Divulgação

Morre aos 77 anos o ator Bruno Ganz

Um dos maiores atores de língua alemã da história, suíço teve carreira brilhante no teatro e desempenhou papéis memoráveis no cinema, como Adolf Hitler no aclamado "A queda"

Redação

Deutsche Welle Deutsche Welle
Divulgação
Ganz, em "A Queda", no papel de Hitler

Morreu neste sábado (16/02), aos 77 anos, o suíço Bruno Ganz, considerado um dos maiores atores de língua alemã da história. O artista lutava há anos contra um câncer.

Nascido em 1941, Ganz dedicou décadas de sua carreira ao teatro e passou a ser mais conhecido do grande público através do cinema, a partir dos anos 1970.

Um dos seus papéis mais famosos foi o de Adolf Hitler no filme A queda (2004), que mostra os últimos dias do ditador nazista em seu bunker em Berlim. Aclamado pela crítica, o longa foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Ganz era um dos atores favoritos do cineasta Wim Wenders, que o dirigiu em filmes como O amigo americano (1977), Asas do desejo (1987) e Tão longe, tão perto (1993). 

O ator também desempenhou papéis importantes em filmes de língua inglesa, como Sob o domínio do mal (2004), O leitor (2008) e Os meninos do Brasil (1978). Uma de suas atuações mais marcantes foi em A eternidade e um dia, do diretor grego Theo Angelopoulos. O filme levou a Palma de Ouro em Cannes em 1998.

Recentemente, no teatro, Bruno Ganz interpretou Fausto, de Goethe, na adaptação de Peter Stein. No ano passado, ele chegou a aceitar um papel numa encenação da ópera A flauta mágica, de Mozart, mas, com a saúde debilitada, teve que deixar o projeto.

Um de seus últimos papéis foi o de Sigmund Freud, em 2018, no filme Der Trafikant.

"Com ele, perdemos não apenas um artista grandioso, que até o final trabalhou de forma intensiva e alegre em seus projetos, mas também um ser humano e amigo maravilho", escreveu sua agente, Patricia Baumbauer. Segundo ela, o ator morreu em Zurique, cercado de familiares.

Comentários