Hoje na História: 1642 - Morre o cientista Galileu Galilei

Além da teoria heliocentrista, Galileu também desenvolveu uma série de utensílios como o termômetro e um compasso militar

Max Altman

Em 8 de janeiro de 1642, morre o polímata Galileu Galilei, aos 78 anos. A vida e a obra de Galileu constituem elementos de importância central para a compreensão da revolução científica que mudou o pensamento ocidental no período pós-Reforma.

Galileu nasce em Pisa, em 15 de fevereiro de 1564, como o mais velho de sete irmãos. Seu pai, músico e comerciante de lã, queria que o filho estudasse medicina, mas o menino diz ao pai que pretendia ser monge. Aos 11 anos, Galileu é enviado para um mosteiro jesuíta. Depois, no entanto, volta atrás e, aos 17, ingressa na Universidade de Pisa para estudar medicina.

Aos 20, dentro de uma catedral, Galileu nota que o archote que descia do teto por uma longa corrente balançava sem parar. Curioso para saber quanto tempo o archote levava para ir e vir, ele usa o próprio pulso para medir o tempo. Ali, descobre algo de que ninguém se havia dado conta: o período de cada balanço era exatamente o mesmo. A lei do pêndulo, que seria usada para regular relógios, faz Galileu tornar-se imediatamente famoso.

Com exceção da matemática, Galileu se aborrecia com o currículo da universidade. O pai, longe de se mostrar encantado com o progresso do filho, uma vez que a renda de um matemático era aproximadamente a mesma de um músico, insiste que ele complete os estudos de medicina. Pouco adianta, pois Galileu abandona a Universidade de Pisa sem se formar.

Para garantir o sustento, passa a dar aulas particulares. Sua grande ambição, porém, era ser professor de matemática em uma grande universidade. Mas, embora Galileu se mostrasse simplesmente brilhante na disciplina, ofendia muita gente da área, que acabava escolhendo outros candidatos.

Wikicommons

Galileu Galilei retratado por Domenico Tintoretto

Ironicamente, é uma conferência sobre literatura que muda o destino de Galileu. A Academia de Florença debatia sobre uma controvérsia que já durava 100 anos: “onde se localizava e qual eram a forma e as dimensões do Inferno de Dante”. Galileu queria enfrentar seriamente a questão, mas do ponto de vista de um cientista. Extrapolando o texto de Dante, no trecho em que afirma que “a face do gigante Nimrod era tão comprida e tão ampla quanto a cúpula da basílica de São Pedro, em Roma”, Galileu deduz que o próprio Lúcifer tinha o braço 2 mil vezes mais comprido que o braço normal. A plateia fica impressionada e demora pouco para Galileu ser indicado para a mesma Universidade de Pisa de onde saíra sem diploma.

Experimentos

Na época, travava-se um debate sobre uma das leis de Aristóteles sobre a natureza: objetos mais pesados caíam com maior rapidez que objetos mais leves. As teses de Aristóteles eram tomadas como dogmas. Diz a lenda que Galileu decidiu comprová-la. Precisava lançar os objetos de uma grande altura. Uma construção perfeita para esse fim estava à mão – a Torre de Pisa, de 54 metros de altura. Galileu sobe até o topo carregando uma variedade de pedras de diversos tamanhos e pesos. Solta-as aos pares, bem diferenciadas, e todas elas chegam ao solo ao mesmo tempo. A demonstração é testemunhada por uma multidão de estudantes e professores. Aristóteles estava errado.

Galileu muda-se para a Universidade de Pádua em 1593. Precisava desesperadamente de dinheiro. Seu pai morrera e ele passa a ser o chefe da família. Dívidas o pressionam e a prisão por dívida era uma ameaça real se decidisse viajar para Florença.

Galileu resolve ir è luta e inventar alguns dispositivos que pudessem render algo. Por exemplo, cria um termômetro rudimentar que permitia, pela primeira vez, medir as variações de temperatura e um instrumento para elevar água dos aqüíferos. Ambos não encontraram mercado. Entretanto, o sucesso chega em 1596, com um compasso militar que poderia ser usado para uma pontaria precisa dos tiros de canhão. Uma versão civil seria aplicada para levantamentos topográficos. São estes dois que rendem algum dinheiro.

Conflito com a Igreja

Galileu era cristão fervoroso, mas tinha um temperamento conflituoso e viveu numa época atribulada, em que a Igreja Católica endurecia a vigilância sobre a doutrina para enfrentar as derrotas sofridas na Reforma Protestante. Seu conflito pessoal com a autoridade religiosa tornou dramática a extensão e a profundidade da mudança de abordagem da natureza.

O Papa Urbano VIII percebe a aceitação generalizada do modelo heliocêntrico e convoca Galileu a Roma para ser julgado. Após um julgamento longo e atribulado, o cientista é condenado à prisão por tempo indefinido e a rejeitar publicamente suas ideias. Os livros de Galileu são incluídos no Index, censurados e proibidos, mas foram publicados nos Países Baixos, onde o protestantismo prevalecia, livre da censura do Santo Ofício. Galileu havia escolhido justamente a Holanda para executar o experimento com o telescópio que construíra. Conta-se que, ao sair do tribunal, teria dito a frase célebre: "Eppure se muove!" (No entanto, ela se move), referindo-se à Terra. Galileu consegue comutar a pena de prisão para confinamento, primeiro no palácio do embaixador da Toscana em Roma, depois na casa do arcebispo Piccolomini em Siena e, mais tarde, na sua própria casa de campo, em Arcetri, na Itália, onde morre.

Hoje, o nome de Galileu Galileu está indissoluvelmente associado a uma profunda mudança no equilíbrio entre a filosofia especulativa, a matemática e a evidência experimental no estudo dos fenômenos naturais, no início do século XVII. O período coberto por suas publicações científicas começa com o anúncio de suas primeiras descobertas astronômicas com o telescópio, em 1610, e se encerra com a primeira tentativa sistemática de estender o tratamento matemático da física, indo da estática para a cinemática e para a resistência de materiais, em 1638.

Em 12 de setembro de 1982, o papa João Paulo II, ao visitar a Universidade de Pádua, revogou as acusações de heresia da Santa Inquisição e reabilitou postumamente Galileu Galilei.

Também nesta data:
1324 - Morre o viajante e mercador Marco Polo
1713 - Morre o músico Arcangelo Corelli
1889 - Herman Hollerith inventa a máquina elétrica de contagem
1918 - Presidente Woodrow Wilson enuncia os 14 Pontos para colocar fim à Grande Guerra

Comentários

Leia Também