Coronavírus vai causar crise mais séria da história econômica do capitalismo, diz professor da UFF

Para André Nassif, mesmo que o governo brasileiro implemente um pacote robusto de resposta à crise, 2020 já pode ser considerado um ano perdido do ponto de vista econômico

Redação

Sputnik Sputnik

Rio de Janeiro (Brasil)

O Boletim Focus desta segunda-feira dá a mais recente percepção da economia brasileira. Um estudo da FGV estima que o PIB brasileiro pode cair até 4,4% em 2020. Diversos bancos também já preveem contração do PIB no Brasil neste ano.

O professor da Faculdade de Economia da UFF (Universidade Federal Fluminense) André Nassif, em entrevista à Sputnik Brasil, disse que, mesmo que o governo brasileiro implemente um pacote robusto de resposta à crise, 2020 já pode ser considerado um ano perdido do ponto de vista econômico.

"2020 vai ser um ano mais que perdido. Eu não sei em que planeta vivem o mercado financeiro e o Banco Central do Brasil ao rever as previsões, ainda sim estimulando um crescimento da ordem de 1,48% em 2020. Isso só seria possível se o governo brasileiro [...] conseguisse ter uma resposta à crise sanitária mais eficiente do que países como China, Alemanha e França, que aparentemente parecem dar respostas mais rápidas a tempo de conseguirem reverter os impactos econômicos e sociais devastadores dessa crise", argumentou.

Pixabay
Crise econômica causada por coronavírus será sem precedentes, diz especialista

De acordo com o economista, a pandemia do coronavírus vai causar a "crise econômica e social mais séria, e talvez sem precedentes, da história econômica do capitalismo".

"Ou seja, porque eu estimo otimisticamente que a gente vai ter uma queda de 3,9% no mínimo do PIB, portanto uma variação negativa de algo próximo a 4% na melhor das hipóteses, mas é muito provável que essa contração seja ainda maior", disse.

"Vai ser necessária uma quarentena de cerca de três meses no Brasil, e mais cedo ou mais tarde, seguindo o que todos os países que optaram pela forma de mitigação da epidemia, as empresas vão ter que paralisar, a maioria do aparato produtivo vai ter que paralisar a produção. Então vai ser uma contração e paralisação brutais de demanda agregada. Então não há como escapar de uma catástrofe", completou o professor de economia da UFF.

Comentários