Com mais de 57 quilômetros, Suíça inaugura túnel ferroviário mais extenso do mundo

Inauguração teve presença de Angela Merkel, François Hollande e Matteo Renzi; túnel de Saint-Gothard foi finalizado após 17 anos e custou 11 bilhões de euros

Redação (*)

0

Todos os posts do autor
A Suíça inaugurou nesta quarta-feira (01/06) o túnel ferroviário mais extenso do mundo, o Saint-Gothard, com 57,1 quilômetros de extensão e 2,3 quilômetros de profundidade em seu ponto mais profundo sob os Alpes.
 
A obra, que custou cerca de 11 bilhões de euros (cerca de R$ 44,3 bilhões), ligará as cidades de Erstfeld, no centro do país, até Bodio, no sul, em uma viagem de aproxidamente 20 minutos. A construção durou 17 anos e, ao todo, possui 152 quilômetros de estruturas e labirintos subterrâneos.
 
EFE

Inauguração do túnel de Saint-Gothard nesta quarta-feira (01/06) ocorreu após obra de 17 anos
 
A estrutura passará por testes frequentes e está previsto que comece a funcionar comercialmente em 11 de dezembro deste ano. A expectativa é que o túnel seja utilizado diariamente por 260 trens de carga, com velocidade de até 100 km/h, e por 65 trens de passageiros, que atingirão até 250 km/h.
 
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, e o presidente da França, François Hollande, estiveram ao lado do presidente da Suíça, Johann Schneider-Ammann, na segunda viagem do trem.
 
O trajeto passa a ser uma rota para o escoamento de produtos do sul europeu para o norte e também uma alternativa para diminuir o trânsito na região. Para as festividades de inauguração, foram convidadas 1.200 pessoas. Os nove trabalhadores que morreram durante a construção serão lembrados em uma solenidade do evento.
 
EFE

Líderes da Suíça, Alemanha, Itália e França viajaram juntos em inauguração do túnel de Saint-Gothard
 
A obra suíça bateu os recordes de extensão do túnel de Seikan, no Japão, que tem 53,9 km, e Eurotúnel, que liga a Grã-Bretanha e a França em um percurso de 50,5km.
 
Ao todo, foram escavadas 28,2 mil toneladas de pedras durante a obra, que empregou 2,6 mil pessoas durante os 17 anos da construção. A obra passa por baixo do túnel de carros de Saint-Gothard, construído na década de 1980.
 
(*) Com agência ANSA

Comentários