Dois jovens ingleses são condenados a quatro anos por convocarem distúrbios no Facebook

Dois jovens ingleses são condenados a quatro anos por convocarem distúrbios no Facebook

Redação

Dois ingleses foram condenados a quatro anos de prisão em Chester, no Reino Unido, por postarem mensagens no Facebook incentivando seus amigos a participarem dos distúrbios na Inglaterra. As informações são do jornal inglês The Guardian.

O primeiro deles, Jordan Blackshaw, de 20 anos, criou um evento na rede social chamado "Quebra-quebra em Northwich Town" na noite de 8 de agosto. Entretanto, ninguém compareceu ao encontro – com a exceção de policiais, que descobriram sua intenção ao monitorarem as páginas do site. O jovem acabou preso no local. Ele será encaminhado a uma instituição para jovens infratores.

Leia mais:
Polícia britânica pode impor toque de recolher em algumas regiões
Apenas 28% dos britânicos aprovam atuação de Cameron contra distúrbios
'Não se trata de política e sim de roubos', diz premiê britânico sobre distúrbios
Novos distúrbios em Londres terminam com 100 detidos e nove feridos
Cameron autoriza polícia a usar canhão de água para conter tumultos

O juiz Elgan Edwards afirmou, em sua sentença, que "[o ato] aconteceu num momento em que uma insanidade coletiva atingia o país. (...) Sua conduta foi vergonhosa e o título da mensagem que postou no Facebook é arrepiante".

Perry Sutcliffe, de 22 anos, usou a sua conta no Facebook em 9 de agosto para criar a página "Protestos de Warrington", nome de sua cidade. O jovem removeu a página e pediu desculpas, dizendo que era tudo uma piada. Nenhum protesto chegou a ser organizado.

Stucliffe, segundo o mesmo juiz, ao contrário do outro condenado, "causou pânico real" e "mobilizou um grande número de recursos policiais em Warrington".

As duas condenações ocorrem no momento em que advogados de defesa e grupos de direitos civis vem criticando a "desproporção" de sentenças impostas a alguns manifestantes. Ao menos 1,3 mil suspeitos de participação nos distúrbios serão julgados.

Siga o Opera Mundi no Twitter   
Conheça nossa página no Facebook

Comentários