Assembleia Geral da ONU confirma Michelle Bachelet como nova alta comissária de direitos humanos

'Cumprirei com toda minha força, energia e convicção essa grande tarefa, que busca dar dignidade e bem-estar a todas as pessoas', disse a ex-presidente chilena

Redação

0

Todos os posts do autor

A Assembleia Geral confirmou nesta sexta-feira (10/08) a indicação do nome da ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, para ocupar o posto de alta comissária para Direitos Humanos das Nações Unidas. Ela vai substituir o jordaniano Zeid Ra’ad Al Hussein a partir de 1º de setembro.

Bachelet disse se sentir “honrada” com o convite do secretário-geral, António Guterres, para ocupar o cargo. "Cumprirei com toda minha força, energia e convicção essa grande tarefa, que busca dar dignidade e bem-estar a todas as pessoas", afirmou, em vídeo divulgado pelo Twitter.

Esta é a segunda vez que a ex-presidente chilena trabalhará na ONU. Ela foi a primeira diretora-executiva da entidade ONU Mulheres, que promove a igualdade de gênero, autonomia e os direitos das mulheres no mundo.

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi
Reprodução
Bachelet ser´á a nova alta comissária da ONU para Direitos Humanos (Foto: ONU)

Logo após a confirmação pela Assembleia Geral, António Guterres falou a jornalistas e destacou o que chamou de “pioneirismo” na carreira de Bachelet, já que ela foi a primeira mulher a governar o Chile (2006-2010) e a primeira, também, a ser eleita para um segundo mandato (2014-2018).

Médica de formação, Bachelet também foi ministra da Saúde em seu país e a primeira mulher a ocupar a pasta da Defesa. Na década de 70, chegou foi presa pelo regime militar.

O pai de Bachelet, que era general da Força Aérea chilena, foi preso e morreu sob custódia militar. Ela e a mãe passaram vários anos no exílio até retornarem ao Chile, em 1979. 

(*) Com ONU News

Comentários