ONU alerta para 'maior fome' das últimas décadas no Iêmen

Situação que já era grave piora após bloqueio a portos e aeroportos imposto por coalizão internacional que combate rebeldes. Cerca de 7 milhões estão à beira da fome no país, que ainda enfrenta surto de cólera

Deutsche Welle

Deutsche Welle Deutsche WelleTodos os posts do autor

O Iêmen, país assolado pela guerra civil, enfrentará a "maior [crise de] fome que o mundo viu nas últimas décadas, com milhões de vítimas", alertou a ONU.


O envio de ajuda humanitária ao país árabe foi interrompido no início da semana após um bloqueio aos portos, aeroportos e estradas imposto pela coalizão de países sunitas liderada pela Arábia Saudita, que combate a insurgência dos rebeldes houthis no país desde março de 2015.

Em reunião do Conselho de Segurança da ONU nesta quarta-feira (08/11), o o secretário-geral adjunto para assuntos humanitários da entidade, Mark Lowcock, exigiu o "acesso imediato" a todos os portos marítimos e aeroportos para que o país possa receber combustíveis, alimentos e outros recursos essenciais, além de garantias por parte da coalizão de que não haverá novos bloqueios.

A coalizão decidiu bloquear as fronteiras do país após um míssil lançado pelos houthis ser interceptado próximo ao aeroporto de Riad. A ONU, que já havia apontado que o Iêmen enfrenta a maior crise humanitária em todo o mundo, criticou a decisão, alertando para a situação catastrófica no país.

picture-alliance/AP Photo/H. Mohammed

Criança aguarda tratamento em hospital de terapia alimentar em Saana, no Iêmen

A Suécia, que convocou a reunião do Conselho de Segurança para tratar da situação no Iêmen, advertiu que 21 milhões de pessoas necessitam de ajuda, entre as quais, sete milhões que estão à beira da fome.

Além do problema da fome, o país também atravessa um surto de cólera que já deixou mais de 2 mil mortos. A Cruz Vermelha informou que um carregamento de medicamentos para combater a doença teve sua entrada bloqueada na fronteira norte do Iêmen na última terça-feira. A organização humanitária Médicos sem Fronteiras (MSF) relatou que a coalizão negou o acesso de aviões que levariam ajuda ao país nos últimos dias.

Os membros do Conselho de Segurança da ONU expressaram preocupação com a gravidade das condições humanitárias no Iêmen e reforçaram a "importância de manter os portos e aeroportos em funcionamento", segundo afirmou o embaixador da Itália na ONU, Sebastiano Cardi, país que exerce a presidência rotativa do Conselho.

Segundo Cardi, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, conversou por telefone com o ministro saudita do Exterior, Adel al-Jubeir, que teria dado "indicações de que [os países da coalizão] estariam avaliando a reabertura dos pontos de entrada no Iêmen".

RC/lusa /afp

Comentários