Depois de trilogia sobre ditadura Pinochet, diretor chileno discute 'pecados' da Igreja Católica

'O Clube', de Pablo Larraín, trata de temas espinhosos para a instituição, como a pedofilia e o apoio de membros do clero a ações do período ditatorial chileno

Adriano Garrett

0

Todos os posts do autor

Na trilogia que o diretor chileno Pablo Larraín realizou sobre a ditadura chilena, que inclui os filmes Tony Manero, Post Mortem e No, um dos fatores comuns é o tratamento de temas amplos através dos olhares de personagens longe dos holofotes da história oficial: um aspirante a dançarino, um funcionário de um necrotério e um publicitário, respectivamente. Em O Clube, trabalho mais recente de Larraín, que entrou em cartaz na última quinta-feira (1º/10) nos cinemas brasileiros, tal característica também está presente, mas agora o período ditatorial dá lugar a uma democracia ainda longe de conseguir expor todos os podres do passado.

Divulgação

Em "O Clube", Larraín toca em temas delicados para a Igreja Católica, como pedofilia e apoio à ditadura

O elemento central dessa dissecação é a Igreja Católica. O diretor precisa de poucos minutos de filme para nos apresentar a um grupo formado por quatro homens e uma mulher. Eles bebem, apostam em corridas de cachorros e dividem uma casa à beira-mar. A rotina tranquila daquelas pessoas, que só depois descobrimos serem ligadas ao sacerdócio, é interrompida quando um novo integrante chega para se hospedar no local. Após um incidente trágico, um homem que representa o alto escalão católico é chamado para investigar o ocorrido.

É aí que fica claro que o tal “clube” é uma casa de penitência que abriga ex-padres e uma ex-freira punidos pela Igreja Católica. Entre as acusações que motivaram os afastamentos, estão o roubo de recém-nascidos, o acobertamento de crimes cometidos durante a ditadura de Augusto Pinochet e a pedofilia, que se tornou, nas últimas décadas, a grande mácula da instituição religiosa.

Uma passagem logo no início do filme é muito representativa sobre como será o tratamento dado pelo diretor a esses personagens. Flagrado a certa distância e de costas para a câmera, um padre reza efusivamente, e o movimento de sobe e desce que realiza com o pescoço faz lembrar a prática do sexo oral. Já no plano seguinte, a câmera se aproxima e mostra o personagem de frente, dando mais ênfase à sua oração.

Este misto entre uma observação objetiva dos fatos e uma aproximação subjetiva das motivações daquelas pessoas é uma tônica no filme. Como mostra nos planos citados, Larraín entende que a devoção religiosa e os desejos mais reprováveis não podem ser tratados separadamente, pois são partes formadoras de uma mesma pessoa. Assim, ele torna os personagens mais humanos e complexos, com noções distintas de moralidade.

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Cartaz do filme 'O Clube', de Pablo Larraín (Reprodução)Isso se verifica, por exemplo, na cena em que o padre Vidal (Alfredo Castro, presença constante nos filmes do diretor) defende que a sua capacidade de reprimir os impulsos pedófilos deveria ser valorizada, e não punida. Ou quando o padre Ortega (Alejandro Goic) não se censura ao dizer que os bebês retirados à força de seus pais biológicos teriam uma vida melhor nas novas famílias.

A zona cinzenta que abarca o passado desses personagens é representada pelo diretor através do uso de sombras nas cenas internas e, em particular, pelo desfoque utilizado em alguns dos interrogatórios a que os padres são submetidos.

Isso não significa que outros personagens sejam tratados de uma forma plana. Naquela que talvez seja a melhor cena do filme, um homem que foi abusado por um padre na infância apresenta um misto de raiva e afeto ao relembrar os atos bárbaros de que foi vítima.

De modo parecido, o funcionário da Igreja Católica que chega para investigar os padres está longe de ser um poço de bondade. Típico tecnocrata, ele defende a imagem da instituição e também demonstra a intenção de poupar o dinheiro investido mensalmente naquele e em outros locais do mesmo tipo espalhados pelo Chile.

Em seu filme mais tenso, Larraín é hábil em apresentar essas nuances e conduzir a trama rumo a um final inesperado, no qual a redenção possível é, paradoxalmente, nada redentora para qualquer um dos personagens.

Serviço - “O Clube” - São Paulo:
Reserva Cultural - avenida Paulista, 900
Sessões a partir das 13:45
Espaço Itaú Augusta - rua Augusta, 1470
Sessões a partir das 14h
Espaço Itaú Frei Caneca – rua Frei Caneca, 569
Sessões a partir das 14h

(*) Adriano Garrett é editor do site Cine Festivais

Comentários