailson Juruna, o Caboclo da aldeia Miratu, com sua nova arma de luta em defesa dos direitos indígenas, na Volta Grande do rio Xingu, na Amazônia. Atualmente realiza um curso de videasta promovido pela Vídeo nas Aldeias, um movimento que capacita indígenas na produção de audiovisuais. Crédito: Mario Osava/IPS

Essa situação empurrou os índios que vivem na Volta Grande do Xingu para outra atividade, a agricultura. Tudo isso é parte dos efeitos da represa de Belo Monte, a terceira maior hidrelétrica do mundo e a segunda maior do Brasil.

A mudança de comportamento é mais ampla, inclusive cultural. O transporte pelos bascos está sendo substituído pelos caminhos de terra, principalmente de motocicletas. O rio, com seus movimentos agora imprevisíveis deixou de ser um companheiro confiável e central na vida das aldeias.

“Os peixes que comem frutas, como os Pacus, vão acabar, porque não têm o que comer, a frutas estão caindo na terra seca”, lamenta Agostinho Pereira da Silva, o patriarca da aldeia de Miratu, onde vivem cerca de 20 famílias do povo Juruna, que acolheram a reportagem da IPS em mais de uma jornada.

O Pacu (Myloplus e Myleus spp) é a espécie de maior consumo entre os moradores. Para manter a população da espécie é preciso que o rio continue a alagar as margens em enchentes que duram meses, fazendo as frutas da região cair na água.

A hidrelétrica eliminou essas cheias ao reter as águas rio acima e desviar a maior parte por um canal, atalho para a Volta Grande, um grande trecho do Xingu em forma de U, para mover as turbinas da usina hidrelétrica no final da curva.

O sarobá, uma fruta de áreas alagadas, está morrendo nos igarapés secos e os peixes aparecem com as ovas secas, explica Jailson Juruna, de 37 anos e um dos 10 filhos vivos de Pereira, que adotou o apelido Juruna para afirmar sua identidade étnica.

Agostinho Juruna, que com seus 10 filhos e filhas constitui o núcleo central da aldeia Miratu, planta mandioca, banana, abacaxi nesse assentamento indígena nas margens da Volta Grande do rio Xingu que teve a vida transtornada pela instalação da central hidrelétrica de Belo Monte. Foto: Mario Osava
Agostinho Juruna, que com seus 10 filhos e filhas constitui o núcleo central da aldeia Miratu, planta mandioca, banana, abacaxi nesse assentamento indígena nas margens da Volta Grande do rio Xingu que teve a vida transtornada pela instalação da central hidrelétrica de Belo Monte. Foto: Mario Osava

Também os tracajás estão morrendo, porque igualmente se alimentam da vegetação dos igapós que secaram”, referindo-se a uma espécie de quelônio de nome científico Podocnemis unifilis, também importante para a alimentação dos índios na Amazônia.

Esse drama dos ribeirinhos da Volta Grande, não são só os indígenas, começou quando fecharam as comportas da represa principal da hidrelétrica em Pimental, uns 20 Km rio acima da aldeia de Miratu, em fins de novembro de 2015.

Nos três meses seguintes ao fechamento das comportas mais de 16 toneladas de peixes apareceram mortos, segundo comprovou o IBAMA. A empresa Norte Energia, dona de Belo Monte recebeu uma multa de US$ 11 milhões, mas está recorrendo.

A mortandade ocorreu também antes, durante as obras do represamento do rio, de 2011 a 2015, porque sujou as águas rio abaixo.

Com o fechamento da represa a situação se agravou porque baixou o nível da água na Volta Grande e porque a quantidade de peixes mortos assustou os consumidores de Altamira, a maior cidade da região, com cerca de 150 mil habitantes.

A População rechaça os peixes doentes, um termo que também contribuiu para reduzir o peixe na alimentação dos ribeirinhos, agravando o problema da subnutrição.

De 56 por cento em 2015, índice  similar ao de dois anos anteriores, a participação do pescado na alimentação na aldeia Miratu caiu para 36 por cento em 2016, segundo o controle feito pelos próprios indígenas através da Associação Yudjá Miratu, ou ONG Instituto Socioambiental do Pará.

Deixou de ser o principal componente na dieta indígena, perdendo para os “produtos alimentares da cidade” que aumentaram de 25 a 52 por cento, segundo a bióloga Cristina Carneiro, doutora da Universidade Federal do Pará, que orientou a coleta de dados entre outubro de 2013 e setembro de 2016.

Gráfico das alterações na alimentação na aldeia indígena de Miratu, onde os juruna reduziram drasticamente o consumo de pescado, antes a base de sua dieta.
Gráfico das alterações na alimentação na aldeia indígena de Miratu, onde os juruna reduziram drasticamente o consumo de pescado, antes a base de sua dieta.

“Os juruna estão perdendo a autonomia e a segurança alimentar, tendo que migrar para a agricultura e procurar trabalho remunerado para assegurar sua alimentação. Com isso perdem também sua cultura e conhecimentos”, na avaliação da advogado do ISA, Biviany Rojas.

A maior parte das receitas dos Jurunas vinha da coleta e venda de peixes ornamentais, o que atualmente é impossível, pois não existem mais as espécies mais valorizadas. O esforço adicional para manter essa atividade foi fatal para Jarliel Juruna, outro filho de Pereira, morto aos 20 anos quando pescava em outubro passado.

Ampliar a agricultura, como fonte de alimentos e receita, tornou-se indispensável para os indígenas de Volta Grande, esclareceu Giliarde Juruna, de 36 anos, cacique de Miratu e presidente da Associação além de ser irmão de Jailson e Jarliel.

Ele mesmo deu o exemplo, semeando arroz, milho, mandioca e frutas como banana, açaí e cacau em cerca de três hectares, apesar do pouco tempo disponível entre as obrigações da associação e a liderança da aldeia.

Uma de suas tarefas é encontrar uma empresa, “que tem que ser grande, com capacidade” para prestar assistência técnica aos indígenas na agricultura como “atividade produtiva porque nós não temos experiência”.

A aldeia já dispõe de uma “casa de farinha” para fazer farinha de mandioca. “Queremos uma despolpadora de frutas” para vender polpa, geleias e doces das frutas nativas, “que existe em quantidade na floresta”, anunciou o cacique.

Outra fonte de renda são os empregos formais, dentro e fora da aldeia, com a contribuição dos salários à aldeia. Dos que ficam na aldeia, o professor da escola inaugurada em março e a enfermeira do posto de saúde.

Miratu é a aldeia mais recente das três existentes na Terra Indígena Paquiamba, uma área de 15.733 hectares reservada para os juruna, na margem esquerda do Xingu. Foi implantada há cinco anos, em parte com a ajuda da Norte Energia, concessionária de Belo Monte, que construiu a escola e o posto de saúde além de algumas casas.

“Antes a gente não comprava quase nada fora, só sal. Nossas plantações eram poucas, só pra comer”, pois a pesque provia tudo, recordou Agostinho Pereira, o Juruna.

A escola da aldeia indígena Miratu, construída pela Norte Energia, empresa que construiu e opera a central hidrelétrica de Belo Monte. Com três salas, têm excesso de capacidade para as 20 famílias locais, mas a aldeia está crescendo e poderá receber alunos de outros povoamentos próximos.
A escola da aldeia indígena Miratu, construída pela Norte Energia, empresa que construiu e opera a central hidrelétrica de Belo Monte. Com três salas, têm excesso de capacidade para as 20 famílias locais, mas a aldeia está crescendo e poderá receber alunos de outros povoamentos próximos.

“Também tudo era transportado pelo rio; agora, quase todos têm motocicletas, inclusive eu que não sei manejar, mas vou aprender”, prometeu em seus 66 anos, depois de ter 12 filhos, dois já mortos, inclusive Jarliel.

Dois automóveis e uma caminhonete indicam a opção forçada desses indígenas pela terra, em detrimento da tradição fluvial.

Mas também fazem o caminho oposto. Yudjá, o nome da etnia que está se recuperando, ao lado dos juruna, significa “donos do rio” no idioma nativo, praticamente perdido nas aldeias de Volta Grande.

A grande família que compõe Miratu esta enviando seus filhos para estudar com os parentes no Alto Xingu, mais de 1.000 quilômetros em linha reta em direção ao sul.

 

*Mario Osava é diretor de IPS/Brasil e colabora com Diálogos do Sul – editado por Estrella Gutiérrez