Notas internacionais: Brasil sai da lista de melhores países para se investir

Eleição na África do Sul, caso Huawei no Canadá, Brasil fora da OCDE e tour de Ernesto Araújo pela Europa: destaques desta quarta, 8 de maio de 2019

Ana Prestes

Brasília (Brasil)

Eleição na África do Sul. A África do Sul terá dia eleitoral nesta quarta, 8 de maio. Hoje, o partido Congresso Nacional Africano (ANC) tem 62% das cadeiras no parlamento (249 de 400). A segunda força é a Aliança Democrática (AD) com 89 deputados e a segunda é o Lutadores da Liberdade Econômica (EFF), com 25. A tendência é de que a ANC continue com maioria no parlamento e designe o atual presidente Cyril Ramaphosa para continuar à frente do governo central. Na África do Sul os eleitores votam nos partidos e os partidos escolhem os representantes que ocuparão os cargos no parlamento. Na eleição de hoje, 48 partidos estão inscritos e o número de eleitores é de 26,75 milhões. As 9 províncias do país também passam por eleições hoje, no mesmo sistema.

Caso Huawei. Meng Wanzhou, executiva financeira da Huawei, será ouvida hoje (08/05) em Vancouver, no Canadá. Ela está em prisão domiciliar no Canadá desde dezembro de 2018 a pedido da justiça dos EUA. Os norte-americanos alegam que Meng mentiu para o sistema financeiro sobre a relação da Huawei com a subsidiária Skycom para acordos comerciais com o Irã, violando as sanções dos EUA ao país. Na verdade, a prisão de Meng é uma das faces aparentes de uma guerra em curso entre EUA e China, em que o desenvolvimento da tecnologia 5G pela Huawei tem sofrido represálias.

Brasil fora da lista. Brasil não está entre os 25 melhores países do mundo para se investir, segundo reportagem da FSP de ontem (07/05). O dado é de um levantamento feito anualmente pela consultoria A.T. Kearney desde 1998. A posição do Brasil no ranking em 2019 não foi divulgada. Entre 2010 e 2014, o Brasil esteve entre os cinco primeiros colocados. A queda começou em 2016. Os EUA ficaram em primeiro lugar pelo sétimo ano consecutivo e atrás vem Alemanha, Canadá, Reino Unido, França e Japão. A China veio em 7º, a Índia em 16º e o México em 25º. A Rússia também está fora do ranking.

Brasil fora da OCDE. Em reunião do Conselho de Representantes da OCDE de ontem (7) não foi tratada a adesão de novos membros, entre eles o Brasil. Na reunião entre Bolsonaro e Trump em março foi “combinado” que o Brasil abandonaria o TED (tratamento especial e diferenciado) na OMC e em troca os EUA apoiariam o Brasil no “processo com vistas a tornar-se membro pleno da OCDE”. A reunião do conselho é prévia à reunião ministerial que será nos dias 22 e 23 de maio em Paris.

La vita è bella. Ernesto Araújo está em missão na Itália. De lá ele segue para Hungria e Polônia. Recentemente Eduardo Bolsonaro também esteve na Hungria e Polônia, que hoje são governados por partidos xenófobos, anti-imigração e de extrema-direita. Segundo o porta-voz da presidência, Bolsonaro pretende ir aos três países no segundo semestre.

Acordo nuclear do Irã. Hoje, 8 de maio, faz um ano em que os EUA deixaram o acordo nuclear com o Irã e retomou as sanções ao país. Como resposta, no dia de hoje é aguardado pronunciamento iraniano no sentido de retomar parte de seu programa nuclear, reduzindo alguns de seus compromissos “menores e gerais” no acordo, segundo o presidente Hassan Rouhani. Ontem (08/05) informamos aqui nestas notas que os EUA posicionaram um porta-aviões e uma unidade de bombardeiros no Oriente Médio, em região próxima ao Irã.

Pompeo em Bagdá. Ainda sobre o Irã, ontem (07/05) o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, cancelou repentinamente uma visita à Alemanha, onde seria recebido pela chanceler Angela Merkel e as notícias são de que ele fez uma visita inesperada a Bagdá, no Iraque, para ter conversações sobre o Irã. Isso um dia após Trump ter dito que forças iranianas colocaram as tropas americanas no Iraque e na Síria em perigo. Segundo jornalistas que acompanharam a viagem, foram feitos comentários de que o Irã faria uma “escalada em sua atividade”.

Reino Unido e as eleições da UE. Mesmo a um passo do Brexit, o Reino Unido terá que participar das eleições para o Parlamento Europeu que ocorrerão no dia 23 de maio. O governo britânico tem esperança de fechar um acordo do Brexit até 2 de julho, data em que novos membros do Parlamento Europeu devem assumir seus cargos. Serão 751 os deputados e deputadas eleitas para o parlamento do bloco para os próximos 5 anos.

Eleição em Istambul. O Conselho Eleitoral da Turquia cancelou o resultado eleitoral das eleições realizadas em Istambul em 31 de março. Uma nova eleição será realizada em 23 de junho. Istambul é a maior cidade turca, com 15 milhões de habitantes, e, até as eleições, considerada reduto eleitoral do Presidente Recep Erdogan.

Entrevista do embaixador. O Embaixador de Cuba no Brasil, Rolando Gomez, ofereceu ontem uma entrevista coletiva na Embaixada em Brasília. Estiveram veículos como Valor, FSP, Estadão, Correio e Globo. Os temas centrais foram os efeitos da ativação do título 3 da lei Helms-Burton e a crise na Venezuela. Entre outras coisas, o embaixador revelou uma proximidade entre o governo cubano e o canadense nos últimos dias, sendo que o primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, visitou Díaz-Canel em Havana. A proximidade pode ser uma das explicações à mudança de tom do Grupo de Lima com relação a Cuba na última reunião da sexta, 3 de maio em Lima.

Ajuda brasileira em Moçambique. A primeira equipe humanitária brasileira de assistência às vítimas dos ciclones Idai e Kenneth em Moçambique retornou ontem (07/05) ao Brasil. Outra equipe seguiu para Moçambique e deve ficar até o dia 7 de junho no devastado país africano.

Acordo Mercosul e Coreia do Sul. A Coreia do Sul e o Mercosul caminham para fechar um acordo comercial até 2020, segundo o embaixador da Coreia (Sul) no Brasil, Kim Chan-woo. Brasil e Coreia do Sul celebram esta semana 60 anos de relação diplomática com eventos na Câmara dos Deputados em Brasília.

Corte no orçamento do Meio Ambiente. Repercutiu internacionalmente o corte de 95% do orçamento do Ministério do Meio Ambiente do Brasil para executar políticas de luta contra as mudanças climáticas.

Início do Ramadã. Começou esta semana, em 6 de março, o Ramadã, mês sagrado dos muçulmanos. Durante este mês se faz jejum do amanhecer até o pôr do sol. Ao fim do dia há orações e partilha de alimentos.

Comentários