Turma da Mônica em árabe: grupo do Bahrein pretende investir em produtos e revistas

Turma da Mônica em árabe: grupo do Bahrein pretende investir em produtos e revistas

Aurea Santos/Agência de Notícias Brasil-Árabe

Todos os posts do autor

A Turma da Mônica pode estar prestes a entrar de vez no mundo árabe. Tudo vai depender das conversas que o empresário e cartunista Maurício de Sousa terá nos próximos meses com um grupo do Bahrein que, há quatro anos, manifestou interesse em investir nos negócios de sua empresa, a Maurício de Sousa Produções. "A ideia é fazer um projeto para transformar-nos em um grupo internacional, fazer filmes, entrar na bolsa", revela. Segundo ele, quando foi procurado, no passado, não estava preparado.

Wikicommons


Agora, Maurício está disposto a retomar as conversas com os empresários árabes, cujo nome do grupo ele diz não poder revelar, mas conta que está ligado a uma multinacional norte-americana. Segundo o empresário, além da criação de filmes, os árabes também têm interesse na construção de parques e na área editorial, já que, por enquanto, a Turma da Mônica só está presente no mundo árabe em tiras de jornais, e não em revistas, como no Brasil.

"Nossos personagens são aceitos por crianças do mundo inteiro igualmente. Fazemos os personagens para que atravessem o mundo sem atingir costumes ou gerarem suscetibilidades", ressalta o cartunista, revelando que as histórias da Turma têm feito grande sucesso, por exemplo, na Indonésia, maior país muçulmano do mundo. Quando perguntado se há a possibilidade da criação de personagens árabes, ele assume: "Já conversamos sobre isso com o pessoal do Bahrein, mas não sentamos para estabelecer como seriam. Na ocasião, conversei com eles sobre a criação de personagens infantis árabes. Ficou congelado, mas pode ser que renasça", diz Maurício.

Falando em mundo árabe, o cartunista conta que seu avô era libanês. "Tenho sangue árabe, mas não falo a língua. Estou pensando em ir ao Líbano para visitar minha família, que é de uma região chamada Monte Líbano", diz.

Antes disso, o empresário embarca no próximo mês para os Estados Unidos, onde mantém um escritório na cidade de Nova York, responsável pelo planejamento internacional da Maurício de Sousa Produções. É a partir de lá que as conversas com os árabes devem acontecer. "Vamos retomar as conversações e depois, eventualmente, as negociações". A proposta inicial do grupo foi de um primeiro investimento de R$ 900 milhões e um aporte posterior no mesmo valor. No entanto, ele busca não apenas um parceiro na área financeira, mas um que também possa contribuir com novas tecnologias em criação.

Leia mais:
Diplomacia brasileira: o contraste entre a inércia passada e o dinamismo atual 
Amorim: negociações comerciais podem promover democracia em países da África 

Mauricio de Sousa lança cartilha para estimular a integração entre crianças do Mercosul

Para a construção de parques, Maurício conta que a ideia é fazer empreendimentos pequenos, diferentes das grandes construções típicas do mundo árabe. "Queremos fazer parques mais baratos, no mundo árabe, na China, na Europa", diz. Sua empresa já mantém um parque de diversões na África, em Luanda, capital da Angola, e está estudando a instalação de um em Portugal.

China

No que se refere à China, este é um dos mercados onde Maurício já entrou e no qual afirma ter grande interesse. "Quero crescer muito na área de educação", revela. "Na China, fomos convidados por uma empresa de Hong Kong, que foi contratada pelo governo chinês, e chamou a Turma da Mônica para ajudar as crianças a aprenderem a ler. São 180 milhões de crianças com nosso material didático", destaca.

Ele conta ainda que não é só a Mônica e seus amigos que estão fazendo sucesso no exterior. "Na Itália, estamos produzindo uma série de desenhos animados do Ronaldinho Gaúcho, que já está sendo negociado com várias TVs, inclusive com a Al Jazeera", revela, dizendo também que o personagem baseado no jogador do futebol é um dos mais populares fora do Brasil.

Atualmente, os personagens de Maurício de Sousa já estão presentes em 50 países, traduzidos para 32 idiomas, em revistas, tiras, etc. Além disso, sua marca já está em 2,5 mil produtos feitos no Brasil e que Maurício pretende produzir fora do país, para que tenham um preço mais competitivo.

Com cerca de 70 personagens criados, ele afirma que vai diversificar ainda mais a produção de seus desenhos animados. "Vamos lançar a turma do Penadinho, do Astronauta, do Horácio. Serão várias famílias com desenhos animados, que vou poder oferecer para as televisões do mundo inteiro".

A Turma da Mônica

Baixinha, dentuça e gorducha, a personagem infantil Mônica, criada por Maurício de Sousa em 1970, fez e faz parte da infância de milhares de brasileiros, por meio dos gibis e desenhos animados estrelados por ela e por seus amigos, Magali, Cebolinha, Cascão, Chico Bento, entre outros.

Mônica, que recebeu este nome em homenagem a uma das filhas de seu criador, é a personagem mais famosa entre as dezenas de outras criadas por Maurício, sempre em histórias que valorizam a amizade e a solidariedade.


Siga o Opera Mundi no Twitter 
Conheça nossa página no Facebook 


Comentários