Hoje na História: 1938 - 'Branca de Neve e os Sete Anões' estreia nos cinemas dos EUA

“Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu?”, é a inesquecível pergunta que a rainha má faz ao Espelho

Max Altman

Todos os posts do autor

Atualizada em 04/02/2019 às 15:00

“Veja com os seus próprios olhos o que o gênio de Walt Disney criou na produção do seu primeiro longa-metragem”, proclamava o trailer original de Branca de Neve e os Sete Anões, que estreou nas telas dos Estados Unidos em 4 de fevereiro de 1938. Ele foi pioneiro em  muitos sentidos: primeiro filme de animação produzido nos EUA, o primeiro totalmente a cores, o primeiro a ser produzido por Walt Disney e o primeiro filme dos considerados Clássicos Disney.

Baseado, no famoso conto de fadas dos irmãos Grimm, Branca de Neve começa com a rainha má perguntando ao espelho mágico: “Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu?” E o espelho dá uma fatídica resposta: Branca de Neve, a mais jovem enteada da rainha. A rainha era realmente muito bonita, porém má e invejosa, e resolve mandar matar Branca de Neve, uma princesa bastante bela e bondosa.

Mas o carrasco contratado pela rainha, um simpático lenhador, que deveria assassiná-la, a deixa partir, aconselhando-a que se escondesse na floresta. Durante a fuga pela floresta, Branca de Neve se depara com uma quantidade de animais amistosos que a conduzem à cabana onde vivem os sete anões – Atchim, Soneca, Zangado, Feliz, Dengoso, Mestre e Dunga –, que trabalham em uma mina, e que passam a protegê-la.

Algum tempo depois, por intermédio de seu espelho, a rainha descobre que Branca de Neve continuava viva. Então, faz uma magia que a transforma numa senhora vendedora de frutas horrivelmente velha e feia e vai atrás da moça para lhe oferecer uma maça envenenada. A garota morde a fruta e cai num sono profundo. Finalmente, após os anões derrotarem a rainha vilã, Branca de Neve é salva pelo príncipe encantado, o grande amor de sua vida, que a desperta com um beijo de amor.

Reação ao filme

A decisão de Disney de produzir o Branca de Neve confrontou-se com a opinião generalizada à época, inclusive de sua mulher, Lilian, que o público, especialmente os adultos, não iria assistir a um filme de longa duração sobre anões. Disney apostou tudo, tomando emprestado mais de 1,5 milhão de dólares para fazer o filme.

Branca de Neve estreou em Hollywood, em 21 de dezembro de 1937, para uma plateia repleta de astros e estrelas que ao final proporcionou-lhe estrondosa ovação. Lançado ao público em fevereiro, o filme rapidamente arrecadou 8 milhões, uma soma assombrosa durante a Grande Depressão, a maior de todas as películas até então.

As críticas foram praticamente todas favoráveis. Chaplin, que assistiu à estreia em Holywood, disse ao Los Angeles Times que o filme “superou todas as expectativas e que no anão Dunga, Disney criara um dos maiores comediantes de todos os tempos.”

A utilização inovadora de história, cor, animação, som, direção e cenários de fundo, entre outros elementos, iria inspirar diretores como Federico Fellini e Orson Welles.

De fato, o Cidadão Kane de Welles apresenta uma tomada aberta de um castelo à noite, com apenas uma janela iluminada o que era estritamente semelhante à primeira tomada do castelo da Rainha Má em Branca de Neve.

Prêmios

Disney ganhou um Oscar honorário da Academia por seu pioneirismo, enquanto a música do filme, a famosa balada “Some Day My Prince Will Come” e outras canções de autoria de Frank Churchill, Larry Morey, Paul Smith e Leigh Harline, foram indicadas para o Oscar.

Wikicommons
Ilustração feita em 1905 por Franz Jüttner para o conto Sneewittchen (Branca de Neve em alemão), dos irmãos Grimm

O estúdio reestreou o filme pela primeira vez em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, a cada década a película foi reapresentada, o que se tornou uma tradição para os filmes de animação de Disney. Para o 50º aniversário, em 1987, a fita foi restaurada e projetada para uma tela de dimensões maiores, o que irritou alguns críticos. O estúdio Disney promoveu uma complete restauração para o digital em 1993.

A força do filme continuou a se manifestar. Em junho de 2008, mais de 60 anos após a estreia, o American Film Institute escolheu Branca de Neve e os Sete Anões como o melhor filme de animação de todos os tempos em sua lista dos Dez Maiores Filmes em Dez Gêneros Clássicos” dos EUA.

Outras curiosidades: nas versões em língua não-inglesa, os nomes dos anões foram específicos e peculiares a cada idioma; quando os anões vão trabalhar e Branca de Neve beija a careca de cada um deles, Feliz não recebe o beijo; a criação dos sete anões foi a parte mais difícil da produção do filme. Foram necessárias 570 desenhistas e várias versões até chegar a versão final.

Comentários