CEOs, advogados e jornalistas lideram lista de profissões com mais psicopatas

Para novo livro de psicólogo britânico, psicopatia é mais comum em profissões menos humanas e mais objetivas

Fillipe Mauro

0

Todos os posts do autor

 

Circula pelos Estados Unidos um novo livro que lista as profissões que apresentam maior incidência desse distúrbio de personalidade para elucidar o comportamento de indivíduos psicopatas em ambientes de trabalho.

Segundo o psicólogo Kevin Dutton, autor de “A sabedoria dos psicopatas: o que santos, espiões e serial killers tem a ensinar sobre sucesso”, a carreira mais psicopata é a de CEO, seguida pela advocacia e pela comunicação social (apresentadores de rádio e TV). Cirurgiões aparecem em quinto lugar, logo à frente de jornalistas e agentes policiais.

A profissões com maior incidência de psicopatas:

  1. CEO
  2. Advogado
  3. Comunicação Social (profissionais de Rádio e TV)
  4. Comerciante
  5. Cirurgião
  6. Jornalista
  7. Policial
  8. Sacerdote religioso
  9. Chef de Cozinha
  10. Burocratas

As profissões com menor incidência de psicopatas:

  1. Agente de saúde
  2. Enfermeiro
  3. Terapeuta
  4. Artesão
  5. Esteticista e Cabeleireiro
  6. Assistente social
  7. Professor
  8. Artista
  9. Clínico
  10. Contador

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

 

Divulgação

Na listagem daquelas que possuem menor incidência de profissionais com psicopatias, o autor atribui a liderança para agentes de saúde.  Em seguida surgem respectivamente enfermeiros, terapeutas e artesãos. Professores, assistentes sociais e  contadores também foram listados neste grupo de carreiras.

Para Dutton, todos os casos de psicopatia têm em comum características como emoções superficiais, tolerância ao estresse, falta de empatia, frieza, falta de sentimento de culpa e egocentrismo. Também são elencados sintomas como comportamento manipulativo, irresponsabilidade, impulsividade, vida parasitária, atitudes ilícitas e gestos antissociais.

Por sua vez, a maioria das carreiras que foram classificadas com menor incidência de casos de psicopatia requerem essencialmente forte conexão humana. São profissões que lidam com sentimentos e que não oferecem grandes poderes institucionais.

É justamente essa oferta de poder que mobiliza psicopatas. Esses são, para Dutton, profissionais responsáveis por decisões objetivas, de caráter clínico e desvinculado de sentimentos.

Comentários

Leia Também