Dez dias em Caracas, parte 3: retratos da luta, da desconfiança e da espera

Fotógrafa Amanda Cotrim foi à capital venezuelana movida pela vontade de retratar o cotidiano da cidade; veja a terceira e última parte do ensaio fotográfico

Amanda Cotrim

Caracas (Venezuela)

Parte 3:  Retratos da Venezuela 

Entrei na Venezuela com a imagem de que encontraria em Caracas uma cidade dividida. Mas não sai com essa imagem. Apesar de a divisão existir, ela não é tão evidente. 

Há um projeto político que está sendo defendido por parte da população. Não é o governo de Nicolás Maduro que está sendo defendido, mas o legado de Hugo Chávez (1954-2013). No entanto, há quem reconheça os avanços do governo de Chávez, mas não apoie Maduro e não se identifique com uma ideologia de esquerda. E há também quem nunca apoiou Chávez, por se considerar mais à esquerda do que ele, estando nesse momento nem ao lado de Maduro e menos ainda da oposição. Há quem odeie Maduro, odeie Chávez e odeie a oposição. Ou seja, não é tão simples quando dizer que há chavistas e opositores, apesar de num momento de agudização da crise, seja exigido tomar um lado. 

O fato é que a oposição venezuelana não representa um projeto que passe alguma confiança. As pessoas que não aprovam o projeto chavista reconhecem que os opositores não oferecem nenhum projeto e que o que deve mudar na Venezuela não é Maduro, mas a estrutura. Às vezes, tinha a impressão que alguns venezuelanos esperavam mesmo era um milagre.

“Antes era melhor”. “Antes não estava assim”. “Se você tivesse conhecido aqui antes”. “Por que não veio nos visitar antes?”... Ouvi muito tais formulações. Mas o que significa esse “antes?”. Antes de Maduro? Antes da crise? Antes da morte de Chávez? “Antes do socialismo”, me disse uma moradora de Petare, a maior favela de Caracas e considerada a maior da América Latina, com um milhão de pessoas morando na região que fica a 15 quilômetros, aproximadamente, do centro de Caracas.  Não sei se ela acredita nisso, mas não importa, porque o socialismo falhou com ela. Com crise ou sem crise, os pobres, em qualquer parte do mundo, são as pessoas mais afetadas pelo capitalismo. E numa situação de crise, crer em algo é fundamental para que os dias seguintes façam algum sentido serem vividos, ainda que seja acreditar que a culpa é do socialismo, ou ainda acreditar que é preciso defender um legado, acreditar que é preciso deixar o país, ou ficar. 

Quem acompanhou o primeiro texto dessa série, se lembra que eu havia dito sobre o medo inicial de fotografar nas ruas de Caracas. Hoje, entendo que esse medo foi um grande parceiro do meu trabalho. Um fotógrafo que não tem medo da rua não respeita a rua. Porque o medo, de alguma forma, te situa diante do seu contexto. É preciso humildade e respeito para poder contar histórias das pessoas, mesmo que elas não saibam, muitas vezes, que estão sendo fotografadas, uma vez que a fotografia de rua admite, em muitos casos, que o fotógrafo registre cenas nas quais os personagens só agiram como agiram porque não notaram a existência de uma câmera. 

Meu trabalho realizado na Venezuela teve uma intenção documental, ou seja, registrar uma história, em um determinado contexto. O material que você teve acesso foi construído, essencialmente, com fotografia de rua/cotidiano e retratos. Lancei-me em busca de personagens e cenas característicos que possam dizer sobre a Venezuela nesse tempo histórico. Retratos da finitude, da continuidade, da luta, da desconfiança, da espera. Essa terceira parte do ensaio é o meu próprio jeito de ver a cidade de Caracas e suas mudanças no contexto de crise social.

Moradores do bairro Petare recebem, semanalmente, a colaboração de organizações não governamentais que levam comida e água para a população. Eles já esperam por essa ajuda e retribuem sempre com muita fraternidade e gentileza. As organizações chegam onde, muitas vezes, o Estado não chega 

Homem vende balas, na rua, durante manifestação em apoio a Maduro. Pergunto se ele é chavista, me diz que sim

Pichação em frente ao prédio do Governo Federal, no centro de Caracas 

Por que os jovens pobres, os mais afetados pela crise, defendem o governo de Maduro? Na imagem, da esquerda para direita:  Yirvy Lopes, Carlos Garcia, Jesus y Wilson Maestre. Todos são militantes da juventude do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) 

O jovem Yirvy Lopes exibe sua tatuagem, com orgulho "É a assinatura da Revolução, de Hugo Chávez. Presidente eterno", me diz 

Amanda Cotrim
Fotógrafa foi à capital venezuelana movida pela vontade de retratar o cotidiano da cidade

Jovem de 29 anos, moradora de Petare, tem uma enfermidade degenerativa. Recebe do Estado o valor de 16 mil bolívares. Um dólar, atualmente, está valendo 20 mil bolívares. Sua mãe me diz que ela, apesar de não conseguir falar, compreendia tudo. Eu, então, digo a ela que se ela quisesse que eu a fotografasse, que ela olharia para mim 

A mãe da jovem com enfermidade degenerativa, é enfermeira, trabalha no período da noite e deixa sua filha aos cuidados de uma pré-adolescente de 12 anos. Como enfermeira, recebe 200 mil bolívares por mês, o equivalente a 10 dólares

Aposentados passam boa parte do dia pelas praças de Caracas. Nessa imagem há opositores e chavistas. Quando o tema foi política, protagonizaram uma calorosa discussão

Manifestante conhecida como "Chapeuzinho Vermelho" é simbolo dos defensores do governo de Maduro. Ela carrega Hugo Chaves em seus brincos

 Um homem é socialista. O outro é antichavista. Um defende Maduro e o outro o ataca. E mesmo assim, ou justamente por isso, seguem juntos

Manifestação sobre os 11 anos da Juventude Socialista reúne muitos jovens e idosos em Caracas, em apoio ao governo de Maduro e, principalmente, contra o bloqueio econômico dos EUA

Jovens venezuelanos protestam durante marcha pelos 11 anos da criação da Juventude Socialista, em Caracas

Comentários

Leia Também