Bolsonaro visita Muro das Lamentações ao lado de Netanyahu

Brasileiro é primeiro chefe de Estado a fazer visita ao lado de um premiê israelense; local sagrado fica em Jerusalém Oriental, que é ocupada por Israel e disputada com os palestinos

Redação

Bonn (Alemanha)

Deutsche Welle Deutsche Welle

O presidente Jair Bolsonaro visitou o Muro das Lamentações ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, nesta segunda-feira (01/04), tornando-se assim o primeiro chefe de Estado a fazer a visita ao lado de um premiê israelense. Os dois líderes se aproximaram do Muro e o tocaram durante a curta visita.

O local é um dos mais sagrados do judaísmo e está localizado em Jerusalém Oriental, que foi ocupada por Israel na Guerra dos Seis Dias e depois anexada, o que não foi reconhecido pela comunidade internacional. Uma visita ao lado do premiê de Israel pode ser interpretada como aprovação tácita da anexação.

Antes, Bolsonaro visitou a Igreja do Santo Sepulcro, na Cidade Velha de Jerusalém. Muitos cristãos acreditam que esse é o local onde Jesus foi crucificado e ressuscitou.

Em 21 de março, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, havia feito o mesmo, tornando-se o primeiro representante do alto escalão do governo americano a visitar o local ao lado do premiê de Israel. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi o primeiro presidente americano a visitar o Muro das Lamentações, mas ele não estava acompanhado de autoridades israelenses.

No domingo, Bolsonaro anunciou que vai abrir um escritório de representação comercial do Brasil em Jerusalém. Essa iniciativa tem menos peso que a transferência de uma embaixada, como anunciado anteriormente, mas também tem valor político para o governo israelense, que tenta legitimar internacionalmente a ocupação de toda a cidade e sua escolha como capital de Israel.

Em resposta, a Autoridade Palestina convocou seu embaixador no Brasil para consultas após a decisão do governo brasileiro de abrir uma representação comercial em Jerusalém. O Ministério das Relações Exteriores da Autoridade Palestina afirmou que adotou a medida "a fim de tomar as decisões apropriadas para enfrentar tal situação", que condenou "nos termos mais fortes".

O ministério considerou a decisão uma "flagrante violação da legitimidade internacional e suas resoluções; uma agressão direta ao nosso povo e a seus direitos e uma resposta afirmativa para a pressão israelense-americana que visa reforçar a ocupação e a construção de assentamentos na área ocupada em Jerusalém".

A visita de Bolsonaro ocorre num momento difícil para o premiê israelense, Benjamin Netanyahu. Em poucos dias, o país vai passar por eleições legislativas. Netanyahu vem fazendo esforços para se projetar para os eleitores como uma liderança mundial, o que faz com que parte da imprensa israelense encare a visita de Bolsonaro como um ato de campanha.

No início da semana, o premiê fez uma visita relâmpago aos EUA e foi recebido pelo presidente Donald Trump. Os encontros têm sido usados por Netanyahu para apresentar uma agenda positiva enquanto cresce a expectativa de que ele seja alvo de uma denúncia criminal por suspeita de corrupção.

Pedro Moreira/Revista Fórum
Brasileiro é primeiro chefe de Estado a fazer visita ao lado de um premiê israelense

Comentários