Além dos mais de 600 palestinos presos, pelo menos 13 palestinos foram mortos pelas forças israelitas de ocupação.

Um jovem palestino é preso na Cisjordânia, na sequência dos protestos contra a decisão estadunidense sobre Jerusalém. Créditos / palestinalibre.org
Um jovem palestino é preso na Cisjordânia, na sequência dos protestos contra a decisão estadunidense sobre Jerusalém. Créditos / palestinalibre.org

Num relatório publicado pela SPP revelou que, nas últimas três semanas – desde que a administração estadunidense declarou o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel –, 610 palestinos foram presos.

Entre os detidos figuram 170 menores e 12 mulheres, refere a agência Ma’an, bem como várias figuras conhecidas da resistência palestina.

Em meados de dezembro – de acordo com a SPP –, foram detidos mais 24 palestinos, em operações lançadas de madrugada em vários pontos da Margem Ocidental ocupada, nomeadamente Belém, Jerusalém Leste e Tulkarem.

As incursões noturnas das forças militares israelitas em cidades, aldeias e campos de refugiados na Margem Ocidental ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, são uma ocorrência quase diária.

A este respeito, a SPP acrescentou que, de acordo com as Nações Unidas, as tropas israelitas efetuaram 162 operações de busca e captura na Cisjordânia entre os dias 5 e 18 de dezembro

A polêmica decisão da administração dos EUA esteve na origem de grandes manifestações em várias pontos do mundo. Na Palestina, desde 6 de Dezembro que os protestos não param; pelo menos 13 palestinos foram mortos pelas forças israelitas de ocupação.

 

*Original de Abril Abril