No 'Dia da Hispanidade', Espanha é palco de manifestações contra independência catalã

Unidade do Estado espanhol foi principal mote de protestos em Madrid e Barcelona; na Catalunha ato terminou em confronto

Redação

0

Todos os posts do autor

Milhares de pessoas se manifestaram nesta quinta-feira (12/10) em Barcelona defendendo a unidade do Estado espanhol e rejeitando o processo de independência catalão.

A manifestação ocorreu no Dia da Hispanidade que comemora a chegada de Cristóvão Colombo nas Américas em 1492. Em Madri, defensores da unidade espanhola hastearam bandeiras espanholas nas janelas e varandas.

A passeata, convocada pela organização Sociedade Civil Catalã e outras dez entidades e percorreu o Paseo de Gràcia, uma das principais avenidas da cidade.

Os manifestantes portavam bandeiras espanholas e catalãs, e muitos deles vestiram camisetas vermelhas com a lema "respeito" escrito na frente e "Somos espanhóis. Trabalhamos, sofremos e lutamos", atrás.

 


Durante o ato, ao qual se uniram representantes de diferentes partidos e organizações políticas, foram ouvidas palavras de ordem como "Não nos enganem, a Catalunha é a Espanha", "Puigdemont na prisão", "Espanha é uma e não 51".

A manifestação em Barcelona acabou em conflito entre os defensores da independência da região autônoma e aqueles que defendem a permanência da região junto ao Estado espanhol. Segundo a polícia catalã, foram identificados grupos da ultradireita e torcidas organizadas dentro do protesto pela unidade espanhola e isso teria iniciado o confronto.

Agência Efe

Diversos grupos se somaram as manifestações pró-unidade do Estado espanhol do "Dia da Hispanidade"

O presidente catalão Carles Puigdemont, segundo o jornal The Guardian, acusou o governo espanhol de ignorar seus apelos à negociação. Segundo Puigdemont, Mariano Rajoy ignorou pedido de diálogo depois que advertiu o governo da região autônoma na quarta-feira (11/10) para abandonar seu impulso pela independência ou enfrentar a suspensão da autonomia regional.

*Com informações da EFE.

Comentários