Confederação indígena confirma novas mortes após repressão em protestos contra presidente do Equador

Organização não forneceu número exato, mas afirmou que o nome de todas as vítimas será divulgado nos próximos dias

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) confirmou na madrugada desta sexta (10/10) a morte de vários manifestantes por conta da repressão aos protestos contra o presidente do país, Lenín Moreno.

A organização não disse um número exato, mas afirmou que o nome de todas as vítimas será divulgado nos próximos dias. A Conaie é o maior grupo indígena do país e um dos líderes do movimento contra Moreno.

A confederação prometeu levar o caso a órgãos de direitos humanos para a apuração dos fatos.

Diversos movimentos sociais se mantêm há uma semana nas ruas e dizem que não sairão delas enquanto Moreno não voltar atrás no fim dos subsídios aos combustíveis e na liberação de preços do diesel e da gasolina.

Conaie
Confederação confirmou mais mortos durante protestos no Equador

Estima-se que pelo menos 20.000 indígenas tenham chegado desde a última terça-feira (08/10) a Quito para participar das manifestações contra o presidente Moreno. Os movimentos sociais convocaram uma greve geral, iniciada na quarta (09/10). 

Na capital e em outras cidades do interior, os transportes públicos funcionam com intermitência e algumas lojas permanecem fechadas.

(*) Com teleSUR

Comentários