Com poder de veto no Conselho de Segurança, China aprova acordo nuclear com Irã

Com poder de veto no Conselho de Segurança, China aprova acordo nuclear com Irã

Marina Terra

Todos os posts do autor

A China, um dos cinco países com poder de veto no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), felicitou o acordo para a troca de combustível nuclear assinado ontem (17/5) por Irã, Brasil e Turquia. Os chineses insistem na via diplomática para a solução do impasse em torno do programa nuclear iraniano, ao contrário de Estados Unidos, Reino Unido e França, que defendem a aplicação de novas sanções à nação islâmica.

“Esperamos que esse acordo ajude a avançar na solução pacífica à questão nuclear iraniana. Apoiamos o acordo e o consideramos importante”, afirmou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Ma Zhaoxu, segundo a agência estatal Xinhua.

Leia também:
Opinião: Acordo Brasil-Irã resolve o impasse nuclear?
Acordo Brasil-Irã-Turquia é positivo e descrença "não tem sentido", diz consultor da AIEA
Brasil confirma assinatura de acordo nuclear com Irã e Turquia
Irã não pode voltar atrás em acordo com Brasil e Turquia, diz crítico de Ahmadinejad
 

Irã, Turquia e Brasil assinaram nesta segunda-feira um acordo de troca de combustível nuclear iraniano em território turco. O documento determina que o Irã enviará à Turquia 1.200 quilos de urânio enriquecido a 3,5%, em troca de 1,2 mil quilos de urânio enriquecido a 20%. O governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad se comprometeu a informar sobre o processo à AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) e a negociar com o Conselho de Segurança.

Mais cedo o ministro das Relações Exteriores, Yang Jiechi, já havia acenado favoravelmente ao acordo, dizendo estar pronto para trabalhar com outros atores no sentido de construir uma saída diplomática e pacífica para o impasse.

No início de abril, os EUA chegaram a noticiar que a China havia aceitado redigir uma nova rodada de sanções contra o Irã, mas a declaração norte-americana foi rapidamente desmentida por Pequim. 

Leia também:
Ex-chanceler de FHC, antes pessimista, classifica acordo como 'construtivo'
Para oposição e governistas no Congresso, acordo com Irã "é bom, mas não basta"

Expectativa

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Ramin Mehmanparast, disse esperar uma resposta rápida do Ocidente ao acordo assinado ontem. “Agora o mundo aguarda um posicionamento do Grupo de Viena”, afirmou Mehmanparast, acrescentando que “espera que eles não demorem demais.”

O Grupo de Viena é formado por EUA, Rússia, França e AIEA. “O acordo criou uma atmosfera de cooperação e não de confronto. O Irã está confiante quanto à troca de combustível”, completou o chanceler, segundo a agência iraniana Fars.

EUA, França, Reino Unido e Alemanha, assim como Israel, acusam o Irã de tentar produzir armamento atômico, o que Teerã nega. Dentre esses países, somente a Alemanha não tem a bomba atômica.


Siga o Opera Mundi no Twitter

Comentários