Hoje na História: 1620 - Peregrinos chegam ao Novo Mundo a bordo do Mayflower

A embarcação transportava 102 passageiros e 25 tripulantes

Max Altman

Atualizada em 26 de novembro de 2014 às 06h00

O Mayflower, navio que levava os religiosos ingleses separatistas, conhecidos como Puritanos, lança âncora em 26 de novembro de 1620 em Plymouth, Massachusetts. A embarcação transportava 102 passageiros e 25 tripulantes.

O barco deixou a Inglaterra em 6 de setembro e, após uma penosa jornada de 80 dias, marcada pela doença que cobrou duas vidas acosta numa enseada do Cabo Cod, chegou ao destino final. O destino original era a foz do rio Hudson, ao norte da colônia inglesa de Virginia, mas como o rígido inverno se aproximava deteve-se na baía do Cabo Cod. Em 21 de março de 1621, todos os passageiros, que permaneceram no navio durante o inverno, mudaram-se para a localidade costeira de Plymouth. Em 5 de abril o Mayflower retornou à Inglaterra.

Recriação da viagem do Mayflower em 1620:


O Mayflower é um símbolo dos primórdios da colonização do futuro Estados Unidos. Os puritanos ingleses teriam empreendido a viagem para escapar da perseguição religiosa. Até hoje os habitantes da Nova Inglaterra, extremo nordeste do país, acreditam ser descendentes dos passageiros do Mayflower.

O barco era usado como cargueiro no transporte de vinho entre França e Inglaterra. Como a maioria dos navios da época, parecia um galeão com três mastros, Estima-se que suas dimensões, habituais de uma embarcação mercante de 180 toneladas, eram: comprimento de 27,4 a 33.5 m e largura de 7,6 m.

A princípio o plano era fazer a viagem em dois navios, o outro sendo um menor, o Speedwell, que havia transportado alguns dos puritanos de Delfshaven na Holanda a Southampton, na Inglaterra. A primeira viagem dos navios partiu de Southampton em 15 de agosto de 1620,  todavia o Speedwell fez água e teve de ser reparado em Dartmouth em 27 de agosto.

Na segunda tentativa, os navios atingiram o Oceano Atlântico, mas de novo foram obrigados a retornar a Plymouth, Inglaterra em virtude de o Speedwell novamente ter feito água. Mais tarde revelou-se que não havia nada de errado com o Speedwell. Os Puritanos acreditavam que a tripulação, ao optar pela reparação e em vista de seu comportamento na tal operação, queria sabotar a viagem a fim de escapar ao compromisso de um ano de duração de seu contrato com os armadores.

Wikicommons

Mayflower na Baía de Plymouth (por William Halsall, 1882)

Após a reacomodação, os 66 dias finais da viagem foram completados apenas no Mayflower. A cada família foi atribuído um espaço muito pequeno para si e seus pertences. O Mayflower parou em Newlyn em Cornwall para se abastecer de água. Com o fim de estabelecer certa ordem e acalmar as brigas que surgiram a bordo, os colonizadores redigiram e assinaram o Acordo de Mayflower após o navio ter ancorado no Cabo Cod em 21 de novembro, no que é hoje o cais de Provincetown.

Índios

Parte dos colonizadores, depois de desembarcar, exploraram a área coberta de neve e descobriram uma aldeia indígena. Curiosos, escavaram túmulos construídos artificialmente junto aos quais estava guardada certa quantidade de milho. O historiador Nathaniel Philbrick afirma que os colonizadores roubaram o milho e saquearam e profanaram os jazigos, desatando atritos com os nativos locais.

Os colonizadores puritanos passaram a explorar a área do cabo Cod e a costa próxima durante várias semanas, saqueando e roubando na passagem as mercadorias dos nativos. Depois de um difícil confronto com os indígenas Nausets decidiram acertar um acordo em dezembro de 1620.

A História das Fazendas de Plymouth de Bradford registra que os puritanos tomaram certa quantidade de milho para mostrá-lo aos que permaneceram no navio. Mais tarde, levaram o que necessitavam de outro armazém de grãos, pagando a mercadoria em seis meses. Nos seus deslocamentos encontraram variedades de milho de diversas cores e de feijão pertencentes aos indígenas. Compraram para pagar no prazo estipulado, prometendo voltar para adquirir mais, o que de fato ocorreu para contentamento geral.

Durante o inverno, os passageiros permaneceram a bordo do Mayflower, sofrendo de um surto de moléstia contagiosa descrita como um misto de escorbuto, pneumonia e tuberculose. Quando o surto passou, restaram apenas 53 passageiros, pouco mais que a metade. Igualmente, metade da tripulação também havia morrido.

Comentários