literatura

Caderno C
0

Com Conceição Evaristo, ABL pode ter quadro de membros mais diverso da história

Em 2018, Conceição Evaristo pode se unir ao grupo de “imortais” que hoje consiste em um homem negro, cinco mulheres e 33 homens brancos e ser a primeira mulher negra na ABL; entidade fundada em 1897 tem sido domínio quase absolutamente masculino e branco e chegou a contar com regra no regimento interno para a exclusão de mulheres

Caderno C
0

A atualidade de Marx para a classe trabalhadora

É difícil escolher, entre tantos, apenas um aspecto da elaboração teórica ou da prática política de Karl Marx, 200 anos depois de seu nascimento, que justifique a afirmação de sua atualidade. Afinal, vivemos em tempos nos quais a humanidade se vê cada vez mais dominada pela lógica destrutiva das mercadorias, em que as desigualdades sociais chegaram a um ponto tal que apenas oito capitalistas se apropriam de tanta riqueza produzida por homens e mulheres quanto…

Caderno C
0

Editoras independentes e PUC-SP realizam quarta edição do Salão do Livro Político

O Brasil pós-golpe de 2016 é o foco da IV edição do Salão do Livro Político. Crise, eleições, cenário econômico, censura e ciências, fake news e os 30 anos da Constituição de 1988 versus o atual protagonismo do Poder Judiciário são alguns dos assuntos das mesas. O evento começa nesta segunda-feira (18) e vai até a sexta-feira (21) na PUC-SP

Crônicas
0

Um percurso pelas ideias de Karl Marx, esse gigante da história

O que é que a humanidade deve a ele? O que é que os trabalhadores devem a Karl Marx? Muito. Sem suas ideias, sem a pressão desencadeada por essas ideias, os trabalhadores não teriam direitos sociais, nem haveria a esperança de uma nova sociedade socialista, sem exploração do homem pelo homem. Jorge Rendón Vásquez* Há duzentos anos, Karl Marx nasceu em Trier, uma pequena cidade da Alemanha, às margens do rio Mosel e perto do rio…

Conceição Evaristo, escritora Caderno C
1

“Se é direito, quero concorrer”, diz Conceição Evaristo sobre Academia Brasileira de Letras

Apesar de escrever e contar histórias desde sempre, Conceição Evaristo diz que se viu escritora quando teve seu nome publicado pela primeira vez nos Cadernos Negros, do Quilombhoje, nos anos 1990. Aos 44 anos, no poema Vozes-Mulheres, ela ecoava vozes ancestrais do passado e de sua descendência sobre a vida de mulher negra no Brasil. Fernanda Canofre, no Sul21 A minha voz ainda ecoa versos perplexos com rimas de sangue e fome. Inaugurava ali o…

América Latina
0

Literatura: a potência política do experimentalismo latino contemporâneo

Luiz Felipe Leprevost é poeta, ator, escritor, dramaturgo e ainda canta e às vezes dança. Mas além de tudo isso, provoca quem entra em contato com sua obra. E não provoca pouco. Impulsionada por esta provocação, conversamos sobre o que esta geração de jovens escritores está fazendo e sobre como podemos “classificar” a literatura contemporânea latino-americana, se é que precisa ser classificada.

#Releituras
0

Umberto Eco: 14 lições para identificar o neofascismo e o fascismo eterno

Umberto Eco – Intelectual italiano, romancista e filósofo, autor de “O pêndulo de Foucault” e “O Nome da Rosa” morreu em 19 de fevereiro, aos 84 anos, dizia que ‘O fascismo eterno ainda está ao nosso redor, às vezes em trajes civis’.

Caderno C
0

Bel Santos Mayer: a educadora social que faz das redes seu caderno de literatura

Bel Santos Mayer, educadora social, faz do Facebook um caderno para postagens de qualidade. Ora publica fragmentos de memórias de infância, de familiares e amigos de raiz. Ora, e principalmente, usa o Face para fazer o que mais gosta: educar seu público. Por Fernanda Pompeu* Os assuntos predominantes são direitos humanos e literatura para todos. A parte dos direitos humanos vem do seu trabalho longevo no Ibeac — Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário.…

Caderno C
0

Aberta as inscrições para o Prêmio Casa de las Américas

Para esta edição foram convocados três dos gêneros fixos desde a primeira celebração do Prêmio em 1960 (teatro, conto e ensaio), y também literatura brasileira, literatura caribenha em inglês ou creole e prêmio de estudos sobre a mulher, estes últimos nascidos décadas depois da primeira edição.

#NósSóQueremosJustiça
0

“Memórias Resistentes, Memórias Residentes”

No dia 16 de dezembro o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política. O evento será às 14h00 e lançará o livro “Memórias resistentes, memórias residentes.

Mulheres
0

Mulheres: A canoa contra o rochedo, quem quebra?

Por um breve momento, as mulheres próximas do novo poder chegaram perto do amor livre, do divórcio, do aborto, da dissolução do casamento, da coletivização do cuidado das crianças, das cozinhas e lavanderias. Fernanda Pompeu*

#Releituras
0

Thomas Mann e um grito de alerta antifascista

“No nazismo a violência opunha-se à verdade! Pregava-se um abismo entre a verdade e a força, a verdade e a vida, a verdade e a coletividade. Já a democracia se realiza efetivamente em cada um de nós, visto que a política se tornou um negócio de todas as gentes. Ninguém pode afastar-se dela”. Carlos Russo Jr*

Caderno C
0

Mensagem de Rosa Luxemburgo ao século 21

“Uma nova biografia (agora em quadrinhos) destaca Rosa Luxemburgo: a revolucionária que defendeu a liberdade com paixão, criticou a esquerda endurecida, viu potência no feminismo e nos índios e entregou-se ao amor, ao sexo e à arte”. Isabel Louveiro*

Entrevistas
0

Ilka Oliva: Foram as letras que deram voz ao vazio insondável que me habita

A escrita veio como uma catarse, como um desabafo, como uma forma de salvar minha vida, como uma última tentativa. No meu auto exílio, eu busquei a poesia para me refugiar nela. Foram as letras que deram voz ao vazio insondável que me habita.

Agenda
0

Convocam para os Prêmios Pensar a Contracorrente e Uma Espécie em Perigo

O Ministério da Cultura de Cuba, o Instituto Cubano do Livro, a Rede em Defesa da Humanidade e a Editora Novo Milênio, convocam para a XV edição do Prêmio Pensar a Contracorrente e à VI do Prêmio Especial Uma Espécie em Perigo.

Caderno C
0

Corcuera taumaturgo da memória

Ler “Vida cantada. Memórias de um olvidado” de Arturo Corcuera é como uma joia a que haverá que acudir com frequência, permanentemente, porque nela não só encontramos a viva palavra do bardo, mas um panorama do que foi esse mais de meio século que abarca sua criação literária.

Caderno C
0

Garcia Lorca, um Pequeño Poema Infinito

Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas. Federico Garcia Lorca* Vítima da Guerra Civil Espanhola, Garcia Lorca foi mais que poeta, foi poesia. Uma Pequena Infinita Poesia. Lorca nunca ocultou suas ideias socialistas e, suas fortes tendências homossexuais. Foi ainda um excelente pintor, compositor precoce e pianista. Sua música se reflete no ritmo e sonoridade de sua obra poética. Como dramaturgo, Lorca fez incursões no drama histórico…

Economia
0

A Era do Capital Improdutivo

Como abordar a luta pela emancipação social na Era do Capital Improdutivo? O economista Ladislau Dowbor destoa tanto do pensamento econômico tradicional quanto de grande parte dos economistas de esquerda, autolimitados pelo mito segundo o qual “não há orçamento” para atender às demandas sociais. Antonio Martins*

Sem categoria
0

Meu avô judeu

Gostava de dizer na escola que eu tinha um avô judeu. Isso durou até o dia que ele me chamou para dizer que eu não era e nunca seria uma menina judia. Não se tratava de uma escolha, mas de origem.

Guatemala
0

Outro livro, outra janela

A Filgua – Feira Internacional do Livro na Guatemala é um local de encontro fundamental e merece todo o apoio da cidadania porque só uma sociedade informada, educada e aberta ao saber, é capaz de transcender e evoluir.

Sem categoria
0

Hemingway e a Corrente do Golfo

Não há no mundo um fenômeno natural que tenha tanta relação com um personagem das letras como a Corrente do Golfo, situada entre os Estados Unidos e Cuba, inseparável do prêmio Nobel de Literatura, Ernest Hemingway. Roberto F. Campos* Desde que, em 1928, o autor de Adeus às Armas chegou pela primeira vez a Havana no vapor Orita, segundo algumas versões, o mar e sua corrente marítima começaram a se imprimir no olhar e nos…

Agenda
0

Viviane Fecher lança “Onde a humanidade vence a barbárie”

A obra, que é fruto da dissertação de mestrado da autora, aborda aspectos da criação e implantação do Memorial da Resistência de São Paulo, tomando por base relatos de ex-presos políticos, que foram detidos no prédio sede do Memorial , que sediava o DEOPS/SP, durante a ditadura civil-militar brasileira.

Agenda
0

Memorial da Resistência lança livro escrito por presos políticos

No dia 08 de abril, o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política. O evento acontece às 14h00, com o lançamento do livro “A repressão militar-policial no Brasil – O livro chamado João”, concebido e escrito por diversos presos políticos quando ainda encarcerados. Durante quatro décadas, João – apelido dado ao livro – circulou de forma…

Caderno C
0

Textos longos aumentam fidelização dos leitores

Entre as notícias, informações e fofocas da violenta investida digital, o que as audiências online mais valorizam pode ser surpreendente: matérias longas, cobertura aprofundada e investigação jornalística que ofereça novas perspectivas. Scott R. Maier* Essa é a conclusão de um estudo recente que avaliou um conjunto pioneiro de análise de mídia usado pelo Instituto de Imprensa Americano [American Press Institute-API] para rastrear o envolvimento dos leitores. Extraídos de mais de 400 mil matérias e 55…

Miguel Urbano Rodrigues
0

Álvaro Lins

Encontrei pela primeira vez Álvaro Lins em São Paulo, em l960. Tinha-lhe escrito quando ele era embaixador em Lisboa e concedera asilo ao general Humberto Delgado. A decisão, tomada sem consulta a Brasília, desagradou ao Governo de Juscelino Kubitschek e enfureceu Salazar. Miguel Urbano Rodrigues* A sua resposta à minha carta comoveu–me. A empatia, quando o abracei pela primeira vez, foi imediata. E evoluiu rapidamente para um sentimento de amizade. Na época, eu divergia da linha…

Miguel Urbano Rodrigues
0

Teixeira Gomes e o envelhecimento

“E a parte mais dolorosa da senilidade consiste em assistir, consciente mas impotente, à nossa própria ruína mental! (…) a vista já muito mal me serve e a minha memória é um vidro transparente onde logo se apaga tudo quanto nela se reflete”. Miguel Urbano Rodriguez* São palavras de Teixeira Gomes, anotadas em 1938 no quarto do hotel em Bougie onde faleceu em 1941. Tinha então 77 anos e via-se como ruína física e mental…

Miguel Urbano Rodrigues
0

Le fil rouge – Una saga revolucionária

LE FIL Rouge** (O Fio Vermelho) é uma saga. Apresenta-se como romance, mas enquadra-se mal nesse gênero literário. Miguel Urbano Rodrigues* Gilda Landino Guibert escreveu um poema revolucionário em prosa que projeta os leitores para cenários de luta pela liberdade e pela transformação do mundo. O sujeito é simultaneamente individual, uma família, e coletivo, os italianos de aldeias da Toscana que se bateram contra o fascismo mussoliniano e posteriormente em França, como imigrantes, ao lado…

Caderno C
0

In Dog We Trust ou Mundo Cão do Truste, Hilda Hilst

Crônica publicada originalmente no jornal Correio Popular em 1994. Hilda Hilst* Minha vontade é a de colocar cada vez mais poesia neste meu espaço, para encher de beleza e de justa ferocidade o coração do outro, do outro que é você, leitor. Porque tudo o que me vem às mãos através dos jornais, tudo o que me vem aos olhos através da televisão, tudo o que me vem aos ouvidos através do rádio é tão…

Miguel Urbano Rodrigues
0

Losurdo e a atualidade da luta de classes

Losurdo é um comunista hoje pouco comum. Decepcionado pelo defunto PCI e pela Rifondazione Comunista, aderiu ao jovem Partido dos Comunistas Italianos. Miguel Urbano Rodrigues* Rejeita qualquer modalidade de dogmatismo e revisionismo. Fiel aos ensinamentos de Marx e Lênin, distancia-se do reformismo e do dogmatismo subjetivista (bem caracterizado por Gyorgy Lukács) que durante décadas atingiu muitos partidos comunistas que, afirmando ser marxistas-leninistas, negavam na práxis a opção ideológica. A editora brasileira Boitempo lançou em 2015…

Cinemateca Diálogos do Sul
0

Arturo Corcuera III: A vertente ideológica

“…um acento pessoal e uma agudeza pouco frequente no encontro do símbolo; assim como também que a linguagem compõe uma textura de muito sutis associações formais e semânticas, e inclusive de elegante humorismo; tudo o que leva luz a um universo poético original, sem desmerecer a postura militante que Corcuera assume diante da realidade.” Alberto Escobar “Fábula do escaravelho” `Fogem-lhe os saltamontes./ As aranhas detêm / minúsculas oficinas.// Las cigarras emudecem/ enquanto irradia sombras.// Burguês…

Sem categoria
0

Ilka Oliva Corado publica seis livros de poemas e relatos

Enquanto lia e editava tive momentos doces e amargos, muitos de saudade, outros de alegria; desse processo vieram à luz do dia 5 livros de poemas e um de relatos, que vêm para acompanhar os primeiros quatro livros que publiquei. Ilka Oliva Corado*

Agenda
0

Herança Brecht

Passados 60 anos da morte de Bertolt Brecht (1898-1956), organizamos uma jornada de depoimentos, conversas, apresentações e reflexões em torno de uma das figuras mais importantes do teatro no século XX. O evento também lembrará os 80 anos de nascimento do dramaturgo Oduvaldo Vianna Filho (Vianinha), uma das figuras mais significativas do teatro brasileiro, morto prematuramente em 1974. A jornada será uma oportunidade para reatualizar a poesia e a consciência crítica que animaram suas vidas…

Nils Castro
0

Esquerda e nacionalidade na América Latina e Caribe

De Bolívar uma sentença para os séculos: “Divididos seremos fracos, menos respeitados… a união fará nossa força e seremos todos formidáveis”. No livro “Esquerda e nacionalidade na América Latina e Caribe”, lançado em Porto Rico por Nils Castro, pensador panamenho e colaborador de Diálogos do Sul. Rubén Berríos Martínez* Neste livro, Nils Castro coloca a serviço dessa grande verdade seu amplo conhecimento das diversas lutas nacionais na América Latina e no Caribe, seu vasto domínio…

Audiovisual
0

Drummond, O Poeta de Sete Faces

Para registrar a data de nascimento do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, a Revista e a Cinemateca Diálogos do Sul recomendam aos seus leitores que assistam ao documentário “O Poeta de Sete Faces, do diretor Paulo Thiago, uma das poucas obras audiovisuais que retratam a vida e a obra de Drummond. critica: “O Poeta de Sete Faces” é um documentário que aborda e ao mesmo tempo investiga e interpreta os diversos momentos da vida…

Miguel Urbano Rodrigues
0

Xenofonte: a mentira histórica do grande historiador

Admiro Xenofonte desde a juventude. Nos anos do «período especial”, quando viajava para Cuba onde então residia, levava no bolso a Anábases, para reler no avião. A saga dos Dez Mil Gregos no regresso à pátria ajudava a compreender a resistência heróica do povo cubano. Miguel Urbano Rodrigues* Transcorridos muitos anos, com a vida útil a findar, reli nas últimas  semanas, com prazer, a Anábases e Ciropédia. Xenofonte foi um escritor maravilhoso. Usou o talento e a…

Chile em nosso coração latino-americano

Para honrar os caídos não podemos olvidar, a Memória Histórica habita em nossa identidade. Ilka Oliva Corado* Há uma parte da história que se esqueceram de relatar, nos ocultaram a verdade, nos querem dominar. Para que não se repita temos que nos informar. O Chile foi traído e não pela classe popular. Não pelas confusões nem pela originalidade. Não por seu povo honrado, mas sim pelos tiranos que preferiram desertar. Mentiram-nos desde o principio; não…

Sem categoria
0

Do ódio ao inimigo

Quando temos um inimigo – e estamos em luta contra esse inimigo – suspendemos a crença de que nele há um ser também capaz de algo bom. Abstraímos suas características de ser humano como nós. Passamos a vê-lo como um ser achatado, sem família, sem sentimentos, sem uma vida que, para ele, certamente é tão preciosa quanto, para nós, a nossa. Sua única dimensão é o mau. Maria José Silveira* Na guerra, em uma revolução…

Sem categoria
0

Pode me escutar um minuto?

Tem de pedir por favor? Pagar? Comprar uma ficha? Você diz uma coisa e respondem outra. Ninguém mais dá mais atenção um ao outro? Reparou? Será que alguém pode me escutar um minuto? Virou uma competição de egos, de desgraças, coisa para novos estudos sobre intercomunicação e a nova Torre de Babel. Marli Gonçalves* Melhor falar com o espelho, com a parede, com o teto, pensar em voz alta para achar que tem alguém ouvindo,…

Caderno C
0

Quente ou frio?

Quando eu era menina, mas se bobear ainda gosto, jogava muito “quente ou frio? “- para qualquer coisa. Você tentava adivinhar algo, ou encontrar um objeto escondido, e se fosse chegando perto, a coisa ia esquentando, pegando fogo… Se distanciasse, ia ficando frio, gelado, glacial! E caímos na risada. Como é bom cairmos na risada, coisa que há tempos não conseguimos fazer sem culpa. E você, o que acha? Está quente ou frio? Sempre dependerá…

México
2

O fascínio desumanizado de D.H. Lawrence pelo México

Desconhecia o México quando li A Serpente Emplumada*. A partir de l970 visitei muitas vezes aquele país. Percorri alguns Estados e adquiri um razoável conhecimento da sua história, sobretudo da pré-colombiana. Miguel Urbano Rodrigues* Reli agora numa edição francesa A Serpente Emplumada e percebi que a minha compreensão do romance tinha sido, quando jovem, lacunar. Em busca do desconhecido Filho de um mineiro, David Herbert Lawrence (1885-1930) cresceu numa família de trabalhadores incultos. Sofreu privações, mas a…

Caderno C
0

62 obras sobre educação para download gratuito

Co­le­ção traz en­sai­os bi­o­grá­fi­cos so­bre 30 pen­sa­do­res bra­si­lei­ros, 30 es­tran­gei­ros, e dois ma­ni­fes­tos: “Pi­o­nei­ros da Edu­ca­ção No­va”, de 1932, e “Edu­ca­do­res”, de 1959. O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, em par­ce­ria com a Unes­co e a Fun­da­ção Jo­a­quim Na­bu­co, dis­po­ni­bi­li­za pa­ra downlo­ad a Co­le­ção Edu­ca­do­res, uma sé­rie com 62 li­vros so­bre per­so­na­li­da­des da edu­ca­ção. A co­le­ção traz en­sai­os bi­o­grá­fi­cos so­bre 30 pen­sa­do­res bra­si­lei­ros, 30 es­tran­gei­ros, e dois ma­ni­fes­tos: “Pi­o­nei­ros da Edu­ca­ção No­va”, de 1932, e “Edu­ca­do­res”, de…

Sem categoria
0

Dois anos sem Gabo

“Os poetas não morrem, poetizam-se…” Marv@da C@rne “Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja. Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não sei brincar e ser café com leite. Só quero na minha vida gente que transpire…

Caderno C
0

Biblioteca Nacional da Colômbia lança La Gaboteca

Acervo de Gabriel García Márquez já está disponível para acesso livre na internet Todas as edições das obras de Gabriel García Márquez, assim como livros sobre o Nobel de Literatura colombiano, estão disponíveis no portal digital La Gaboteca, nome escolhido em referência ao apelido do escritor e jornalista,Gabo. Este imenso catálogo virtual foi apresentado nesta quinta-feira em Bogotá, por ocasião do segundo aniversário da morte do autor de Cem anos de solidão, em 17 de…

Sem categoria
0

O Eduardo Galeano dos ninguéns

Em 13 de abril se completou um ano da morte de Eduardo Galeano. Diálogos do Sul lhe presta homenagem com esse texto de uma guatemalteca, mestiça de negra e índia que vive indocumentada em território de Estados Unidos. Ilka Oliva Corado* Sempre estive convencida de que os seres extraordinários nos deixam em dias funestos, de céu encoberto chorando cântaros de chuva. Eduardo Galeano se foi num dia assim, hoje amanheceu soluçando com a nevoa da…

Agenda
0

“Trabalhadores exilados: a saga de brasileiros forçados a partir (1964-1985)”

Um livro fruto de uma pesquisa de pós-doutorado na EHSS- Ecole de École des hautes études en sciences sociales, em Paris, sob a direção do professor, o antropólogo Afrânio Garcia Jr., publicado em francês em 2015. A versão em português é da Editora Prismas. Apresentação do professor e sociólogo Marcelo Ridente: Este livro instigante busca recuperar a memória e a história do exílio de trabalhadores brasileiros durante a ditadura militar, ressaltando as novas socializações que proporcionou, a despeito…

Caderno C
0

O Mistério da Obra Literária

Araken Vaz Galvão* Durante muito tempo em minha vida não sabia, e demorei muito a descobrir, que a obra literária nasce de duas vertentes principais, quiçá fundamentais e, muitas vezes, antagônicas. E ainda que hoje penso que não se deve descartar a possibilidade de que possa haver mil outras vertentes. Mas, para o que me interessa – e interessa nesse exato momento – ela nasce daquilo que sai da mente, via coração (ou da alma,…

Caderno C
0

Mário de Andrade, intelectual múltiplo, líder da Modernidade no Brasil.

“Na Rua Aurora eu nasci, na aurora da minha vida, e numa aurora cresci.” Mário de Andrade. Carlos Russo Jr* Foi no número 320 da rua Aurora que, em 1893, nasceu Mário de Andrade, filho de pai de origem humilde e de mãe descendente dos bandeirantes. Apesar de ilustre, a família não era rica. Quando adolescente Mário só era bom mesmo em Português, em todas as demais matérias, reprovações e notas baixas. As esperanças familiares…

Sem categoria
0

Censurar os párias e iletrados

Ilka Oliva Corado* Tudo vai bem com meus textos enquanto não apoio as conquistas progressistas dos governos latino-americanos que se uniram ao sonho do menino que vendia aranha (alusão a um conto de Eduardo Galeano). Tudo vai bem com meus textos enquanto me calo frente às injustiças que sofrem os imigrantes que não têm documentos nos Estados Unidos. Tudo vai bem com meus textos enquanto eu esconda com meu silêncio e indolência as intervenções estadunidenses…

Sem categoria
0

Operação Condor: Um assassinato pouco lembrado

Carlos Russo Jr* Extraído da Novela “Memória de um Subversivo”, de autoria de Carlos Russo Jr. Introdução necessária: As memórias que publicamos neste Espaço Literário não constituem de modo algum reminiscências vividas pelo escritor, mas sim, memórias de um jovem extraordinário a quem me dediquei a narrar a biografia. Como veremos, os episódios reportados referem-se, quase na sua totalidade aos anos 70 e 80 do século passado, uma época em o sol punha-se tão cedo…

Caderno C
0

Carpentier e García Márquez

Araken Vaz Galvão* Encontrei na página(*) da professora emérita da UFRJ, Bella Jozef – autora de “História da literatura hispano-americana” – uma informação deveras incitante. Que o escritor Gabriel García Márquez (n. em 1928) –, mais tarde, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura – após ter lido “O Século das Luzes”, de Alejo Carpentier (1904-1980), teria rasgado várias páginas do livro que estava escrevendo. O livro era (seria) “Cem anos de solidão”. A professora Jozef…

Agenda
0

Os sete mandamentos do jornalismo investigativo

O professor e jornalista J. Carlos Assis lança, nesta quinta, 10/12/15, em Brasília, seu 22o. livro Os sete mandamentos do jornalismo investigativo,no restaurangte Faz Bem, SCLN 407, Bloco E, asa Norte. Trata-se de análise que, com base no pioneirismo do autor, que reavivou este tipo de jornalismo na economia lá pelos fins da ditadura de 1964, mas que hoje se reveste de um caráter sensacionalista e mesmo golpista, como são exemplos as últimas reportagens de nossas…

Sem categoria
0

Arturo Corcuera: 80 primaveras triunfantes

“Noé delirante é uma coleção sem par na poesia recente do Peru… Adverte-se um acento pessoal e uma agudeza pouco frequente na busca do símbolo. Assim como também que a linguagem compõe uma textura de muito sutis associações formais e semânticas, e inclusive de um elegante humorismo, tudo o que ilumina um universo poético original…”                                        …

Sem categoria
0

Um exame crítico de “Brasil: uma biografia”

Ricardo Carlos Gaspar* É sempre útil revisitar a história de um país, não somente pelo aspecto pedagógico que isso representa, mas acima de tudo quando novas ideias venham revigorar um debate sempre oportuno sobre as raízes e a trajetória de um povo. Esse exercício ajuda a esclarecer o presente e iluminar o futuro, fazendo-nos apreciar melhor possibilidades e limites da ação. Tais singelas reflexões vêm a propósito da leitura de um alentado projeto de interpretação…

Ditadura Nunca Mais
0

Daniela Arbex: “A gente não publica denúncia, a gente apura a denúncia”

O programa Espaço Público conversa com a jornalista e escritora, Daniela Arbex. Ela fala sobre o seu mais recente livro: “Cova 312”- sobre a longa jornada de uma repórter para descobrir a história real do guerrilheiro Milton Soares de Castro, derrubar uma farsa e mudar um capítulo da história do Brasil. No livro, a jornalista revela como as Forças Armadas mataram pela tortura um jovem militante político, forjaram seu suicídio e sumiram com seu corpo. Num trabalho…

Sem categoria
0

A pura verdade

Carolina Vásquez Araya* O denominador comum do discurso político é a falsidade. Assim pensam aqueles que desejam conquistar um espaço e acham que é impossível fazê-lo sem mentir, porque segundo eles ninguém dará um voto a quem destroce suas aspirações. Por isso: “em meu governo será dada prioridade às necessidades do povo”, “quando me elegerem presidente as coisas vão mudar neste país”, “não duvidem de minha palavra porque estou aqui para cumpri-la”. A falsidade vem…

Caderno C
0

14 anos sem Amado

Avô, mesmo que a gente morra, é melhor morrer de repetição na mão, brigando com o coronel, que morrer em cima da terra, debaixo de relho, sem reagir. Mesmo que seja pra morrer nós deve dividir essas terras, tomar elas para gente. Mesmo que seja um dia só que a gente tenha elas, paga a pena de morrer”. (Os Subterrâneos da Liberdade – Agonia da Noite) Jorge Amado morreu em Salvador/BA, aos 88 anos, vítima de parada cardiorrespiratória, no dia 06…

Caderno C
0

A lenda da Flor do Mburucuyá

Mburukujá em língua guarani, Passionária ou Mburucuyá em língua castelhana. Mburukujá era uma formosa donzela espanhola que havia chegado às terras dos Guaranis acompanhando seu pai, um capitão do exército da coroa. Mburukujá não era seu nome cristão, mas o carinhoso apelido que lhe havia dado um aborígene guarani a quem ela amava em segredo e com quem se encontrava escondido, pois seu pai jamais teria aprovado essa relação. Na verdade, seu pai já havia decidido…

Sem categoria
0

Escrever e falar como aldeã

Ilka Oliva Corado* Acontece que quando escrevo ou quando falo me dizem que o faço como aldeã e não como profissional (as pessoas têm um conceito equivocado do que é profissionalismo que nada tem a ver com títulos universitários). Quando falo, dizem que o faço como alguém do interior e exigem que fale como cidadã letrada da capital. Passo. Eu sou vendedora de mercado e minha essência é irrefutável. Falo de forma forte, direta, clara…

Sem categoria
0

Winston Orrillo, 50 anos de poesia

Em 1965 ganhou o II Concurso “O Poeta Jovem do Peru”. Milhares de versos depois, nos recebe em seu apartamento em La Calera, bem agasalhado. Este inverno chegou tão tarde que ninguém já o esperava. “Este é um frio aprista, traiçoeiro”, brinca. Acaba de publicar “Poemas desconcertados” e sabe que seus leitores ainda não nasceram. Sua gata, Benita, se afasta quando me vê entrar na casa. Winston Orrillo é provavelmente o único poeta que publicou…

Sem categoria
0

No Mês do Orgulho LGTB, nós os Queer

Ilka Oliva Corado* Muitas vezes me recomendaram não falar disso em público porque diminui o meu “prestígio” e fará com que muitos leitores se afastem. Eu me nego, porque o tema dos Direitos Humanos e Direitos Civis das pessoas com diferente identidade sexual deve ser exposto e a luta deve se realizar a plena luz do dia, da mesma forma que se desenvolvem as outras lutas pelas igualdades sociais. Há dois anos escrevi sobre o…

Sem categoria
0

Medo

Marli Gonçalves* A voz de pato, a cara borrada, cada vez mais medo, até para falar de assuntos banais agora há medo, presente, todo dia, toda hora. Qualquer lugar, raça, credo, condição social. Repare. Vivemos aterrorizados e não estou falando exatamente de fobias, dos medões, daqueles que só tratamento psicológico resolve. Trato do nosso dia a dia vivendo num país esquisito, de onde brotam vingadores, odiadores, e onde cruzamos no presente com gente sem passado…

Ilka Oliva Corado
0

Quando as putas são nossas

Ilka Oliva Corado* Eu me lembro claramente de um meio dia quando voltava para casa depois da escola quando estava no primário, e que me agarrei aos socos com uns moleques e cheguei em casa toda estropiada e com a barra do uniforme desfiada. Minha pobre mãe que me considerava a filha indomável me perguntou desanimada: e agora, com quem você brigou? Com uns moleques do colégio que me chamaram de filha da puta e…

Sem categoria
0

Rindo do quê?

Fernanda Pompeu* A morte se anuncia quando paramos de rir. Meu pai foi um sujeito de várias risadas. Ele tinha o humor da provocação. Quando tudo soava calmo ou careta demais, ele soltava uma frase ou fazia um gesto para bagunçar o coreto. Mesmo sem ter lido o poeta Torquato Neto (1944 -1972), papai fazia acontecer os versos: Vai bicho desafinar / o coro dos contentes. Só quando a doença se apossou é que seu…

Sem categoria
0

Arruma, rearruma e desarruma

Marli Gonçalves* Esta é a nossa vida. Fazemos isso o tempo inteiro, numa espécie de TOC que é comum a todos. Já notou? Pode ver aí que você também tem alguma coisa ou ocasião que tem esse faniquito. Tira dali, põe aqui. Troca. Por exemplo, nossas finanças – quer coisa que a gente mais arrume, desarrume e rearrume? Há também os momentos troca de estação, quando temos de virar o armário ao contrário ou quando…

Stella Calloni
0

Eduardo Galeano: os imorríveis

Os invisíveis perdem seu cronista. Stella Calloni* Dizem que Eduardo Galeano morreu hoje e parece impossível aceitar, porque se há um escritor vivente na América Latina é precisamente ele, que fez da palavra o maior jogo da imaginação para a vida. Quando um dia em Montevideu, ele me deu seu livro Las palavras andantes, editado –como todos em sua primeira pela editora El Chanchito, que ele criou em seu país-, senti e disse pra ele…

Sem categoria
0

Galeano, imortal

Beatriz Bissio* Quando recebi a notícia da morte de Eduardo Galeano, um ser humano e um escritor de extraordinário valor, senti que necessitava homenageá-lo, mesmo que fosse de forma singela, evocando as lembranças da sua forte presença em diferentes momentos da minha vida. Comecei a escrever quase sem pensar, pois rapidamente ia fluindo na minha memória uma avalanche de lembranças, deixando mais perceptível o sentimento de perda. A escrita, era a única ferramenta com a…

Mulheres peruanas: O outro lado da história

Edda O. Samudio A.*  A quinta e lúcida edição da obra Mujeres peruanas. El otro lado de la historia de Sara Beatriz Guardia (Quinta Edição,  Lima, CEMHAL, 2013) se enquadra nessa nova forma de trabalhar a história, a considerada nova história, que emerge na escola Los Annales, com um de seus mais destacados representantes: Fernando Braudel, nascidos nos albores do século passado. Este historiador francês, o mais credenciado nos cenários acadêmicos do século XX, distancia-se dessa história…

Sem categoria
0

Eduardo Galeano nosso, dos ninguém

Ilka Oliva Corado* Diante da má notícia com que amanhecemos e que nos dói tanto, escrevi estas palavras para despedir de Eduardo Galeano. Os intelectuais escreverão seus pergaminhos como bons letrados mas nós, os párias, os ninguém, o pranteamos na nossa realidade de explorados. É dessa situação escrevo. Sempre estive convencida de que os seres extraordinários se vão em dias aziagos, de céus encobertos chorando cântaros de chuva. Eduardo Galeano se foi em um dia…

Sem categoria
0

Galeano e o “Livro do Mar Roubado”

Galeano e sua última declaração pública: Deveria intitular-se “Livro do Mar Roubado” O escritor uruguaio e autor de ‘As Veias Abertas da América Latina’, Eduardo Galeano, que morreu na segunda-feira 13/4 aos 74 anos brindou, em sua última declaração pública, um forte apoio à causa marítima boliviana ao dizer, em sua casa em Montevidéu que o Livro do Mar com o qual a Bolívia defende seu direito soberano a uma costa deveria intitular-se “Livro do…

América Latina
1

Não queremos morrer de fome nem de tédio

Jorge Luna* O escritor e jornalista uruguaio Eduardo Galeano, ao conquistar o Prêmio ALBA 2012, em 30 de janeiro passado, exclamou que não gosta de expressar suas emoções, mas não pode deixar de confessar que pouco falta para que o convertam “em campeão olímpico de salto de altura”. Este prêmio me estimula muito, disse em declarações ao jornalista Jorge Luna, correspondente de Prensa Latina em Montevideo e colaborador de Diálogos do Sul, e acrescentou: “De…

Sem categoria
0

Telefone de Deus vai dar ocupado

Marli Gonçalves* Deus me livre de imaginar que o povo está todo apelando para Deus porque está é jogando a toalha de tal forma que vai parecer muito aquele filme do piloto que sumiu, por isso que é preciso apertar o cinto e tal, pensa só. Apertar o cinto já estão mandando. Não olha agora, mas repara: o piloto sumiu. Agora, mandar e creditar ao Senhor a correção de tantos rumos desajustados? Sei não se…

Mulheres
0

Stella Calloni, cronista de nosso tempo

Foi apresentado na Feira do Livro de La Habana, en La Cabaña, biografia da jornalista argentina com prólogo do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro. Alain Valdés Sierra* Para muitos Stella Calloni parece um desses seres raros pelos caminhos que decidiu traçar em sua vida. Campeã da verdade, em mais de uma ocasião colocou sua vida em perigo, mesmo quando sabía que da vida dela dependia a vida de outros. Porém, inclusive nessas circunstancias, decidiu…

Sem categoria
0

Ô Véi, vamos falar dos véios?

Marli Gonçalves* É véi para lá. Véi pra cá. Fala aí, véio! No pobre linguajar que se instala na nossa população o vocativo “Véi” virou uma daquelas pragas – de gíria e de muleta oral e verbal – que ninguém sabe onde começou nem quando vai acabar. O problema é que a rapaziada não sabe nem que o tal Véi/ véio que eles chamam significa velho: dito com uma certa preguiça, sarcasmo e ironia característica…

Comunicação
0

Imprensa: Método dos anos 30 para alienar

Biografia de Getúlio mostra como imprensa paulista inventava fatos para induzir povo a lutar pelos interesses dos cafeicultores. Sem marco regulatório país segue cada vez mais refém do baronato da informação. Amaro Augusto Dornelles* No meio de qualquer conversa ou discussão sobre política vira e mexe aparece alguém para dizer: “O brasileiro não conhece sua história”. A locução funciona como um código subliminar, capaz de inspirar uma avalanche de exemplos da futilidade e alienação do…

Sem categoria
0

Para cantar quando o Carnaval passar

Marli Gonçalves* Agora a gente não se guarda mais para quando o carnaval chegar. Guarda e estoca coisas para quando o carnaval passar. Como as coisas mudam, não? Antes, falávamos em encher os canecos, e estávamos nos referindo ao chopp e à cerveja. As marchinhas hoje ganharam novos sentidos e vamos precisar qu sejam entoadas por algum bloco na rua para que sejam ouvidas. Esse texto espera que você lembre as melodias para a gente…

Sem categoria
0

A corrupção e a bolsa de valores em Proust

Carlos Russo Junior* O pai de Proust entendia que ele, Marcel, poderia morrer na miséria, tanto por seus gastos sem controle, quanto pela fixação que possuía em jogos, como os da Bolsa de Valores. Por volta de 1912 Marcel Proust chegou a perder uma fortuna de quase 800 mil francos. “De algum modo, o jogo com as ações me atrai, como também atraía meu pai. De tal sorte que eu, todas as manhãs, perdão, assim…

Sem categoria
0

Os poetas não morrem

Manoel de Andrade* Neste mês de janeiro comemora-se na Nicarágua os 45 anos da morte do poeta e combatente sandinista Leonel Rugama, e no Peru, os 73 anos do nascimento do poeta e guerrilheiro Javier Heraud. Mortos respectivamente aos 20 e 21 anos, Heraud e Rugama são os exemplos mais precoces, na América Latina, de poetas que caíram em combate, dando a vida por um sonho. Leonel Rugama nasceu no Vale de Matapalos, em março…

Sem categoria
0

Jornalismo: profissão João Bobo

Marli Gonçalves* Bate no centro, pela direita, bate pela esquerda, soca, soca, soca; verga, mas não cai. Jornalista, com orgulho muito especial e carinho pela profissão que escolhi, embora tenha hora que um desânimo sem medida tome conta, vejo que viramos mesmo belo saco de pancadas, de um lado; culpados pelos problemas do mundo, de outro. Mal amados, malvistos. A chacina em Paris, contra o que é mais difícil de encontrar inclusive no jornalismo, o…

Sem categoria
0

Efraín Rúa dribla a morte

“Eram tempos de mudança e de rebelião. O Peru estava à beira da explosão, milhares de camponeses se levantavam para a recuperação de suas terras e os latifundiários calavam os protestos a sangue e fogo. O país tinha ungido a Belaunde graças a promessas como a realização da reforma agrária e a recuperação das jazidas de petróleo de La Brea e Pariñas, em mãos da International Petroleum Company (IPC). Mas o Congresso, dominado pela Coalizão…

Sem categoria
0

Teresa Ruiz Rosas: uma excelente romancista

Winston Orrillo* Talvez seja por ela ter vivido longo tempo no exterior, ou pela escassa difusão de sua obra – já que não pertence, até onde sei – à claque literária realmente ad usum, confesso minha crassa ignorância sobre a formidável tessitura criativa de Teresa Ruiz Rosas (Arequipa, 1956) narradora e tradutora literária, residente em Colônia, Alemanha, e com estâncias prolongadas em Budapeste, Barcelona e Friburgo de Brisgovia. Acostumada a participar de certames internacionais de…

Ecologia
0

O Encantamento do Humano

tt Catalão* Para quem só conhece Nancy Mangabeira Unger das lutas contra a ditadura (abaixo no cartaz do dops), ferida em combate, embarcando em troca de presos políticos etc…vale lembrar um trechinho sobre o sentido da ética em seu livro Ecologia e Espiritualidade de 1991: “Uma ética que nos permita resgatar o senso de cordialidade e de respeito para com a Terra e para com seus habitantes. A palavra “ética” vem também do grego ethos,…

Sem categoria
0

Walter Lingán: Em defesa da vida humana

Winston Orrillo* “Sakejat também disse que viverá rolando como uma pedra pelos caminhos, que como os deuses saberá estar em vários lugares ao mesmo tempo e sempre ao lado da justiça e da honradez e que seu fim será defender a vida opondo-se a todas as formas da morte. Tu mesmo serás manancial de vida”. Eu disse por aí: Koko Shijam, O livro andante do Marañón (La Travesía Editora, 2014), o novo romance de Walter Lingán…

Retrospectivas e umas perspectivas

Marli Gonçalves* Já começou. Nos próximos dias vai ser um tal de olhar para trás e lembrar tudo de ruim – coisa boa, pensa bem, foi pouca – que aconteceu nesse ano, que a gente vai ficar enjoado. Acho meio chato sofrer de novo, principalmente com as mortes. Também ando lendo muito sobre troféus Melhores de Alguma ou Qualquer Coisa 2014 e acabo surpreendida: como é que eu nunca tinha ouvido falar nessas pessoas tão…

Ditadura Nunca Mais
0

Livro traz depoimentos de perseguidos pelo Governo Paulista

Foi lançado em São Paulo, um livro que conta a história de perseguidos pelo governo paulista durante a ditadura militar (1964-1985). Ex-Presos Políticos: Memórias e Conquistas, de autoria do jornalista Claudio Blanc, reúne depoimentos de militantes que resistiram à repressão. A obra foi produzida a partir de documentos e relatos arquivados na Secretaria Estadual da Justiça e da Defesa da Cidadania, que serviam de base para os pedidos de reparação aos ex-presos. Desde a Lei…

Sem categoria
0

Venezuela sob a lupa: conjurados e proscritos

Na quarta-feira, 25 de novembro, na Casona de San Marcos, foi apresentado o livro da escritora Pilar Roca – Venezuela bajo la lupa: conjurados y proscritos. Desde o prólogo do Federico García, o livro mostra a manipulação dos meios de comunicação para formar uma opinião pública distorcida que corresponde aos interesses das elites econômicas nacionais e internacionais. Pilar parte do princípio de que o três por cento da população mundial possui 20 por cento das…

Sem categoria
0

Brasil 40 graus

Fernanda Pompeu* O livro 1964 na visão do ministro do Trabalho de João Goulart, escrito por Almino Affonso, se parece com o filme Titanic. Todos que foram ao cinema sabiam do naufrágio final. Assim como os leitores do livro sabem que o golpe de 1964 afundou, por mais de duas décadas, a democracia brasileira. Então qual a graça em ver um filme ou ler um livro, se conhecemos o fim? Pelo encanto do roteiro que…

Agenda
0

“Dialética Radical do Brasil Negro” de Clóvis Moura

Lançamento da segunda edição do livro “Dialética Radical do Brasil Negro” de Clóvis Moura Data: 25 de novembro (terça) – Horário: 19 horas Local: Funarte (Alameda Nothmann, 1058 – próximo ao metrô Santa Cecília). Expositores: Dennis de Oliveira (professor da USP e membro do NEINB),  Silvio Almeida (professor Mackenzie e pres. Instituto Luiz Gama), Gevanilda Gomes do Santos (doutora da PUC-SP e membro da Soweto), Márcio Farias (Nepafro). Coordenação e comentários: Augusto Buonicore (Fundação Maurício…

Ditadura Nunca Mais
0

1964 + 50

Fernanda Pompeu* Histórias de pessoas de carne e osso – e também de personagens de papel – que, a partir de 1964, viveram na roda viva da ditadura militar. Episódios quinzenais toda quinta-feira. Quando vi meu pai morto, faz um ano, pensei para me consolar: ele teve uma vida imensa. Conheceu o fracasso, mas também o sucesso. Tentou, errou, tentou novamente. Foi homem capaz de uma consistente história de amor de vida inteira com a…

Sem categoria
0

Corações partidos

Marli Gonçalves* Sempre achei superbonito aqueles casais que, para consagrar seus amores, mostram-se amarrados, carregam coisas complementares em pedaços e que, quando juntas, retomam a unidade, completando-se de forma romântica. Feitas de material nobre, as peças podem ser moedas, anéis, chaves,/cadeado, e o coração, este cortado em duas partes com ziguezague que se encaixam perfeitamente. Infelizmente, nesse nosso amor por uma sociedade justa e moderna agora estamos divididos e tão cedo ou dificilmente essas nossas…

Agenda
0

Lançamento da biografia de Raphael Martinelli

O Sábado Resistente de 8 de novembro homenageará a Raphael Martinelli com o lançamento de sua biografia Estações de Ferro – Raphael Martinelli, um militante muito ativo que tomou parte de grandes acontecimentos da história recente de nosso país. Filho de imigrantes italianos, Martinelli começou sua carreira de militância como líder sindical ferroviário, passando pelo CGT -Comando Geral dos Trabalhadores e pelo “Partidão” – Partido Comunista Brasileiro, antes de participar da fundação da ALN – Ação Libertadora Nacional. No livro,…

Agenda
0

Infância Roubada

Lançamento do Livro* A Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva” vai lançar no dia 5 de novembro de 2014 o livro “Infância Roubada: crianças atingidas pela Ditadura no Brasil”. Esta obra é resultado do ciclo de audiências “Verdade e Infância Roubada” realizadas em maio de 2013 e contém as histórias das mães e filhos de presos políticos, perseguidos e desaparecidos da ditadura. O lançamento acontecerá a partir das 19h na Biblioteca…

Sem categoria
0

Um olhar sobre a história dos Cinco Cubanos

Susana Gomes Bugallo* Impresso pela Editora Capitão San Luis, o livro Retrato de uma ausência dos jornalistas Oliver Nyliam Vázquez García Zamora Oria, visa alcançar aqueles que no mundo ainda não conhecem as impressionantes histórias de vida dos Cinco Cubanos. “Gerardo, Ramón, Antonio, Fernando e René são cinco homens bons e especiais que merecem ser conhecidos a partir de ângulos diferentes” . Esta é a opinião dos jornalistas Nyliam Vazquez Garcia e Oliver Zamora Oria que…

#NósSóQueremosJustiça
0

Estações de Ferro, a vida de Raphael Martinelli

Raphael Martinelli lutou pela anistia, pelas eleições diretas, e hoje dirige o Fórum de Ex Presos e Perseguidos Políticos de São Paulo onde comanda a luta pela punição dos torturadores e a justa reparação aos que lutaram pela democracia, direitos humanos e a liberdades democráticas. Paulo Cannabrava.*

Sem categoria
0

A arte mecanizada

Poema de Samuel da Costa*   Toda a poesia será castigada? Perguntou o poeta ao suicida! *** Oh cidade claustrofóbica! Por quê? Mil vezes por quê? Deixaste-me aqui sozinho, para morrer? *** Oh palavras disléxicas que se repetem! E se repetem, sem fim! Sem parar… Na minha mente *** Sonho mecanizado! Do mundo diluído nas telas das TV’s! Cidade cinzenta! Deserto árido! Um mundo em concreto armado! Habitados de mentes vazias… Vidas estéreis Vidas áridas…

Chile
0

A morte de Allende

Gabriel Garcia Marquez*  Na hora da batalha final, com o país a mercê das forças desencadeadas da subversão, Salvador Allende continuou aferrado à legalidade. A contradição mais dramática de sua vida foi ser, ao mesmo tempo, inimigo congênito da violência e revolucionário apaixonado, e ele acreditava tê-la resolvido com a hipótese de que as condições do Chile permitiam uma evolução pacífica para o socialismo dentro da legalidade burguesa. A experiência lhe ensinou demasiado tarde que…

Sem categoria
0

Cecilia Heraud: por fim a verdadeira efígie de Javier

Winston Orrillo* “Vou à guerra pela alegria, por minha pátria, pelo amor que lhe tenho, por tudo enfim”                              Carta de Javier Heraud para sua mãe (Nov.62. Havana, Cuba) “Entre os rios”. Javier Heraud (1942-1963) é um cabal exercício biográfico sobre o autor de “O rio”, iniciado por volta de 1983, com uma primeira versão publicada em 1989 por Mosca Azul e…

Sem categoria
0

Alberto Benavides: poesia, filosofía, arte de vida

                                    “Sé que estas palmeras/ no morirán:/ entre las palmas muertas/ al medio                                     He visto/ el fogonazo verde de la vida”                                                                                           A.B. Winston Orrillo* Con un título enigmático – Alto espionaje. Hatun Chapatiyay – aparece, en edición bilingüe, español quechua, en traducción de José Antonio Sulca Effio, un nuevo libro del poeta, filósofo, ensayista y casi anacoreta, Alberto Benavides Ganoza, en la ya reputada Biblioteca Abraham Valdelomar, que funciona en Huacachina. El volumen tiene sesenta…

Sem categoria
0

Winston Orrillo: O “O” do Oleiro

José Vadillo novas correções sobre W Orrillo* O que se pode falar de um homem que há meio século publica poemas? Que sentido tem ser poeta quando já ninguém parece ler? 1. Os livros estão libertos, fugiram das estantes. Andam por toda parte, como se em lugar de folhas tivessem asas. Como uma torre, sobre a mesa de centro, ou empilhados ao lado das paredes da sala, entre dezenas de souvenirs e bonecos de todo…