Aula Pública Opera Mundi: por que há tão poucas artistas mulheres?

Professora Carla Cristina Garcia, da PUC-SP, discute os processos históricos que fizeram os homens ocuparem a maioria dos espaços artísticos

Redação

0

Todos os posts do autor

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Carla Cristina Garcia discute por que as mulheres não enfrentam condições de desigualdade nas artes


Uma série de fatores sócio-históricos condiciona muitas pessoas a entrarem em museus, por exemplo, e imaginar que ali não estão expostas obras de mulheres — assim como indígenas, negros e outros grupos. Tendemos a pensar que, na verdade, estão presentes apenas obras de homens brancos. Mais do que a quantidade de quadros pendurados numa exposição, devemos estudar o percurso histórico que limita o acesso aos meios de produção e sufoca os espaços de expressão das mulheres. Dessa forma, poderemos compreender por que os homens ocupam a maioria dos espaços artísticos.



Esta é a análise de Carla Cristina Garcia, doutora em ciências sociais e professora da PUC-SP, ao responder à pergunta "Por Que Há Tão Poucas Artistas Mulheres?", na Aula Pública Opera Mundi. Para a especialista, é fundamental fortalecer o reconhecimento da produção cultural das mulheres e, também, garantir acesso aos meios materiais — como editais, verbas e contratos — , capazes de redistribuir as produções artísticas.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Carla Cristina Garcia: por que há tão poucas artistas mulheres?

No segundo bloco Carla Cristina Garcia responde perguntas do público na PUC-SP.


De maneira geral, explica, homens têm mais acesso aos meios de produção, editais, bolsas de estudos etc para produzir cinema, artes plásticas, música e assim por diante. "As mulheres, em síntese, têm uma condição material que impossibilita" a posição de igualdade em relação à produção artística.  

"Mais do que quantidade, precisamos de uma cultura simbólica de qualidade, que faça, em certa altura do campeonato, que nossas netas e bisnetas possam entrar em um museu sem achar que só tem quadro de homem nesses espaços. Ou seja, citando a filósofa norte-americana Nancy Fraser, precisamos de redistribuição e reconhecimento da arte", explica.

 

Comentários

Leia Também