Jaime Leitão*

Jaime LeitãoO cineasta canadense Norman McLaren, um dos mais famosos criadores de filmes de animação do mundo, é autor do curta-metragem “Os vizinhos”, de 1952, considerado a sua obra-prima.

006Nesse filme, dois vizinhos vivem em perfeita harmonia entre si, sem cerca ou grade que os separe. Acontece que, em um determinado momento, uma flor nasce entre uma casa e outra, e aí começam as desavenças, que vão se agravando até partirem para a agressão física e no final se matarem. Está disponível no Youtube.

Esse conflito mortal entre vizinhos tem de alguma maneira relação com o conflito entre Israel e os palestinos. Há décadas vivem em estado de guerra, mas não podemos esquecer que há um grande número de palestinos morando e trabalhando em Israel e também israelenses vivendo na Cisjordânia. A maioria da população, tanto israelense quanto palestina, não quer conflito, guerra, mas os detentores do poder procuram eliminar o vizinho, em busca de mais terra e mais poder.

Israel, com mísseis de última geração, provoca um número de mortes assustador do lado palestino, vitimando centenas de civis, homens, mulheres e crianças, nas últimas semanas. O número de mortos já passou de mil e avança a cada dia. Do lado de Israel, morreram 51 pessoas, 48 militares e três civis. Trata-se de um massacre intolerável. A beligerância do governo de Israel não isenta de culpa o Hamas, que, com armamentos precários, insufla ainda mais a ira israelense. Nem um dos lados tem razão e precisam chegar a um acordo para evitar mais derramamento de sangue.

palestina1A insensatez de ambos é tão grande ou maior que os vizinhos do filme de McLaren. E a diferença fundamental é que o que acontece no Oriente Médio não é ficção, mas a mais cruel e terrível realidade.

O articulista Hélio Schwartsman escreveu ontem na “Folha”o artigo “Quando todos têm razão , no qual afirma: “O conflito entre israelenses e palestinos não se resolve porque cada parte valoriza muitos os aspectos em que tem razão, deixando de reconhecer que o inimigo também apresenta pontos válidos”. E continua: “Os palestinos têm todos os motivos do mundo para rejeitar a ocupação da Cisjordânia e combatê-la. Israelenses estão cobertos de razão ao afirmar que necessitam de fronteiras seguras e que é complicado ter como vizinho um regime cujo objetivo é destruir o Estado hebreu”.

Com extremismo não se chega a lugar nenhum, a não ser ao abismo da irracionalidade e da violência desmedida, com perdas humanas que poderiam ser evitadas se houvesse bom senso das duas partes envolvidas no quase eterno conflito. Enquanto o governo de Israel e o grupo Hamas continuarem se considerando donos da razão, as negociações não avançarão nenhum milímetro, o que é profundamente lamentável. Fingem que estão negociando, mas sem abrir mão das suas convicções bélicas.

* Jaime Leitão é cronista, poeta, autor teatral e professor de redação.
jaimeleitaoo@gmail.com

Veja o curta