Escola Latino-Americana de História e Política oferece cursos voltados para formação de esquerda

Segundo professor, ELAHP busca 'complementar' atividade política de esquerda no Brasil, principalmente depois da crise aberta pelo impeachment da ex-presidente Dilma

Redação

São Paulo (Brasil)

A Escola Latino-Americana de História e Política (ELAHP) está com inscrições abertas para cursos de formação voltados para temas progressistas de esquerda. Para o 1º semestre de 2019, a instituição já possui sete cursos programados, que passam por assuntos como o neoliberalismo na América Latina, vida e obra de Rosa Luxemburgo e a história do pensamento marxista no século 19.

A programação completa dos cursos com datas, valores e endereços, bem como informações sobre corpo decente e conteúdo pedagógico, podem ser encontrados no site da escola.

Fundada em 2018, a ELAHP é um projeto educacional que volta sua formação para temas históricos e políticos de esquerda. Ela foi criada e é dirigida de forma autônoma por docentes de diversas áreas do conhecimento.  Apesar da sede da ELAHP ficar em São Paulo, os cursos estão previstos para acontecer em três endereços: dois na capital paulista e um, no Rio de Janeiro.

Professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, Valter Pomar é um dos docentes engajados na criação e coordenação da ELAHP. Segundo ele, a escola busca "complementar" a atividade política de esquerda no Brasil, principalmente depois da crise aberta pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016.

"O golpe de 2016, a prisão de Lula e a eleição de Bolsonaro, num contexto internacional de profunda instabilidade e crise, colocam a esquerda brasileira diante de imensos desafios. É preciso lutar e organizar mais e melhor. Para isso é preciso formular e estudar e a ELAHP quer contribuir com isto", diz o professor.

Pluralidade

Ao lado de nomes como o professor de direito constitucional da PUC-SP Pedro Serrano, a doutora em geografia pela USP Iole Olíada e o jornalista e fundador de Opera Mundi Breno Altman, Pomar destaca a importância da equipe de professores que fazem parte da ELAHP. "Destaco a pluralidade teórica, a pluralidade política e a diversidade de experiências pedagógicas", diz.

Para Armando Boito Jr., professor titular de ciência política da Unicamp e membro do conselho docente da ELAHP, "o Brasil vive uma conjuntura muito complicada, e a importância da escola é esclarecer os estudantes, os ativistas de movimentos populares, os socialistas, sobre a história da América Latina e sobre a teoria política". Segundo o professor, diante do avanço da direita no continente, a ELAHP "participa na luta de ideias contra os ideais conservadores que estão crescendo na América Latina".

Boito Jr. acredita que o papel da instituição no "esclarecimento e na formação histórica e teórica qualificada faz com que as conquistas democráticas populares avancem no continente latino-americano".

Ainda sobre a importância da ELAHP no contexto latino-americano, o diretor do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), José Reinaldo Carvalho, afirma que a escola tem muito a oferecer inclusive diante da crise que ocorre na Venezuela.

"No caso da Venezuela, a formação é ainda mais débil aqui no Brasil. Há muitas controvérsias dentro de forças que se dizem progressistas que não compreendem o papel de [Nicolás] Maduro", diz Carvalho.

Membro do corpo de professores, o jornalista especializado em relações internacionais afirma que ainda há muito trabalho a ser feito neste campo. "O projeto começou no ano passado e os cursos do primeiro semestre deste ano já estão disponíveis. Temos que ter consciência que o percurso é longo, mas alcançaremos nosso objetivo", diz.

Reprodução
Programação completa de cursos pode ser encontrada no site oficial da ELAHP

Comentários