Vaticano agradece equipamentos de proteção doados pela China

Materiais foram enviados por meio da Sociedade da Cruz Vermelha da China e de uma fundação beneficente, a Hebei Jinde Charities, ligada ao catolicismo local

O porta-voz da Santa Sé, Matteo Bruni, agradeceu nesta quinta-feira (09/04) o envio de materiais sanitários e de proteção por organizações e entidades chinesas ao Vaticano para ajudar no combate ao novo coronavírus.

"Chegaram à Farmácia Vaticana doações de equipamentos sanitários, que são expressão da solidariedade do povo chinês e das comunidades católicas com aqueles que estão empenhados no socorro às pessoas atingidas pela covid-19 e na prevenção da epidemia", disse Bruni.

Os equipamentos foram enviados por meio da Sociedade da Cruz Vermelha da China e de uma fundação beneficente, a Hebei Jinde Charities, ligada ao catolicismo local.


Siga EM TEMPO REAL e com gráficos didáticos o avanço do novo coronavírus no mundo


Segundo a agência de notícias do Vaticano, Fides, foi enviada ao Escritório Pastoral do Vicariato de Roma cerca de 10 mil máscaras N95, mais de 500 mil máscaras descartáveis, 27 mil luvas cirúrgicas, oito mil macacões e seis mil óculos de proteção. 

UME
Doações foram enviadas por entidades da China ao Vaticano

Segundo o porta-voz, a Santa Sé "aprecia o gesto generoso" e "exprime seu reconhecimento". Até o momento, o Vaticano contabiliza oito casos do novo coronavírus

Os dois países romperam relações diplomáticas em 1951, quando a Santa Sé reconheceu a independência de Taiwan.Durante décadas, os cerca de 12 milhões de católicos chineses viveram divididos entre uma conferência de bispos escolhida pelo Partido Comunista e um braço da Igreja Apostólica Romana que atuava na clandestinidade.

Em 2018, no entanto, os dois lados assinaram um acordo para permitir que o Vaticano voltasse a ter papel ativo na nomeação de bispos na China, que até então eram escolhidos à revelia do Papa. Apesar disso, padres e bispos no país ainda são obrigados a se alinhar com a igreja oficial.

(*) Com Ansa.

Comentários