Águas-vivas proliferam por causa da poluição e pesca excessiva

Águas-vivas proliferam por causa da poluição e pesca excessiva

Giovana Vitola

Todos os posts do autor

Pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, divulgaram uma pesquisa que mostra que os oceanos estão sendo cada vez mais rapidamente infestados por águas-vivas, algumas com mais de dois metros de diâmetro e pesando 200 quilos. A causa, segundo o documento, se deve principalmente a atividades humanas como a poluição e a pesca excessiva. 


Proliferação de águas-vivas no Japão - Y.Taniguchi/Niu Fisheries Cooperative

De acordo com o cientista australiano Anthony Richarson, um dos responsáveis pelo estudo, apesar de a densa agregação das águas-vivas ser uma característica natural e saudável do ecossistema marinho, “foi observado nos últimos anos um aumento mais severo desses seres pelos oceanos devido a diminuição de seus competidores e predadores”, os peixes.

Na pesquisa, feita em conjunto com o Centro de Pesquisa Marinha do país, consta que a remoção global anual de 100 a 120 milhões de toneladas de vida marinha nas últimas duas décadas está contribuindo significantemente para esse desequilíbrio.

Os principais predadores de águas-vivas são tartarugas, tubarões e atum, mas peixes pelágios pequenos, que andam em cardumes de anchovas e sardinhas, também se alimentam de filhotes de águas-vivas.

“Esse equilíbrio do sistema marinho está se acabando a passos largos”, afirma Richardson.

Além de ações humanas como a pesca excessiva, a pesquisa indica que a translocação e modificação de habitats marinhos(quando o homem muda espécies para novas áreas) e a eutroficação (nutrientes químicos de fertilizantes agrícolas, urbanos e industriais, que alteram e deteriorizam a água de rios e oceanos),  também estão promovendo uma multiplicação desses animais e o detrimento da vida e organismos marinhos.

Além disso, ao contrário de outras espécies de peixes, as águas-vivas, representadas por quatro mil espécies, são mais resistentes à modificação do ambiente marinho e à poluição humana que atinge oceanos. Quando nitrogênio e fósforo (vindos dos fertilizantes) vazam para o mar, há falta de oxigênio, as chamadas “zonas mortas”, onde peixes não conseguem sobreviver, mas águas-vivas, sim.

A pesquisa mostra que o aumento crescente de águas-vivas foi notado especialmente no sudeste asiático, no Mar Negro, no Golfo do México e no Mar do Norte.

O problema é tão preocupante que pesquisadores começaram a tentar controlar as populações usando ondas de som para explodir as criaturas, assim como redes especiais que as cortam em pedaços.

Consequências

Até o momento, algumas consequencias observadas dessa invasão mostram que, no Japão, por exemplo, há dificuldade de pescaria e de comércio, uma vez que as águas-vivas gigantes (as Nomuras) são tão grandes que arrebentam redes de pesca , além de deixar os peixes com uma espécie de limo na pele, dificultando a venda.

Próximo a Namíbia, onde a pesca também é intensa e dizimou estoques significantes de sardinhas, a água é hoje dominada por água-vivas. “É como se o colapso das sardinhas diminuísse a pressão predatória das água-vivas e aumentasse suas fontes de alimento (uma vez que peixes e águas-vivas também competem pelo mesmo tipo de organismos marinhos para alimentar-se)”.

Futuramente, a pesquisa aponta outras consequências, como praias terem que ser fechadas, além de afetar diretamente o turismo, economia e atividades sociais.

Os pesquisadores, que investigam uma melhor forma de controlar o aparente caos marinho, alertam que é preciso urgentemente começar a administrar o ambiente oceânico de forma holística e com precaução para prevenir mais exemplos do que poderia ser uma invasão dominante dessas criaturas gelatinosas e cheias de tentáculos em todo o mundo.

“Infelizmente, um estado dominado por águas-vivas não suporta altos níveis tróficos de outros peixes, mamíferos e pássaros marinhos”, disse Richarson. 

Siga o Opera Mundi no Twitter


Comentários