Morre, aos 96 anos, último sobrevivente do campo de concentração nazista de Sobibor

Nascido na Ucrânia, Semion Rosenfeld, soldado judeu do Exército Vermelho, foi um dos 50 prisioneiros sobreviventes do campo de Sobibor, que ficava na Polônia ocupada, e da Segunda Guerra Mundial

Redação

RFI RFI

Paris (França)

O último sobrevivente conhecido do campo de extermínio nazista de Sobibor, Semion Rosenfeld, faleceu nesta segunda-feira (03/06) aos 96 anos, anunciou o presidente da Agência Judaica, Isaac Herzog.

"Lamentamos a morte de Semion Ronsenfeld, que participou da rebelião de Sobibor. No horror da Shoá, ele se tornou um herói, apesar de tudo", afirmou Herzog em um comunicado. Rosenfeld morava em um asilo que pertencia à Agência Judaica.

Nascido na Ucrânia, Semion Rosenfeld, soldado judeu do Exército Vermelho, foi um dos 50 prisioneiros sobreviventes do campo de Sobibor e da Segunda Guerra Mundial.

De maio de 1942 até 1943 quase 250.000 judeus, procedentes em sua maioria da Polônia, mas também da Holanda, República Tcheca e Eslováquia, morreram no campo de Sobibor, na Polônia, ocupada pela Alemanha nazista.

Rosenfeld morreu nesta segunda, aos 96 anos (Reprodução/Twitter)

Rebelião histórica

Em 14 de outubro de 1943, uma rebelião eclodiu em Sobibor, a mais importante e famosa na história dos campos de concentração nazistas. Quase 300 prisioneiros, entre eles Semion Rosenfeld, que tinha 21 anos, conseguiram fugir ao abrir uma brecha na cerca de arame farpado.

Os nazistas capturaram 170 rebeldes que conseguiram fugir e todos foram fuzilados. Antes do fim da guerra, os nazistas demoliram o campo de Sobibor para apagar os vestígios do centro de extermínio.

Em uma entrevista exibida em março por um canal de TV, Semion Rosenfeld afirmou que "o destino decidiu que seria um herói".

Toda sua família foi assassinada pelos nazistas, recordou Ronsenfeld, que, ao final da guerra retornou à Ucrânia e, depois, em 1990, emigrou para Israel.

Comentários