Justiça norte-americana suspende banimento do livro de Paulo Freire no Arizona

Medida foi considerada um ataque aos direitos constitucionais dos estudantes do estado

Redação

A justiça norte-americana considerou nesta terça (22/08) que medida de banir sete livros de escolas públicas do Arizona fere os direitos constitucionais dos estudantes do estado.

A medida foi tomada pelos então secretários de governo John Huppenthal e Tom Horne em 2010. Entre os livros banidos estava o livro “Pedagogia do oprimido” do educador brasileiro Paulo Freire.

Segundo a decisão judicial, o Arizona, ao banir o livros das escolas, violaria os direitos constitucionais dos estudantes “por que promulgação quanto a execução [da medida] foram motivadas por questões raciais”, afirmou o juiz A. Wallace Tashima.

Reprodução

Segundo a justiça norte-americana a decisão de banir o livro de Paulo Freire foi tomada para obter ganhos políticos

“Evidências adicionais mostram que os réus estavam perseguindo fins discriminatórios para obter ganhos políticos. Horne e Huppenthal repetidamente apontaram seus esforços contra o programa em suas respectivas campanhas políticas de 2011, inclusive em discursos e propagandas de rádio. A questão foi uma benção política para os candidatos”, escreveu o juiz na senteça.

Comentários