Venezuela, Cuba, Irã e outros 5 países pedem fim das sanções para combater coronavírus

Em carta conjunta ao secretário-geral da ONU, representações diplomáticas destacaram a dificuldade de países sancionados em enfrentar a pandemia do covid-19

Os governos da Venezuela, China, Coreia do Norte, Cuba, Irã, Síria e Nicarágua enviaram nesta quarta-feira (25/03) uma carta conjunta ao secretário-geral da ONU, Antonio Gueterres, pedindo o fim das sanções contra esses países para auxiliar no combate à pandemia do novo coronavírus.

"Pedimos respeitosamente que solicite o levantamento completo e imediato dessas medidas [sanções] ilegais, coercitivas e arbitrárias de pressão econômica, [...] para garantir a resposta plena, eficaz e eficiente de todos os membros da comunidade internacional ao covid-19", diz o documento.

Enviada com cópia para o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, e para a alta comissária para os Direitos Humano, Michelle Bachelet, a carta ainda destaca o "impacto destrutivo" das sanções, afirmando que tais medidas "dificultam a capacidade dos governos nacionais para, entre outras coisas, ter um acesso regular ao sistema financeiro internacional".


Siga EM TEMPO REAL e com gráficos didáticos o avanço do novo coronavírus no mundo


"Temos que reconhecer que se trata de um ato difícil, se não impossível, para os países que atualmente enfrentam as aplicações de medidas coercitivas unilaterais, que são ilegais e violam flagrantemente o direito internacional e a Carta das Nações Unidas", aponta a carta.

Meghdad Madadi/ Tasnim
Agentes desinfectam locais públicos no Irã

Na mensagem, os representantes afirmaram que o momento é de "solidariedade global" e não de "fomentar o caos". Os signatários declararam que, além de solidariedade, é necessário uma "cooperação e prudência, para unir forças nos níveis nacional, regional e internacional, sem qualquer tipo de discriminação".

"As sanções também têm um efeito negativo direto, entre outros, sobre os direitos humanos, à vida e à alimentação das populações submetidas à elas", diz a nota.

Os países que assinam a carta sublinharam a necessidade dos governos em "fortalecer" as suas economias, para que consigam proporcionar, aos setores públicos e privados, a "capacidade para apoiar e financiar os planos e estratégias necessários para garantir a contenção da propagação do covid-19".

Comentários