'Bola da vez', Itália tentar afastar fantasma da quebra em meio à crise das dívidas

'Bola da vez', Itália tentar afastar fantasma da quebra em meio à crise das dívidas

Graziano Graziani

A Itália corre o risco de ter o mesmo destino que a Grécia? Com as sucessivas quedas da bolsa de Milão, a crise econômica e o desemprego, além dos efeitos negativos das declarações do governo sobre os mercados internacionais, essa pergunta ecoa dentro e fora do país, com diferentes graus de preocupação.

Em 3 de agosto, após o fechamento das bolsas, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, discursou no Parlamento sobre a situação econômica para o atual presidente do Banco da Itália, Mario Draghi. Sinal de que a preocupação ultrapassou os níveis de alerta. Berlusconi, que sempre optou por injeções de otimismo, dessa vez admitiu que a situação é grave. O premiê se comprometeu a antecipar um orçamento equilibrado para 2013, porém, sem explicar até onde chegará a cobertura financeira. E a preocupação com os custos sociais para o resgate da Itália está em ascensão.

Loretta Napoleoni, especialista em Economia e colaboradora dos jornais Le Monde e The Guardian, traçou no fim de julho um perfil preocupante para a Itália. A dívida pública está em torno de 120% do PIB (Produto Interno Bruto), aproximadamente 1,8 bilhão de euros. Uma cifra muito maior do que a soma da dívida da Grécia, Portugal, Irlanda e Espanha. Napoleoni sugere que, mesmo que os bancos emprestem dinheiro para a Itália, o país não estaria a salvo, porque a Europa não tem a disponibilidade de dinheiro suficiente. O risco de quebra, resumindo, está mais próximo do que parece. 

Leia mais:
A Europa em marcha-à-ré 
Enfrentar a crise da dívida na Europa
Os ''indignados'' e a Comuna de Paris  
Não é só o euro, mas a democracia que está em jogo
França prepara pacote de medidas para reagir à crise econômica mundial
Banco Central dos EUA mantém juros perto de zero até 2013
 
Luca Bonaccorsi, diretor do jornal Terra, voltado para a Ecologia e a Economia Sustentável, acredita que, atualmente, o destino da Itália influencia o futuro de toda a Europa. "É impróprio falar de um 'risco Grécia', porque a Itália é grande demais para falir. A dívida pública é 10 vezes a da Grécia. A cada mês a Itália vai a leilão com 25 bilhões de euros em títulos, mais ou menos o que a Grécia leiloa em um ano". A quebra da Itália, na prática, teria um efeito dominó difícil de conter que, de acordo com Bonaccorsi, seria capaz de detonar a moeda única da União Europeia.

"A Itália é grande demais para quebrar, mas é grande demais também para ser ajudada. Como o país é o terceiro maior emissor de dívida pública no mundo, serão tentadas todas as alternativas. Mas a Itália deve resolver isso sozinha. A economia está em declínio, como todas dos países europeus, que ficaram para trás em relação às economias emergentes dos países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia, China). No entanto, é uma economia que produz bens industriais, concretos; em alguns setores existem indústrias de excelência, como a de alta tecnologia e o Made in Italy, que ainda goza de credibilidade. Em suma, não é impossível encontrar uma solução."

No entanto, os dados negativos das bolsas internacionais em agosto são preocupantes não apenas para a Itália. A queda não foi de títulos financeiros, mas da indústria. O fantasma temido por todos é que o resgate dos bancos no ano passado seja seguido, em vez de uma recuperação, pela recessão. "Por isso creio que pela solução da Itália passe também o destino da comunidade europeia", conclui Bonaccorsi. "Uma eventual quebra italiana é uma situação muito grave para administrar, e os Estados Unidos, que detém vários títulos italianos, sabem bem disso". 

Leia mais:
Berlusconi afirma que não tentará se reeleger em 2013

Berlusconi diz que continua até o fim do mandato e pede apoio da oposição
Governo de Berlusconi conquista voto de confiança na Câmara 

Participação dos EUA

O risco real é que a Itália não tenha mais relevância do ponto de vista político. Segundo Federico Rampini, que reconstitui nas páginas do jornal La Reppublica os bastidores da decisão do governo italiano de antecipar a redução da dívida para 2013, a situação já é essa. A decisão, antes de tornar-se pública na coletiva de imprensa de Berlusconi, já era conhecida em Wall Street. Segundo Rampini, é um sinal de que as decisões do governo italiano foram impostas pelos EUA, em comum acordo com Paris e Berlim. Berlusconi, portanto, estaria de fato desautorizado e executando determinações dos aliados. 

Leia mais:
Charge: Papandreou desce pelo ralo da zona do euro 
Crise pode resultar em maior regulação das agências de risco, dizem especialistas
EUA podem demorar quase 10 anos para recuperar qualificação de AAA, diz S&P
Sempre fomos e sempre seremos um país AAA, diz Obama sobre rebaixamento de nota

Hoje, no olho do furacão junto com a Itália, estão os EUA de Obama, cuja economia foi rebaixada pela primeira vez na história da agência de qualificação Standard & Poor's. O que mais assombra os norte-americanos é o fantasma da recessão, e a quebra da Itália seria um elemento de instabilidade na zona do euro de tais proporções que Washington não seria capaz de enfrentar.

"Na realidade, o rebaixamento da economia norte-americana é uma medida tardia", comenta Bonaccorsi. "Há tempos que ela não é mais classificável com um triplo 'A'. A China, principal titular da dívida dos EUA, hoje fala grosso porque o rebaixamento significa uma grande perda para o colosso asiático. No entanto, os EUA são capazes de obter grandes empréstimos e por isso têm meios de superar esse abalo. O mesmo vale para a China, que há tempos aprendeu a manter-se no mercado por meio da diversificação de seus investimentos. Hoje, China e EUA são faces da mesma moeda, reflexos de um sistema econômico em vigor há anos, conhecido como ‘Chinoamérica’: um cenário que traz hoje o Partido Comunista chinês no papel de principal investidor capitalista em um nível global". 


Siga o Opera Mundi no Twitter  
Conheça nossa página no Facebook

Comentários