Italiana de 86 anos é curada do novo coronavírus na Lombardia

Segundo prefeito da comuna de Casalpusterlengo, Elia Delmiglio, "entre tantas histórias de dor e sofrimento", a cura de Gianna "nos dá muita esperança"

Uma idosa de 86 anos, chamada Gianna, conseguiu ser curada do novo coronavírus (Sars-CoV-2) após sete semanas internada, informou nesta quarta-feira (25/03) o prefeito da comuna de Casalpusterlengo, Elia Delmiglio. A pequena cidade de cerca de 13 mil habitantes fica na província de Lodi, na região da Lombardia, a mais afetada pela pandemia na Itália.

"Hoje quero contar a história de Gianna, nossa concidadã de 86 anos que derrotou o coronavírus, contraído durante uma internação hospitalar. Depois de sete longas semanas, nos hospitais de Casale e de Codogno, ontem Gianna pode "abraçar novamente" (infelizmente não fisicamente) a sua família", escreveu o prefeito.

Delmiglio aproveitou a história para agradecer aos "operadores sanitários que trabalham nas nossas estruturas e, com grande dedicação, amor e competência, dedicam-se aos que sofrem".


Siga EM TEMPO REAL e com gráficos didáticos o avanço do novo coronavírus no mundo 



Gianna, de 86 anos, está curada do novo coronavírus (Foto: Reprodução)Segundo o líder da cidade, "entre tantas histórias de dor e sofrimento", a cura da idosa "nos dá muita esperança".

"Força Gianna e força a todos aqueles que estão lutando", escreveu em seu Facebook, postando um vídeo do momento em que Gianna se reencontra com os familiares.

Os idosos acima de 60 anos são as maiores vítimas do novo vírus em todo o mundo, mas histórias de recuperação começam a aparecer mesmo entre eles. Há cerca de uma semana, um homem de 97 anos foi curado da Covid-19, também na região da Lombardia, mas na cidade de Asola.

Na semana passada, outra idosa, de 95 anos, também  se recuperou da covid-19. Alma Clara Corsini, de 95 anos, foi a primeira paciente curada na província de Modena, no norte do país 

Corsini chegou ao hospital no dia 5 de março e, desde então, estava internada e, segundo a Gazzetta di Modena, se tornou o “orgulho da equipe” médica, que tirou uma foto com a nonna.

“Sim, sim, estou bem. Eles [os médicos] eram pessoas boas que cuidavam bem de mim e, agora, vão me mandar para casa daqui a pouco”, disse à Gazzetta.

Na Itália, já são quase 70 mil infectados pela nova doença e mais de 6,8 mil pessoas já morreram. No entanto, segundo um alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS), o país deve atingir o pico da pandemia nesta semana.

(*) Com Ansa

Comentários