Hoje na História: 1988 - Dopado, Ben Johnson vence os 100 metros rasos nas Olimpíadas de Seul

Hoje na História: 1988 - Dopado, Ben Johnson vence os 100 metros rasos nas Olimpíadas de Seul

Max Altman

No dia 24 de setembro de 1988, o velocista canadense Ben Johnson assombrou o mundo ao vencer os 100 metros rasos nos Jogos Olímpicos de Seul, diante do norte-americano Carl Lewis, e de quebra fulminar o recorde mundial com a marca de 9s79.

O triunfo de Johnson, no entanto, foi efêmero. Três dias depois, um teste antidpoing deu positivo para esteróides anabolizantes. Seu recorde do mundo seria excluído dos registros da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo, em sua sigla em inglês) e a medalha de ouro atribuída ao segundo colocado, Lewis.


Aquele que a imprensa havia apelidado de "Big Ben" tornou-se, então, um pária do esporte. O doping estava longe de ser uma novidade, mas em se tratando da principal prova do atletismo olímpico, pegou a todos de surpresa.

Ben Johnson havia mudado com sua família para os subúrbios de Toronto de sua nativa Jamaica ainda adolescente. Logo começou a praticar corridas rasas no Clube de Atletismo Scarborough Optimists, treinado pelo técnico Charlie Francis da equipe nacional de atletismo do Canadá.

Em 1984, Johnson conseguiu se classificar para os Jogos Olímpicos de Los Angeles, terminando em 3º lugar com o tempo de 10s22, menos de três décimos de segundo do campeão da prova, o norte-americano Carl Lewis. O canadense deixou Los Angeles determinado a retornar aos Jogos Olímpicos de 1988 e, desta vez, levar para casa a medalha de ouro.

Leia mais:
Hoje na História: 1936 - Jesse Owens conquista medalha de ouro nos Jogos de Berlim
Hoje na História: 490 a.C - Atenienses vencem a  batalha de Maratona
Hoje na História: 1912 - Jim Thorpe vence pentatlo nos jogos de Estocolmo

No campeonato mundial de atletismo de Roma, em 1987, Johnson havia corrido os 100 metros em fantásticos 9s83, estabelecendo um novo recorde mundial e alertando o mundo desportivo de que ele não era apenas um corredor qualquer. Carl Lewis fez a sua melhor marca, 9s93, mas teve de se contentar com o segundo lugar.

Quando Johnson parecia estar atingindo o auge da forma, acabou lesionando o tendão atrás do joelho. Após uma segunda lesão em maio de 1988, o juízo convencional era de que não estaria em plena forma em Seul. Entrementes, nas eliminatórias olímpicas norte-americanas, Lewis correu os mais rápidos 100 metros à época –é certo que, com ajuda do vento a favor, o recorde não pôde ser registrado– em 9s78, reassumindo a condição de favorito nos Jogos que se aproximavam.

Em 24 de setembro, na final dos 100 metros, Johnson alinhou-se na raia 6, enquanto Lewis tomou posição na raia 3, e outro corredor perigoso, Linford Christie, da Grã Bretanha, postou-se na raia 4. Johnson teve uma partida explosiva e embora Lewis fosse conhecido por sua chegada veloz e tenha batido o recorde norte-americano nesta prova com 9s92, simplesmente não conseguiu se recuperar, terminando alguns passos atrás de Johnson. Após a corrida, Johnson declarou aos repórteres: ''O importante foi derrotar Carl. Este era o meu principal objetivo, não o recorde mundial.Apenas bater Carl Lewis para ganhar a corrida.''

Em 27 de setembro, o resultado do teste na urina de Johnson foi um escândalo. Ele negou ter usado esteróides intencionalmente, afirmando que houve infusão de algo numa bebida de ervas que lhe havia sido oferecida antes da prova.

O Comitê Olímpico Internacional recusou-se a aceitar sua explicação, e Johnson foi destituído de sua medalha de ouro.

Outros fatos marcantes da data:
Hoje na História - 1572: Tupac Amaru, o último herdeiro do Império Inca, é decapitado
Hoje na História: - 1759: Arthur Guinness tira o primeiro "pint" da cerveja mais famosa do mundo

Siga o Opera Mundi no Twitter   
Conheça nossa página no Facebook 

Comentários